VÍDEO: delator da JBS conta como empresa repassou R$ 10 milhões para a campanha de Colombo - Política - A Notícia

Versão mobile

Delação da JBS19/05/2017 | 15h27Atualizada em 19/05/2017 | 19h23

VÍDEO: delator da JBS conta como empresa repassou R$ 10 milhões para a campanha de Colombo

Ricardo Saud diz que valor foi dividido em duas partes

VÍDEO: delator da JBS conta como empresa repassou R$ 10 milhões para a campanha de Colombo Reprodução / PGR/PGR
Depoimento de Ricardo Saud à Procuradoria-Geral da República Foto: Reprodução / PGR / PGR
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Em seis minutos e quinze segundos, o diretor da JBS Ricardo Saud detalha para representantes da Procuradoria-Geral da República (PGR) como a empresa repassou R$ 10 milhões para a campanha de reeleição de Raimundo Colombo (PSD) para o governo de Santa Catarina. As conversas começaram em 2013, com foco no pleito de 2014, e estão na delação da JBS sobre pagamentos a políticos para obtenção de favorecimentos.

Veja abaixo o vídeo completo da delação de Saud sobre como o valor foi definido e entregue para o então candidato:

CONTRAPONTOS

O que diz o governador Raimundo Colombo (PSD):

O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, contesta com veemência as declarações feitas pelo delator da JBS sobre doações relativas à campanha eleitoral de 2014.Ressalta que a empresa, conforme a legislação eleitoral vigente, fez doações ao diretório nacional do PSD, que repassou para a campanha do partido em SC. A doação feita pela JBS foi dentro da legislação eleitoral de forma oficial na conta bancária do partido e está registrada na prestação de contas apresentada e aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral.

 O que diz o secretário da Fazenda do Estado, Antonio Gavazzoni:

Com relação à delação do executivo Ricardo Saud da JBS, o secretário de Estado da Fazenda, Antonio Gavazzoni, declara com absoluta certeza e convicção nunca ter tratado de assuntos da Casan com o referido delator ou qualquer outro executivo da JBS. Para Gavazzoni, essa narrativa é absolutamente falsa e surpreendente. O secretário esclarece que foram efetivamente convidados para o jantar na residência do dono da JBS, em São Paulo, a que o delator se refere e que, neste jantar, a empresa ofereceu ajuda de campanha oficial, como consta das declarações eleitorais, mas não houve nenhuma conversa sobre Casan: 

— Eles estão mentindo e por isso nunca terão como provar. Se a companhia detinha alguma expectativa sobre esse tema, os fatos falam por si: não houve edital nem venda de nenhuma ação da Casan. Vamos nos inteirar melhor dos detalhes e em seguida tomar os procedimentos cabíveis. A verdade prevalecerá — declarou o secretário.

O que diz Augusto Fretta, diretor-presidente do Angeloni:

Temos histórico de relacionamento de muitos anos com a JBS, que deve ser um dos maiores fornecedores da maioria das redes de supermercados. O pagamento pelos produtos adquiridos deste fornecedor é tradicionalmente feito através de depósito bancário, mas, num determinado momento, recebemos a solicitação da JBS para que algumas duplicatas fossem pagas em carteira.Foi então encaminhado o pedido ao Departamento Financeiro para que efetivasse os pagamentos da forma solicitada. Não houve qualquer participação direta por parte do presidente do Grupo, que apenas autorizou os pagamentos por acumular o cargo de diretor comercial da empresa.Todos os títulos, inclusive esses em carteira, encontram-se devidamente contabilizados, quitados e as tratativas entre as partes registradas em correspondências eletrônicas.Ficamos surpresos com as notícias veiculadas, pois, conforme afirmado por um dos delatores, jamais tivemos conhecimento do que se tratava. Estávamos considerando apenas a regularidade do procedimento comercial.

Veja também:
Leia aqui trechos da delação de Ricardo Saud sobre Raimundo Colombo

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEspecialista avalia uso de produtos químicos que podem ter provocado explosão em apartamento de Joinville https://t.co/ltEb0mXKxd #LeianoANhá 38 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Número de famílias de Joinville que não conseguem pagar dívidas aumenta quatro vezes em três anos https://t.co/obxXSv2aWf #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros