Fim do mistério02/11/2013 | 16h50

Taíza Thomsen pode voltar a Joinville neste fim de semana

Segundo assesoria de imprensa contratada pela família, a ex-miss Brasil 2002 que estava sem dar notícias desde 2007 deve retornar acompanhada do tio, que foi buscá-la em Londres

Enviar para um amigo
Taíza Thomsen pode voltar a Joinville neste fim de semana Ver Descrição/Ver Descrição
Taíza foi miss Brasil 2002 e tinha deixado de falar com a família e amigos em 2006 Foto: Ver Descrição / Ver Descrição

A ex-miss Brasil Taíza Thomsen, que chegou a ser considerada desaparecida em 2006, pode estar retornando ao Brasil e a Joinville neste domingo.

A informação é da assessoria de imprensa contratada pela família, que mora em Joinville. O tio de Taíza, Mauro Silveira, teria viajado a Londres para buscá-la. A previsão é de que eles estejam em Joinville ainda no fim da tarde deste domingo.

A ex-miss deixou o Brasil em 2006. Hoje, com 30 anos, ela teria se reconciliado com a família e, segundo a assessoria de imprensa, está decidida voltar à cidade para "limpar o passado".

Na época, preocupados com a falta de informações sobre seu paradeiro, os familiares de Taíza pediram ajuda das autoridades e a ex-miss chegou a ser procurada internacionalmente pela Polícia Federal de Joinville e pela Scotland Yard, da Inglaterra.

Taíza foi a segunda colocada no Miss Brasil 2002, mas assumiu o trono em fevereiro do ano segunte, quando a organização do concurso descobriu que a gaúcha Joseane Oliveira, que tinha ficado em primeiro lugar, era casada desde 1998.

Com a desclassificação da modelo gaúcha, Taíza acabou se tornando Miss Brasil de fato e de direito. A polêmica da substituição das misses aconteceu logo após a gaúcha participar da terceira edição do programa Big Brother Brasil, da Rede Globo.

A joinvilense deixou de falar com amigos e com a família em setembro de 2006 e uma série de rumores cercaram o seu desaparecimento. Em fevereiro do ano seguinte, a Polícia Federal de Joinville instaurou um inquérito para apurar o sumiço.

Alguns dias depois, ela teria dado uma entrevista a jornais britânicos e conversou com um dos delegados da PF, alegando que não queria voltar ao País. Antes, teria trabalhado como modelo por alguns meses em São Paulo.

Ação na Justiça

Taíza chegou a ganhar uma indenização judicial cujo valor corridigo pode passar os R$ 200 mil. Ela ajuizou a ação contra a empresa Gaeta Promoções e Eventos Ltda, que promoveu o concurso na época.

A ação foi ajuizada em 2004 e chegou às mãos do desembargador Maurílio Gabriel em fevereiro de 2010. Desde então, não foi mais movimentado no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Segundo o advogado de Taíza, Flavio Fernandes Tavares, o processo deve ser julgado em breve.

- Há meios de buscarmos o que saiu do nome da empresa no curso do processo — disse o advogado, lembrando que talvez já não haja mais bens em nome da empresa.

A indenização foi calculada com base no prêmio pago à vencedora na época do concurso, em fevereiro de 2002, incluindo automóvel, contratos de publicidade e cachês.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSaiba como joga o ABC, adversário do JEC nesta terça http://t.co/oK8BiQhUlXhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMorre o estilista Óscar de la Renta http://t.co/JNQ4Lthvdp http://t.co/cVMvjVKkIVhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros