Empréstimo da Celesc com BID e Agência Francesa está ameaçado  - Política - A Notícia

Versão mobile

Moacir Pereira20/09/2017 | 02h20Atualizada em 20/09/2017 | 02h20

Empréstimo da Celesc com BID e Agência Francesa está ameaçado 

Os dois projetos estão sendo relatados pelo deputado Jean Kuhlmann (PSD), que prometeu emitir seu parecer na reunião desta segunda na Comissão de Constituição e Justiça

Empréstimo da Celesc com BID e Agência Francesa está ameaçado  Marco Favero/Agência RBS
Foto: Marco Favero / Agência RBS

Os projetos do governo que pedem autorização da Assembleia para a Celesc contrair financiamento de US$ 276 milhões do BID e mais US$ 69 milhões da Agência Francesa de Desenvolvimento continuam emperrados e dividindo a base do governo.

Os dois projetos estão sendo relatados pelo deputado Jean Kuhlmann (PSD), que prometeu emitir seu parecer na reunião desta segunda na Comissão de Constituição e Justiça. O parlamentar não compareceu e nem os devolveu para outro parlamentar, como desejava o PMDB. Seu substituto, Natalino Lazare, pediu a retirada de pauta. No calor dos debates entre governistas e peemedebistas, o líder Mauro de Nadal (PMDB) revelou que se os projetos não forem aprovados o BID poderá retirá-los dos processos de 2018. O prazo estaria se esgotando.

Já o deputado Dirceu Dresch (PT) acusou o governo de "embarrigar" a aprovação porque "está impedindo que a Celesc ganhe fôlego para aprovar sua privatização no futuro".

O empréstimo é considerado o melhor entre todos do Estado. Juros de 3% ao ano, longo prazo de carência e de pagamento. E vai impulsionar a economia catarinense com a construção de subestações e novas linhas de transmissão, em especial no meio rural.

O deputado Gelson Merisio (PSD) defendeu prosseguimento do debate. Alega que, mesmo sendo um empréstimo que não será pago pelo Estado, mas pela Celesc, ele reduzirá a capacidade de endividamento do governo catarinense.

Combustíveis
A crise de falta de combustíveis que atinge setores ligados à Segurança Pública do Estado tem um elemento de fácil solução. Serão necessários apenas R$ 12 milhões, pelos cálculos oficiais, para assegurar o pleno funcionamento dos helicópteros, aviões e viaturas das polícias Militar, Civil e delegacias.

Porto polêmico
Projeto de lei do Executivo que transfere a gestão do porto de São Francisco do Sul para a SCPar continua gerando polêmica na Assembleia Legislativa. O governo insiste em transferir para a conta única do Tesouro o saldo de R$ 110 milhões. Deputados da base são contrários e alegam – com razão – que estes recursos devem ser aplicados em obras de ampliação e melhoria do porto. A Antaq também é contra a doação do Estado.

Negativa
Diretoria da Associação Empresarial de Rio do Sul envia e-mail dizendo que não subscreveu documento sobre fraude no processo eleitoral da Facisc. Esclarece que "não questionou o processo eleitoral"  que "a saída de seu presidente, Amândio João da Silva Junior, foi iniciativa pessoal diante do não cumprimento do acordo de composição da chapa". Amândio foi um dos subscritores do documento acusando irregularidades na Facisc.

Curtas

* Aprovado pela Comissão de Justiça da Assembleia projeto do deputado João Amin (PP) que cassa a Medalha Anita Garibaldi concedida ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB).

* Professor Paulo Cruz, coordenador da pós-graduação em Ciência Jurídica da Univali, recebeu prêmio da Universidade de Perugia (Itália) pela atuação como pesquisador e incentivador de programas de intercâmbio.

Acompanhe as publicações de Moacir Pereira

UFSC fica no sexto lugar em ranking nacional divulgado pela Folha

Cristovam Buarque: "O Brasil perdeu o rumo"

Helicópteros da PM estão parados por falta de repasses do governo de SC

A Notícia
Busca