Rocha Loures entrega mala com R$ 500 mil na sede da PF, em São Paulo - Política - A Notícia

Versão mobile

Ações controladas23/05/2017 | 07h52Atualizada em 23/05/2017 | 09h14

Rocha Loures entrega mala com R$ 500 mil na sede da PF, em São Paulo

Na última vez que havia sido vista, bagagem milionária estava com o deputado federal afastado em um estacionamento em São Paulo

Rocha Loures entrega mala com R$ 500 mil na sede da PF, em São Paulo Bruno Santos/Folhapress
Rocha Loures retornou para o Brasil na última quinta-feira Foto: Bruno Santos / Folhapress
Zero Hora
Zero Hora

Um dos principais alvos da delação dos proprietários e executivos da JBS, o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) entregou, na noite de segunda-feira (22), na sede da Polícia Federal (PF), em São Paulo, a mala com R$ 500 mil que estava desaparecida desde o fim de abril. Na última vez que havia sido vista, a bagagem milionária estava com o parlamentar em um estacionamento na capital paulista.

No local, Rocha Loures, que estava sendo filmado, entrou correndo em um táxi. Desde então, o paradeiro da mala era desconhecido. O monitoramento da bagagem fazia parte de uma das chamadas ações controladas empreendidas após as delações da JBS à Procuradoria-Geral da República (PGR). 

Leia mais:
Cinco perguntas sem resposta na delação da JBS que abalou Brasília
Entenda a polêmica sobre gravação da conversa entre Temer e Joesley Batista
Janot recorre ao plenário do STF e pede prisão de Aécio e Rocha Loures

Proprietário da empresa, Joesley Batista afirmou que Rocha Loures foi indicado pelo presidente Michel Temer (PMDB) para tratar de assuntos de interesse da J&F, controladora da JBS, no Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Em conversa gravada pelo delator em 7 de março, no Palácio do Jaburu, Joesley pede a Temer que designe um interlocutor para resolver pendências no governo. O presidente indica, então, Rocha Loures como uma pessoa de sua "mais estrita confiança".

Depois da indicação do presidente, Loures intermedeia a solução de um problema de Joesley no Cade e também oferece ao empresário que indique nomes para ocupar cargos em órgãos de fiscalização, como a Receita Federal e o Banco Central. Em troca, Joesley oferece propina.

Posteriormente, os termos do pagamento ilegal foram fechados pelo diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud. Ficou acertado o valor de R$ 500 mil semanais durante 20 anos.

O primeiro pagamento foi filmado pela PF. Na gravação, Rocha Loures recebe o dinheiro em uma mala e a leva para a casa dos pais, em São Paulo. A PF anotou o número de série das cédulas. 

Assessores de Temer receavam que o rastreamento do dinheiro comprometesse o presidente. Ele nega ter recebido propina, e, até então, Rocha Loures não havia dito o que havia feito com o valor.

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: leilão beneficente vai ajudar crianças que precisam ter acesso a cirurgias https://t.co/G8T6s3Aqhz #LeianoANhá 19 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHomem em surto é morto a tiros no quintal de casa em Joinville https://t.co/3YZzElv34V #LeianoANhá 34 minutosRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros