Mulher que matou ex-namorado vai a julgamento em Florianópolis - Segurança - A Notícia

Versão mobile

Tribunal do Júri14/11/2016 | 07h03Atualizada em 14/11/2016 | 07h03

Mulher que matou ex-namorado vai a julgamento em Florianópolis

Acusada afirma que era escrava sexual do homem e que agiu por legítima defesa após ameaças e agressões.

O Tribunal do Júri de Florianópolis julgará na quinta-feira a massagista Ana Raquel Santos da Trindade, 31 anos, pela morte do ex-namorado, o comerciante Renato Patrick Machado de Menezes, 35. Ela afirma que era escrava sexual dele e que o matou para se defender das ameaças e agressões. O júri popular será a partir das 13h30min no Fórum do Centro.

O crime aconteceu no dia 16 de novembro de 2014, por volta das 14h, na casa de Ana Raquel, nos Ingleses, norte da Ilha de Santa Catarina. De acordo com testemunhas, o homem chegou em uma Caminhonete e entrou pelo quintal. A autora então disparou seis vezes com uma arma calibre 32. A vítima se arrastou pelo quintal e foi para a rua, quando a mulher recarregou a arma com mais seis munições e continuou a atirar.

Em depoimento, a ré afirmou que mantinha relação esporádica com a vítima há dois anos, sendo que nesse tempo sofreu agressões e diversas ameaças, principalmente em relação ao seu filho. Ela relatou que havia registrado múltiplos boletins de ocorrência contra o agressor, mas que as queixas não impediram que a violência continuasse. No dia do crime, ela contou que deixou o portão de casa aberto, pois esperava a visita da mãe e da irmã e que não contava com a presença do ex.

Ana Raquel disse em ainda que se surpreendeu quando viu Renato em sua casa casa partindo para cima dela na cama. A mulher afirma que o advertiu que seria a última vez que ele agiria dessa forma e, ao aproveitar um descuido dele, pegou a arma embaixo da cama e atirou. Renato também foi baleado ao tentar fugir, pois Ana Raquel recarregou a arma e disparou novamente. Após os disparos, a mulher ligou para a polícia. Em juízo, a ré afirmou que havia comprado a arma cerca de dez dias antes em razão das ameaças que sofria do ex.

A acusada ficou 24 dias presa e ganhou a liberdade por decisão unânime do Tribunal de Justiça de Santa Catarina — os desembargadores entenderam que não representa perigo à ordem pública. O Ministério Público a denunciou por homicídio qualificado (com recurso que dificultou a defesa da vítima) e posse de arma de fogo.

No dia dez deste mês, o Tribunal de Justiça de SC deferiu liminar em habeas corpus da Defensoria Pública autorizando que correspondências de pessoas que não moram em Florianópolis e não terão condições de estar no julgamento sejam juntadas ao processo.

"Escrava sexual" 

Em entrevista ao jornal Hora de Santa Catarina dada em dezembro de 2014, a massagista contou que era tratada como escrava sexual do comerciante e que havia sido estuprada por ele várias vezes. Renato vivia em SP e viajava a Florianópolis para ir atrás dela. Ele morreu no hospital 13 dias depois de ser baleado. Vizinhos dela disseram que Renato não aceitava o fim do relacionamento e a procurava na casa.

Leia mais:

"Eu era escrava sexual dele", diz mulher que atirou 12 vezes no ex

Morre homem baleado nove vezes pela ex-namorada nos Ingleses, em Florianópolis

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia'AN' testa o aplicativo Uber no primeiro dia de funcionamento em Joinville https://t.co/il68udAyxO https://t.co/6WUEYID981há 9 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaVagner Mancini será o técnico da Chapecoense https://t.co/QEwIhlRC03há 17 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros