Pensando na recuperação econômica, Temer deveria ter optado pela renúncia - Política - A Notícia

Versão mobile

Moacir Pereira19/05/2017 | 06h01Atualizada em 19/05/2017 | 06h01

Pensando na recuperação econômica, Temer deveria ter optado pela renúncia

É penoso demais ao país passar, novamente, por um processo de impeachment. Perde-se tempo, amplia a instabilidade política e contamina a economia

Pensando na recuperação econômica, Temer deveria ter optado pela renúncia Valter Campanato/Agencia Brasil
Foto: Valter Campanato / Agencia Brasil

O presidente Michel Temer, assim como sua antecessora, Dilma Rousseff, preferiu o mesmo caminho quando seus governos esfarelavam: não renunciar. O gesto, ontem, do presidente grampeado, naquele que foi o seu pronunciamento mais forte até agora, não ajuda em nada. O correto seria a renúncia.

É penoso demais ao país passar, novamente, por um processo de impeachment. Perde-se tempo, amplia a instabilidade política e contamina a economia. Temer tinha como pilar em seu governo o apoio do congresso e do empresariado, que apostava nas reformas necessárias.

O apoio parlamentar ruiu e, se o presidente mantivesse a lógica de priorizar a recuperação econômica, pediria para sair. Quanto mais rápido o país resolver esse impasse, menor será o abalo econômico. Sem confiança, não há investimento. Quem vai botar dinheiro no país sem saber quem será o presidente nos próximos 15 dias?

A solução tem de ser política e, infelizmente, com estes que estão aí. E não é simples. O advogado Rogério Duarte da Silva, presidente da Comissão da Moralidade Pública da OAB/SC, explica que a Constituição é muito clara. Neste caso, a carta magna prevê eleição indireta. O problema é que não está claro quais seriam as regras do jogo. A lei não foi regulamentada. Pessoas de fora do Congresso podem se candidatar? A votação é por maioria simples ou absoluta?  A opção pela eleição direta agora é mais complicada. Não é o que prevê a Constituição. Levaria mais tempo e a economia não pode esperar.

O fato é que o sistema político está podre. A corrupção escancarada. A relação setor privado/público é a pior possível, sem transparência. Temer deveria fazer, hoje, o melhor para o país. E o melhor, agora, seria a renúncia. O homem que iria  "pacificar" o país tenta resistir. Mas a pinguela, para usar a definição do ex-presidente FHC para o governo Temer, quebrou. A divulgação dos áudios das delações, ontem à noite, é a evidência disso.

Mal estar no TCE
A decisão do relator do caso das pedaladas do governo no TCE, conselheiro Gerson Sicca, de disponibilizar seu relatório quatro horas antes da sessão do pleno causou mal-estar na corte de contas. O relator estabelece uma multa de R$ 14 mil ao secretário da fazenda Antonio Gavazzoni, obriga o Estado a pagar o que deve aos municípios e pede para representar o voto dele ao Ministério Público, Assembleia Legislativa e Presidência da República.

Mundo Encantado
Comunicado do sindicato dos servidores da Alesc aos associados comemora a publicação, no diário oficial, do reajuste "histórico" no valor do auxílio-educação. O aumento do mimo foi de 63%, passando dos atuais R$ 400 para R$650. O presidente do Sindalesc, Diego Vieira de Souza, agradece ao presidente da Alesc, deputado Silvio Dreveck (PP). Para quem pensava que o Senado era o céu, é porque não conheceu, ainda, o mundo encantado do Legislativo estadual.

Missa
A Catedral Metropolitana de Florianópolis celebra hoje, às 12h15min, a missa de Santo Ivo, em alusão ao padroeiro dos Advogados.

Terrenos de marinha
"Os terrenos de marinha são considerados bens da nação, conforme julgado do STF em 1909, num litígio entre a União, a Bahia e o Espírito Santo. Não se confundem com os bens da União, que são as ilhas. Portanto, a natureza jurídica de ambos é distinta. Os interessados têm duas saídas para enfrentar a questão: uma política, pouco provável, e outra jurídica, atacando as medições equivocadas¿. Roberto Pugliese, advogado e autor do livro Terrenos de Marinha e Seus Acrescidos.

*Renato Igor é interino da coluna de Moacir Pereira. O colunista retorna de férias no dia 30 de maio.

Acompanhe as publicações de coluna

Interesse por Ovnis supera pesquisa por salários no Portal da Transparência do governo federal

Liminar obriga Casan a cobrar consumo individual de comerciante do Mercado Público da Capital

Parcerias público-privadas entram na agenda política e geram debates


Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMotorista colide contra viatura da PM na área Central de Joinville https://t.co/VpBrz0U5aa #LeianoANhá 13 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDois homens morrem após ação de combate ao tráfico de drogas em Araquari https://t.co/ug6GIjF79N #LeianoANhá 14 horas Retweet
A Notícia
Busca