Plano Diretor de Florianópolis é marcado por briga ideológica entre prefeitura e Sinduscon - Política - A Notícia

Versão mobile

Moacir Pereira25/05/2017 | 06h01Atualizada em 25/05/2017 | 06h01

Plano Diretor de Florianópolis é marcado por briga ideológica entre prefeitura e Sinduscon

Juiz Federal afastou o sindicato do processo de discussão por alegar que a entidade tem provocado "tumulto processual através de recursos e medidas procrastinatórias"


Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

A decisão do Juiz Federal Marcelo Krás Borges de afastar o Sinduscon do processo de discussão do Plano Diretor de Florianópolis provocou revolta do setor produtivo na Capital. O magistrado baseou a decisão alegando que a entidade tem provocado "tumulto processual através de recursos e medidas procrastinatórias". O juiz determinou, ainda, prazo de 30 dias para realização de audiência geral com o núcleo gestor para finalizar o Plano Diretor sob pena de aplicação de multa de R$ 10 milhões à prefeitura pelo descumprimento do prazo.

O presidente do Sindicato da Construção Civil da Grande Florianópolis, Hélio Bairros, nega que a entidade tenha atuado para barrar o processo. Surpreso com a decisão, cita que foram realizados 298 eventos para discutir o Plano Diretor e o sindicato se manifestou apenas duas vezes. Prefeitura e Sinduscon acreditam que o prazo é muito curto. É preciso fazer o rebatimento com o núcleo gestor dos 522 artigos do plano. A prefeitura quer entregar o documento em setembro. "A discussão está demorando porque o plano é muito ruim. A cidade está caminhando para a situação de inviabilidade econômica, o plano é muito subjetivo. O técnico fica com medo de decidir porque teme receber uma ação do Ministério Público", afirma o presidente do Sinduscon.

Fica evidente que, o que há, de fato, é uma briga ideológica. Uma discussão que deveria ser técnica, ouvindo a sociedade, mas sem assembleísmo, acaba reduzida a quantos andares os prédios poderão ter. O que se espera, como qualquer cidade planejada do mundo, é que a verticalização sirva como ferramenta para viabilizar a infraestrutura nas centralidades e nos corredores de ônibus. Mas isso, uma minoria barulhenta não se preocupa. É uma briga contra o capital. Enquanto isso, faveliza-se a cidade e não há passeata nenhuma.            Entre 2013 e 2016, a construção civil encolheu 136% na Capital, enquanto que a queda no país foi de 15%.

"Deixamos de receber R$2,5 bilhões de recursos diretos e fechamos 3,5 mil postos de trabalho no setor", afirma Hélio. A prefeitura deixou de arrecadar R$ 190 milhões com taxas e outros tributos. A entidade vai recorrer da decisão na Justiça Federal em Florianópolis para conhecer melhor os fatos, e no TRF, em Porto Alegre, para manter o sindicato na elaboração do plano e manter o cronograma para o segundo semestre.

Virou bordão falar em sustentabilidade ambiental. Mas pouco sabem, entretanto, o que isso significa. O biólogo Emerilson Emerin explica que a sustentabilidade tem três pilares: o ecológico, o social (as pessoas) e o econômico. É preciso que haja equilíbrio para a balança não quebrar.

*Renato Igor é interino da coluna de Moacir Pereira. O colunista retorna de férias no dia 30 de maio.

Acompanhe as publicações de coluna

Colocar fogo em ministério é coisa de bandido 

Se for candidato em 2018, Bolsonaro planeja realizar primeiro comício da campanha em SC

"A postura do MPF local está em desacordo com as prerrogativas da advocacia", diz presidente do Secovi


 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaElton Carvalho: JEC foi castigado por uma estratégia sem necessidade https://t.co/QLZchJE2zH #LeianoANhá 4 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC bobeia no primeiro tempo e sofre outra derrota fora de casa https://t.co/r4nVWixD81 #LeianoANhá 6 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros