Delações trazem incertezas sobre futuro de Temer - Política - A Notícia

Versão mobile

E agora?18/05/2017 | 02h56

Delações trazem incertezas sobre futuro de Temer

Expectativa de congelamento das reformas e turbulência econômica

Delações trazem incertezas sobre futuro de Temer Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
As reformas deixaram de ser o principal assunto do país. Com a revelação de que Michel Temer foi gravado dando aval à compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), parlamentares entraram a noite de ontem em reuniões com as mesmas perguntas: o presidente terá força para sustentar o governo? Ou deve renunciar?

As respostas terão impacto na lenta recuperação da economia. As incertezas sobre o futuro de Temer se consolidaram no Congresso e no Planalto, com expectativa de turbulência nos mercados. Parlamentares temem que o clima resulte em alta no dólar, bolsa em queda e impeça novas reduções da taxa de juro.

Leia mais:
Em nota, Aécio Neves diz estar "absolutamente tranquilo"
No Twitter, Lula posta fotos de Moro com Temer e Aécio
Imprensa internacional repercute gravação da JBS que incrimina Temer

Na noite de ontem, nomes dos principais partidos alinhados ao governo evitaram palavras de apoio ao presidente. A impressão era de que a base evaporou. — Diante dessa gravíssima denúncia de obstrução à Justiça, Temer renuncia ou fica tudo como está? É preciso uma apuração séria — afirma a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS).

Auxiliares de Temer descartam a possibilidade de renúncia e contam com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para engavetar os pedidos de impeachment da oposição.

A sobrevivência do governo tornou-se a prioridade no Planalto, que admite o congelamento das reformas trabalhista e previdenciária no Congresso, onde ontem houve até bate-boca entre parlamentares.

— Estava se criando um clima favorável para que as reformas, pudessem ser aprovadas. Com o que foi divulgado até agora, o estrago já está feito — avalia o senador Dario Berger (PMDB-SC).

Peemedebistas cobram posição do Supremo

O governo tentará manter o discurso pró-reformas, com o apelo do impacto na retomada da economia. Vai lembrar também que políticos de diversos partidos serão alvejados pela delação da JBS e que as votações serão uma forma de dividir as atenções da população.

Parlamentares, contudo, avaliam que os projetos só poderão deslanchar quando o episódio do encontro de Temer com o empresário Joesley Batista for esclarecido. Caso o áudio seja divulgado, o governo, com popularidade baixa, ficaria “insustentável”. Peemedebistas pregam calma, cobrando uma posição do Supremo Tribunal Federal (STF).

— O Supremo deve falar o quanto antes aos brasileiros se tudo isso é verdadeiro ou falso. É a primeira premissa para que os deputados ajam de forma correta — diz Mauro Pereira (PMDB-RS).

*ZERO HORA
 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEspecialista avalia uso de produtos químicos que podem ter provocado explosão em apartamento de Joinville https://t.co/ltEb0mXKxd #LeianoANhá 35 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Número de famílias de Joinville que não conseguem pagar dívidas aumenta quatro vezes em três anos https://t.co/obxXSv2aWf #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros