Relembre a condenação de Lula por Sergio Moro em caso do triplex do Guarujá - Política - A Notícia

Versão mobile

Lava-Jato23/08/2017 | 14h17Atualizada em 23/08/2017 | 14h19

Relembre a condenação de Lula por Sergio Moro em caso do triplex do Guarujá

Nesta quarta-feira (23), sentença chegou ao TRF4, onde deve ser julgada em 2ª instância

Relembre a condenação de Lula por Sergio Moro em caso do triplex do Guarujá Miguel SCHINCARIOL/AFP PHOTO
Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP PHOTO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 71 anos, foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal, em Curitiba (PR). A sentença, anunciada em 12 de julho, determinou nove anos e meio de detenção. Nesta quarta-feira (23), a acusação chegou ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), onde deve ser julgada em 2ª instância. 

O petista foi acusado pela força-tarefa da Operação Lava-Jato de receber propina da construtora OAS, que tinha contratos com a Petrobras. Conforme a acusação, Lula teria recebido benefícios como um apartamento triplex no balneário do Guarujá, no litoral de São Paulo.

Leia mais
Moro nega suspensão de segundo interrogatório de Lula
"Não vou morrer antes de voltar a governar esse país", diz Lula
PGR desarquiva investigação sobre Lula no mensalão

Em uma sentença de 218 páginas, Moro afirmou que a corrupção era sistêmica na Petrobras, praticada em um amplo esquema criminoso no qual a propina era rotineira. O magistrado salienta ainda que a "culpabilidade é elevada", principalmente porque Lula teria recebido vantagem indevida "em decorrência do cargo de presidente da República, ou seja, de mandatário maior". 

Apenas na corrupção passiva, Moro definiu a pena em seis anos de reclusão, além do pagamento de R$ 543 mil (o equivalente a 150 dias-multa). Na acusação de lavagem de dinheiro, Moro diz que Lula "ocultou e dissimulou" as vantagens recebidas do esquema, sentenciando-o a mais três anos e meio de prisão e multa de R$ 126,7 mil.

Apesar da contundência da pena, o juiz não decretou a prisão do ex-presidente. Segundo Moro, "há depoimentos de pelo menos duas pessoas no sentido de que ele (Lula) teria orientado a destruição de provas". Para o magistrado, isso seria suficiente para se "cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva". Apesar disso, ele permite que o petista recorra em liberdade, "considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação. Assim, poderá o ex-presidente Luiz apresentar a sua apelação em liberdade".

Ao finalizar a sentença, Moro fez questão de deixar claro que a condenação não lhe traz "satisfação": "Por fim, registre-se que a presente condenação não traz a este julgador qualquer satisfação pessoal, pelo contrário. É de todo lamentável que um ex-presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados e a culpa não é da regular aplicação da lei. Prevalece, enfim, o ditado 'não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você' (uma adaptação livre de 'be you never so high the law is above you')". 


A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros