O sigilo quebrado do governador - Política - A Notícia

Versão mobile

Moacir Pereira06/06/2017 | 07h00Atualizada em 06/06/2017 | 07h00

O sigilo quebrado do governador

Decisão poderá determinar se Colombo mantém a intenção de renunciar ao governo em 2018 para concorrer ao Senado

O sigilo quebrado do governador Guto Kuerten/Agencia RBS
Foto: Guto Kuerten / Agencia RBS

A decisão do ministro Luiz Felipe Salomão, do STJ, de autorizar a quebra do sigilo telefônico do governador Raimundo Colombo e de vários dos colaboradores representa um fato novo nos desdobramentos da Operação Lava-Jato. É consequência das delações da Odebrecht sobre supostas propinas, via caixa 2, para a campanha política da reeleição. O governador destacou que a medida vai ajudar a esclarecer os fatos.

A investigação é relevante para todos os partidos e para a população. Poderá determinar, por exemplo, se Colombo mantém a intenção de renunciar ao governo em 2018 para concorrer ao Senado ou se as circunstâncias o obrigarão a permanecer até o final do mandato.

O governador tem evitado falar à imprensa sobre as delações e sobre o futuro político. Adota uma estratégia ¿voltada para a agenda¿, destacando iniciativas, visitas, inaugurações e fatos positivos da gestão estadual para que a delicada questão das delações vire a página.

A amigos mais próximos, não esconde desânimo com a situação, enfatizando sempre que os recursos de campanha vieram do diretório nacional, que o PSD desconhecia as origens ilícitas e que jogou nos termos das regras do jogo na época.

O futuro da política catarinense, como a nacional, continua imprevisível. Ninguém sabe o que vem por aí, se Michel Temer fica ou será cassado, as novas delações e prisões da Lava-Jato e, principalmente, os estilhaços das novas granadas sobre Santa Catarina.

Delações
Justiça Federal de Florianópolis submeteu ao Ministério Público Federal as delações de diretores do grupo Odebrecht envolvendo a ex-senadora Ideli Salvati e o ex-deputado e ex-prefeito Carlito Merss, ambos do PT catarinense. As investigações sobre o ex-prefeito de Navegantes Roberto Carlos de Souza (PSDB) começam a tramitar na Justiça Federal de Itajaí. 

E o pedido de inquérito contra o ex-prefeito de Laguna Jaison Cardoso de Souza (PSDB) será examinado pela Justiça Estadual a pedido do Ministério Público Federal. Todos foram citados por receberem propinas da Odebrecht.

Acompanhe as publicações de Moacir Pereira

Rodovias no Oeste catarinense estão intransitáveis 

Perdendo as esperanças

Escolha de novo desembargador do TJSC está suspensa até julgamento

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJovem de 19 anos está desaparecido em Itapoá https://t.co/7h7mpkqtTG #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMédico de Canoinhas atende aos pacientes fantasiado de Papai Noel https://t.co/f6k67nGWuM #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca