Obras de ampliação do PA Sul de Joinville estão paradas há um mês - Política - A Notícia

Versão mobile

Saúde22/07/2017 | 08h45Atualizada em 22/07/2017 | 12h26

Obras de ampliação do PA Sul de Joinville estão paradas há um mês

Continuação da reforma da unidade,  que começou em junho de 2016, dependia de documentos para repasse de mais recursos  

Obras de ampliação do PA Sul de Joinville estão paradas há um mês Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Prazo para conclusão da reforma no PA Sul de Joinville passou a ser fim de 2018 Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS
Gabriela Florêncio
Gabriela Florêncio

gabriela.florencio@an.com.br

As obras de reforma e ampliação do Pronto-atendimento (PA) Sul de Joinville, que começaram em maio do ano passado, estão paradas. Os últimos trabalhos foram realizados no início de junho e, no momento, o que impede a retomada das atividades no local é o impasse na liberação de recursos.

Apesar de já ter sido assinado, o documento que ativa o convênio entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e o Fundo Municipal de Saúde (FMS) ainda não garante a retomada dos trabalhos. Segundo a Prefeitura, a certidão foi enviada ao Estado na última segunda-feira para que o repasse de R$ 2,06 milhões, previstos no convênio, seja liberado e as obras, reiniciadas.

A assessoria da SES informa que o atraso ocorreu por causa da demora da Prefeitura em apresentar os projetos e certidões solicitados pelo Badesc, instituição que faz a operação e liberação dos recursos. Essas pendências foram resolvidas apenas na última semana, mais de quatro meses depois do previsto. Com a checagem e aprovação dos documentos, o convênio foi assinado e enviado para Joinville. Assim, o município poderá retomar a obra nos próximos dias.

O repasse estadual é referente à ampliação da unidade de atendimento hospitalar. Ao todo, os valores para a realização das melhorias somam pouco mais de R$ 4 milhões. O governo federal investirá R$ 1.009.516,00; o governo do Estado, R$ 2 milhões; e a Prefeitura, R$ 998.438,49.Enquanto as obras não recomeçam, pacientes do PA criticam o impacto causado pela obra no atendimento.

Para a estagiária Franciele Antunes da Costa, 21 anos, a conclusão da reforma ajudaria a agilizar o serviço. A jovem chegou ao pronto-atendimento na segunda-feira por volta das 11 horas e desistiu do atendimento após saber que pessoas chegaram às 8 horas no local, mas até perto do meio-dia ainda não haviam sido atendidas.

Leia mais notícias de Joinville e região
Confira outras notas de Jefferson Saavedra

Ampliação vai dobrar tamanho
O Pronto-atendimento (PA) Sul atende, em média, a 600 pessoas por dia. Em sua maioria, são moradores da zona Sul da cidade. A região mais povoada de Joinville, tem mais de 205 mil habitantes, conforme informações do Joinville – Cidade em Dados 2017. O número representa pouco mais de um terço da população joinvilense.

O mecânico Cristian de Souza, 32 anos, é um deles. Ele observa que se a unidade tivesse uma estrutura maior, mais pessoas poderiam ser acolhidas e o atendimento de saúde não demoraria tanto assim.

– Eles (governantes) têm de finalizar a obra. Vai ter impacto direto no atendimento. Se fosse maior (o espaço), teríamos mais médicos aqui – conclui.

Após a reforma do prédio, o tamanho da unidade hospitalar da zona Sul passará dos atuais 938,62 metros quadrados para pouco mais de 2 mil metros quadrados. Ainda de acordo com a Prefeitura, a obra não prejudicou o atendimento prestado na unidade.

Em junho de 2016, os serviços de pediatria foram transferidos temporariamente para o Pronto-atendimento da zona Leste, no bairro Aventureiro, por causa de problemas na sala de atendimento.O cronograma inicial previa a conclusão da obra no começo do ano que vem. Entretanto, por causa do impasse, o prazo se estendeu para o final de 2018.

Além do recurso estadual, a Prefeitura também aguarda o recebimento de R$ 700 mil do governo federal, por meio do Ministério da Saúde, para o término da reforma.Após concluída a ampliação, o PA Sul terá três leitos de sala de emergência; dois leitos de isolamento; e 12 leitos de observação, sendo seis masculinos e seis femininos.

A capacidade da sala de medicação e reidratação será triplicada, e a farmácia terá o dobro da estrutura atual. O pronto-atendimento também terá uma central de materiais esterilizados reformulada, dois novos postos de enfermagem e preparação de medicação, além de salas de espera internas maiores, divididas em infantis e adultas.

 
 
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros