Internas têm lições sobre saúde da mulher no Presídio de Joinville - Segurança - A Notícia

Versão mobile

Outubro Rosa31/10/2017 | 15h06Atualizada em 31/10/2017 | 15h12

Internas têm lições sobre saúde da mulher no Presídio de Joinville

Atividades desenvolvidas evidenciaram os cuidados com a saúde e o bem-estar das mulheres

Internas têm lições sobre saúde da mulher no Presídio de Joinville Salmo Duarte/A Notícia
Internas participaram de palestra de enfrentamento ao câncer Foto: Salmo Duarte / A Notícia

As mulheres da ala feminina do Presídio Regional de Joinville puderam deixar a rotina do cárcere um pouco de lado durante a manhã desta terça-feira. Por meio de várias atividades, as presas conseguiram resgatar a autoestima, frequentemente esquecida durante o tempo na prisão. A ação social — promovida na unidade com o apoio de grupos voluntários — ocorreu em referência ao Outubro Rosa, mês de combate e controle ao câncer de mama.  

Leia as últimas notícias de Joinville e região em AN.com.br

A unidade prisional abrange cerca de 50 mulheres. Por volta das 9 horas, os corredores das galerias foram tomados pelas detentas com olhares ansiosos para cuidar da saúde e do bem-estar. Aos poucos, elas passavam por um tratamento de beleza em um 'salão improvisado' em meio às celas, equipado com maquiagens e profissionais para cortar e escovar os cabelos. Além dos cuidados com a beleza, as mulheres participaram de palestra de enfrentamento ao câncer. 

Jennifer Alves Feitosa, 28 anos, exibia os lábios pintados de vermelho e os olhos levemente maquiados. Com o sorriso estampado no rosto, ela demonstrava o contentamento em dedicar parte da manhã ao 'salão de beleza improvisado' no pavilhão.  A mulher está presa há aproximadamente dois meses na unidade, aguardando julgamento. 

— Ah, é ótimo poder participar de uma atividade assim. Isso aumenta a autoestima da gente — assegura Jennifer. 

 JOINVILLE,SC,BRASIL,31-10-2017.Profissionais de beleza e da unidade de saúde farão atividades com as mulheres presas, em função do Outubro Rosa.(Foto:Salmo Duarte/A Notícia)
A voluntária Gisele Silva participou da ação socialFoto: Salmo Duarte / A Notícia

Ao longo do período no cárcere, cuidar da beleza e da saúde significa para as mulheres presas mais do que o apelo estético. As atividades desenvolvidas estimulam o afeto com o próprio corpo e representam uma tentativa de aproximação com a vida fora do presídio e a ressocialização. Assim, quando receberem a liberdade, elas poderão se sentir pertencentes e reinseridas na sociedade. 

— Faz parte do projeto individualizador da pena, do contexto da reintegração social. A ideia desta atividade é buscar isso nelas, para quando saírem daqui tenham as condições de se ressocializar — afirma a assistente social Ana Carolina de Castro Freitas Santos

Para o diretor da unidade carcerária, Paulo Cleber Sabei, ações dessa natureza são essenciais para a eficácia do processo de reeducação e ressocialização das apenadas.

— Essa é uma ação que a gente faz já pensando na reinserção social, trazendo algumas informações para ressaltar a importância desse cuidado — garante. 


Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Colombo veta projeto que combatia roubo de cargas  https://t.co/g6s3MzCfYD #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEmpresa de Joinville oferece 30 vagas para jovens de 18 a 22 anos https://t.co/WSKP0Br0IL #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca