15 anos depois, empresário de Florianópolis vai a júri popular por duplo homicídio em acidente  - Segurança - A Notícia

Versão mobile

Justiça06/03/2017 | 12h36Atualizada em 06/03/2017 | 15h34

15 anos depois, empresário de Florianópolis vai a júri popular por duplo homicídio em acidente 

Aroldo Cruz Lima é acusado de matar dois rapazes em colisão que aconteceu na Avenida Beira-Mar Norte, no Centro da Capital

15 anos depois, empresário de Florianópolis vai a júri popular por duplo homicídio em acidente  TK Helena/Ver Descrição
Audi em que estavam os dois jovens mortos Foto: TK Helena / Ver Descrição

Quinze anos depois do grave acidente que matou dois jovens e deixou um ferido no Centro de Florianópolis, o empresário do ramo de casas noturnas Aroldo Carvalho Cruz Lima, acusado pelo crime, irá a julgamento no Fórum da Capital. O júri popular está marcado para as 9h desta terça-feira. Se condenado, o réu pode pegar de seis a 20 anos de prisão para cada uma das vítimas mortas e de um a cinco anos pelo rapaz ferido.

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), em 15 de setembro de 2002, o empresário dirigia uma BMW na Avenida Beira-Mar Norte acima de 110 km/h e acertou a traseira do Audi conduzido por Rafael de Lucca Geraldo, 23 anos. O impacto, afirma o MP, fez com que o veículo conduzido pela vítima se chocasse em um poste, causando a morte de Rafael e do passageiro Vitor Hugo Marins Filho, 24 anos.

Aroldo Carvalho Cruz Lima Foto: Marco Cezar / Divulgação

O carro em que estavam Rafael e Vitor Hugo acabou atingindo outro veículo, um Golf. Neste estava Marcos Conceição Dutra, que teve lesões graves. O MP sustenta que o empresário estava embriagado e em alta velocidade no momento do acidente, por isso reforça a tese de homicídio doloso, quando há a intenção de matar. A defesa de Aroldo tentou mudar a acusação para homicídio culposo, o que não levaria o caso a júri popular, mas a Justiça negou os recursos.

O promotor responsável pela acusação, Andrey Cunha Amorim, diz que buscará a condenação do empresário com base nas perícias e na prova testemunhal. A embriaguez ao volante — mesmo que sem a comprovação do teste do bafômetro, mas com relato de testemunhas — e a alta velocidade configuram o dolo no acidente, segundo Amorim.

— Por conta do tempo, as testemunhas vão ter dificuldade de lembrar algumas coisas, mas elas já prestaram depoimento no processo, então vamos resgatar. A Justiça tarda, mas não falha — destacou o promotor.

O advogado do empresário, Cláudio Gastão da Rosa Filho, afirmou que não quer se manifestar sobre a linha de defesa que será usada no júri:

— Encomendamos perícias e laudos e temos elementos que vão demonstrar que essa acusação não encontra amparo na realidade do que ocorreu naquele dia trágico — explica o defensor.

O júri demorou para ocorrer por conta dos diversos recursos dos advogados do empresário. A cada decisão da Justiça, a defesa recorria a tribunais superiores.

Famílias esperam por julgamento há 15 anos

Para as famílias dos dois jovens mortos, mesmo 15 anos depois, o júri popular será importante para amenizar a dor da perda. Vitor Hugo e Rafael eram estudantes na época das mortes. Vitor estudava Ciências Sociais na Univali, enquanto Rafael terminaria no fim daquele ano a pós-graduação em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ambos trabalhavam na área de estudo: Vitor na Assembleia Legislativa de SC (Alesc) e Rafael na empresa da família.

Rafael (esq.) e Vitor Hugo Foto: Reprodução / Arquivo pessoal

Na noite do acidente, eles estavam juntos no Café Cancun, casa noturna de propriedade de Aroldo. Depois os dois saíram e pretendiam ir até o McDonalds da Beira-Mar Norte, na região onde aconteceu o acidente.

— A gente sabe que ele jamais vai cumprir a pena em regime fechado. Ele não será preso. Mas esperamos que o juiz determine alguma punição. Somente o fato de levar o caso a júri já é uma vitória. Nada vai mudar o que aconteceu — afirma a irmã de Vitor, Karla Beatriz Marins.

A demora do caso chegar ao julgamento fez com que dona Noêmia de Lucca Geraldo, mãe de Rafael, entregasse a situação "nas mãos de Deus":

— Ele (Aroldo) tentou de todas as maneiras evitar de ir a júri. Foi até para tribunal federal. Queremos que ele seja condenado, esperamos que sim.

Noêmia lamenta que logo após o acidente o empresário não tenha procurado a família para dar apoio e teria dito "inverdades" sobre o acidente. Segundo ela, isso "machucou bastante" a família, que quer a condenação do acusado.

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaArena Joinville completa mais um aniversário na próxima semana https://t.co/YV2l3GROwf #LeianoANhá 5 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPRF de Joinville apreende veículo alugado com produtos contrabandeados https://t.co/3siszjAh0Q #LeianoANhá 5 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros