Em condenação, Moro reconhece mérito de Lula no combate à corrupção - Política - A Notícia

Versão mobile

Elogios e críticas12/07/2017 | 18h31Atualizada em 12/07/2017 | 18h31

Em condenação, Moro reconhece mérito de Lula no combate à corrupção

Juiz destacou que ex-presidente, condenado por ele a 9 anos e 6 meses de prisão, fortaleceu os mecanismos de controle do crime de corrupção

Em condenação, Moro reconhece mérito de Lula no combate à corrupção Montagem sobre fotos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Douglas Magno/AFP/Agência Brasil
Foto: Montagem sobre fotos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Douglas Magno / AFP/Agência Brasil
Zero Hora
Zero Hora

Ao mencionar, em um trecho da condenação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no processo que envolve a compra e reforma de um triplex em Guarujá, que testemunhas descrevem o presidente como "uma pessoa proba", o juiz Sergio Moro admitiu reconhecer o mérito de Lula pelo combate à corrupção em seu governo.

"É forçoso reconhecer o mérito do Governo do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fortalecimento dos mecanismos de controle, abrangendo a prevenção e repressão, do crime de corrupção, especialmente nos investimentos efetuados na Polícia Federal durante o primeiro mandato, no fortalecimento da Controladoria Geral da União e na preservação da independência do Ministério Público Federal mediante a escolha, para o cargo de Procurador Geral da República, de integrante da lista votada entre membros da instituição", escreveu Moro.

Leia mais:
Veja a íntegra da decisão de Moro que condena Lula
Lula é réu em outros quatro processos; entenda

"É certo que não se trata de exclusiva iniciativa presidencial, já que o enfrentamento à corrupção é uma demanda decorrente do amadurecimento das democracias, mas o mérito da liderança política não pode ser ignorado", continuou o juiz.

Em seguida, porém, Moro relativiza o impacto dessa contribuição ao sugerir que Lula subestimou a capacidade de esses mesmos mecanismos de controle revelarem seus crimes.

"[...] O reforço dos meios de controle da corrupção não autoriza qualquer conclusão quanto à culpa do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos crimes que constituem objeto da presente ação penal. Não será ele o primeiro governante que subestimou a possibilidade de que o incremento dos meios de controle pudessem levar à descoberta de seus próprios crimes."

Moro continua, dizendo estranhar a versão do ex-presidente de que desconhecia o esquema criminoso.

"Parece, aliás, um pouco estranho que, diante da magnitude do esquema criminoso, ilustrado pelo fato da Petrobrás ter reconhecido cerca de seis bilhões de reais em perdas contábeis com corrupção no balanço de 2015, não tivesse o ex-Presidente qualquer conhecimento, máxime porque ele, o esquema criminoso, também teria envolvido utilização de propinas em acertos de corrupção na Petrobrás para financiamento de campanhas eleitorais, inclusive do Partido dos Trabalhadores e pelo qual o ex-Presidente foi eleito e elegeu sua sucessora. Além disso, chama a atenção a ausência de qualquer juízo de reprovação da parte do ex-Presidente em relação a agentes públicos e políticos que, durante o seu Governo, teriam participado do esquema criminoso que vitimou a Petrobrás."

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaComércio impulsiona criação de empregos pelo quarto mês seguido em SC https://t.co/3l5ntCSa6k #LeianoANhá 27 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPM limita deslocamento de viaturas em SC por falta de dinheiro para abastecimento https://t.co/82LvFkaP59 #LeianoANhá 3 horas Retweet
A Notícia
Busca