Polícias Civil e Militar investigarão ação após morte de homem em surto - Segurança - A Notícia

Versão mobile

Segurança19/09/2017 | 19h00Atualizada em 20/09/2017 | 09h28

Polícias Civil e Militar investigarão ação após morte de homem em surto

Leandro Wisbecki, 32 anos, foi baleado ao tentar reagir a atendimento dos socorristas do Samu

Polícias Civil e Militar investigarão ação após morte de homem em surto Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia


A Polícia Militar e a Polícia Civil de  Joinville abriram inquéritos para apurar os fatos que levaram à morte de Leandro Wisbecki, 32 anos, após ser baleado por policiais militares no quintal de casa na tarde de segunda-feira, 18 de setembro. Leandro estava em surto e tentava se cortar com uma faca, motivo pelo qual os pais haviam acionado o Samu na esperança de que ele fosse contido e encaminhado para a ala psiquiátrica do Hospital Regional. 

A Guarda Municipal e a Polícia Militar foi chamada pelos socorristas para oferecer apoio e, sem conseguir dominar o homem, os agentes de segurança dispararam contra ele. Os familiares acreditam que a ação foi exagerada, enquanto a Polícia Militar justifica que os policiais agiram em legítima defesa. 

De acordo com o tenente Diogo Lima, da Polícia Militar, Leandro foi abordado pela PM e pela Guarda Municipal, que conversaram com ele para que soltasse a faca que estava em mãos. O tenente afirmou que, como o homem não atendeu à ordem, foram disparados dois tiros de arma não letal (de choque), que não foram o suficiente para contê-lo. Segundo a PM, Leandro estava com um força sobre-humana e teria partido para cima dos guardas e policiais, quando foi atingido por quatro tiros de arma de fogo. O confronto ocorreu entre o quintal da casa e a rua.

Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br 

O pai de Leandro, Malvo Wisbecki, contou que o filho estava com a faca em mãos tentaddo raspar a tatuagem que tinha no braço. Ele usava cocaína há alguns anos, mas teria parado por um tempo. 

Segundo o chefe de operações militares do 8º Batalhão da Polícia Militar, major Celso Mlanarczyki Júnior, o inquérito policial militar já foi instaurado e há um prazo de 30 dias para apuração das provas que poderão elucidar os fatos. 

— Toda a ação policial foi embasada no intuito de apoiar o Samu, que estava atendendo uma pessoa em surto psicótico. Quando veio essa ação agressiva contra os agentes públicos, que poderia incidir em uma ameaça à vida de pessoas, foi necessário o uso de armas de fogo, porque os demais meios empregados não foram suficientes para sanar aquela ameaça — afirmou o major em entrevista à NSC TV.

Os pais de Leandro e uma testemunha foram chamados para prestar depoimento na Delegacia de Homicídios da Polícia Civil. O irmão dele, Sandro, afirmou que a família não chegou a abrir boletim de ocorrência. Leandro foi enterrado na manhã de ontem e, durante a tarde, a família ainda estava muito abalada com o que havia ocorrido. 

— Só chamamos o Samu para conter a situação. Entendemos que eles não iam se meter com uma pessoa com uma faca e precisavam da polícia, mas fizeram o serviço com despreparo. Disseram que havia pelo menos sete policiais e que deram seis tiros. Foi uma execução — lamenta Sandro.  

Ele recorda que o irmão era uma pessoa de bem com a vida, mas que enfrentava problemas psiquiátricos que o levavam a ter períodos bons e ruins. No último ano, Leandro havia sido internado mais de uma vez na ala psiquiátrica do Hospital Regional após surtos semelhantes aos que ocorreram na segunda-feira. 

— Ele parava [de usar drogas], mas quando dava abstinência ele tinha recaídas. Agora estava trabalhando e cuidando das filhas. Nossa família quer justiça, quer entender o que aconteceu de verdade — afirma o irmão. 


Homem morre e mulher fica gravemente ferida após briga familiar em Joinville
Mulher atingida por tiro em Joinville continua em estado grave



Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaAdolescente de Joinville conquista quarta medalha de ouro em Olimpíada Brasileira de Matemática https://t.co/R8r4oAufIx #LeianoANhá 56 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMais de 4.500 estudantes participaram do Programa Educacional de Resistência às Drogas em 2017 https://t.co/rNXGdhjhPa #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca