Sete testemunhas são ouvidas em julgamento de acusados de matar agente penitenciária - Segurança - A Notícia

Versão mobile

Júri popular em São José29/11/2016 | 19h01Atualizada em 29/11/2016 | 22h12

Sete testemunhas são ouvidas em julgamento de acusados de matar agente penitenciária

Deise Alves foi morta em outubro de 2012 em São José e era mulher de diretor da Penitenciária de São Pedro de Alcântara.

Sete testemunhas são ouvidas em julgamento de acusados de matar agente penitenciária Arquivo PEssoal/Arquivo Pessoal
Deise Alves Foto: Arquivo PEssoal / Arquivo Pessoal

Aos menos sete testemunhas, sendo três de defesa e quatro de acusação, foram ouvidas nesta terça-feira no júri popular dos acusados do assassinato da agente penitenciária Deise Alves, 30 anos, no Fórum de São José. O julgamento acontece com a presença de grande efetivo da Polícia Militar, que faz a segurança dentro e fora do local.

Entre os ouvidos até o fim da tarde estava o ex-diretor da Penitenciária de São Pedro de Alcântara e marido de Deise, Carlos Alves. Também prestaram depoimento dois delegados de polícia que na época trabalhavam na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), um perito, um agente da Polícia Civil, um perito e uma testemunha protegida.

A assessoria do Tribunal de Justiça de Santa Catarina informou que a previsão é que às 22h a juíza Marivone Koncikoski Abreu suspenda o julgamento e retome os trabalhos às 8h de quarta-feira. Mas essa decisão ainda seria avaliada pela magistrada, pois ainda faltavam depoimentos dos cinco réus. Depois disso, será a fase de debates entre acusação e defesa.

Deise foi morta a tiros na noite de 26 de outubro de 2012 ao chegar em casa, no bairro Roçado. A Polícia Civil apurou que na verdade o alvo dos bandidos era o marido dela, o então diretor da Penitenciária de São Pedro de Alcântara, Carlos Alves. Segundo a polícia e o Ministério Público, os chefes da facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC) ordenaram a execução em razão do corte de regalias que Carlos liderava na penitenciária, conhecida como quartel-general porque abrigava os principais líderes.

Segundo o coronel Araújo Gomes, comandante da 11ª Região da PM, até às 22h o julgamento transcorria dentro da normalidade e sem nenhum incidente. De noite, a PM também mobilizará efetivo para a segurança do local onde ficarão os jurados.

"Há provas para condenar os cinco réus", diz promotor sobre acusados de matar agente penitenciária



 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaUber começa a operar nas ruas de Joinville nesta sexta-feira: https://t.co/r0o6vU1YCx https://t.co/Z64ka18wEghá 59 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHemosc de Joinville concentra a coleta de sangue no Norte até fevereiro https://t.co/2jdcNytUhPhá 4 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros