Presidente do TRF4 prevê que Lula será julgado antes das eleições - Política - A Notícia

Versão mobile

Segunda instância13/07/2017 | 17h20Atualizada em 13/07/2017 | 17h20

Presidente do TRF4 prevê que Lula será julgado antes das eleições

Para o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, a situação do ex-presidente da República precisa ser decidida antes das eleições

Presidente do TRF4 prevê que Lula será julgado antes das eleições TRF4 / Divulgação/Divulgação
Foto: TRF4 / Divulgação / Divulgação

O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse nesta quinta-feira que a Corte pretende concluir o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva até agosto de 2018 — dois meses antes das eleições.

Na última quarta-feira, Lula foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro e irá recorrer ao TRF4 para tentar reverter a decisão. A tendência, segundo advogados criminalistas ouvidos por ZH, é de que a defesa do ex-presidente use todas as alternativas jurídicas possíveis para postergar o julgamento e, dessa forma, garantir que Lula possa concorrer novamente à Presidência da República.

Em entrevista concedida em seu gabinete, no bairro Praia de Bellas, Thompson Flores disse que "o único prazo que o ex-presidente tem para esgotar é o prazo para recorrer".

Leia também:
O significado histórico da decisão de Moro que condenou Lula
Veja tudo o que você precisa saber sobre a condenação de Lula
Veja a íntegra da decisão de Sergio Moro que condena Lula a nove anos e meio de prisão no caso do triplex

— Depois disso, foge do controle dele. Vai para a mão do relator. O relator é quem vai comandar o calendário. O relator e o revisor — destacou.

O desembargador disse que o julgamento deve ocorrer até agosto para que a situação de Lula esteja definida até as eleições — se a condenação de Moro for mantida no TRF4, o petista ficará inelegível.

— Eu imagino que, de agosto deste ano a agosto do ano que vem, esse e outros processos envolvendo agentes políticos devem estar pautados e julgados. Por que agosto do ano que vem? Porque ali tem a questão da inelegibilidade — afirmou.

Thompson Flores negou que o TRF4 irá se pautar pelo calendário eleitoral, mas fez uma ponderação:

— Não podemos esquecer que há uma eleição. Houve uma coincidência temporal desta sentença ser proferida e deste processo estar aqui no calendário eleitoral.

O desembargador federal admite, contudo, que uma eventual confirmação da condenação pela 8ª Turma do TRF4, responsável pelos casos envolvendo a Lava-Jato, não torna Lula inelegível automaticamente. Se não houver unanimidade entre os três integrantes da turma, Lula pode ingressar com embargos infringentes, mecanismo jurídico que pode levar a um novo julgamento. 

Até mesmo uma eventual redução da pena por um dos desembargadores abre à defesa a possibilidade de novo recurso. Caso os embargos sejam aceitos, será designado um novo relator para o processo, que será apreciado pela 4ª Seção do TRF4 (onde estão lotados os integrantes da 7ª e da 8ª turmas). Somente após o trânsito em julgado (esgotamento da possibilidade de recursos) do caso na segunda instância é que Lula seria enquadrado na Lei da Ficha Limpa, ficando impedido de concorrer em uma nova eleição.

Leia mais notícias de Política

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: Roberto Carlos fez show inesquecível em Joinville https://t.co/LKwpOfABpu #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCrimes aumentam e SC enquanto efetivo policial cai https://t.co/DFZ7qUq5xO #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca