ÁUDIO: no TSE, Gilmar Mendes ironiza Herman e diz que relator usa argumento "falacioso" - Política - A Notícia

Versão mobile

Embate em plenário07/06/2017 | 11h07Atualizada em 07/06/2017 | 11h49

ÁUDIO: no TSE, Gilmar Mendes ironiza Herman e diz que relator usa argumento "falacioso"

Herman Benjamin defendia decisão de incluir no processo os depoimentos de delatores da Operação Lava-Jato

ÁUDIO: no TSE, Gilmar Mendes ironiza Herman e diz que relator usa argumento "falacioso" EVARISTO SA/AFP
Gilmar Mendes interrompeu relator do processo em "provocação" sobre delações Foto: EVARISTO SA / AFP
Estadão Conteúdo e Zero Hora

Em menos de uma hora de sessão, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, e o relator das ações que pedem a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, Herman Benjamin, já protagonizaram um novo embate em plenário. Gilmar interrompeu a fala de Herman enquanto o ministro defendia a decisão de incluir no processo os depoimentos dos delatores da Operação Lava-Jato.

Para o presidente do TSE, esse argumento é "falacioso" e, daqui a pouco, o relator vai querer incluir a delação do grupo JBS ou "na semana que vem", a delação do ex-ministro Antonio Palocci, que ainda sequer foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

— Só uma provocação — disse.

Confira o áudio:

Leia mais:
Acompanhe a sessão ao vivo
Dos cães farejadores à troca de farpas: 7 fatos que marcaram a primeira sessão
Cerco ao Planalto vai além do julgamento no TSE

O comentário de Gilmar aconteceu no momento em que Herman defendia que, como relator das ações, tinha o direito de convocar testemunhas sem que elas tivessem sido indicadas por alguma das partes — como foi o caso dos executivos da Odebrecht.

— Aqui no TSE não trabalhamos com os olhos fechados. Não é dito apenas que pode ouvir terceiros referidos por partes — disse.

Segundo ele, a lei permite ouvir testemunhas mesmo sem serem referidas por partes. Ele citou que isso está no artigo 370 do Código de Processo Civil, que diz que "caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias ao julgamento do mérito". 

— Não se pode confundir imparcialidade com indiferença — afirmou Herman.

O posicionamento do relator foi defendido pelo ministro Luiz Fux, que leu precedentes de outros julgamentos onde isso aconteceu.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: 'Joinville vai parar', diz Thomazi sobre situação da mobilidade https://t.co/Vly4GIcrJn #LeianoANhá 48 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaAdolescente de 15 anos é morto a tiros na zona Leste de Joinville https://t.co/6oH9JVZgRA #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros