Upiara Boschi: Como em um enredo de Kafka, Raimundo C. não sabe do que é acusado, mas tem linha de defesa - Política - A Notícia

Versão mobile

Colombo e a Lava-Jato18/03/2017 | 06h02Atualizada em 18/03/2017 | 06h02

Upiara Boschi: Como em um enredo de Kafka, Raimundo C. não sabe do que é acusado, mas tem linha de defesa

upiara boschi
upiara boschi

Na quinta-feira vai completar um ano que o nome do governador Raimundo Colombo (PSD) passou a ser vinculado à Odebrecht no âmbito da Operação Lava-Jato. Foi no 23 de março do ano passado que vazaram as listas de um ex-dirigente da empresa com os nomes de mais de 200 políticos que teriam recebido recursos da empresa em caixa um ou dois para suas campanhas eleitorais. Na quinta-feira faz um ano que Colombo ganhou o apelido ¿Ovo¿, como era citado nas planilhas do sofisticado e debochado Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht.

"A pessoa mais interessada em esclarecer sou eu", diz Colombo

Na manhã de sexta-feira, Colombo chamou a imprensa para o Centro Administrativo sabendo que teria que falar sobre a informação da Rádio CBN de que seu nome está em outra lista: a do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com os pedidos de investigação da elite política do país no Supremo Tribunal Federal. No caso do catarinense, um pedido para que o caso seja remetido ao Superior Tribunal de Justiça — a quem cabe levar adiante ou não os casos envolvendo governadores.

Colombo diz que há um ano sofre sem saber do que pode ser acusado. Esse enredo não é original. Em O Processo, escritor checo Franz Kafka, narra a história de Josef K. e seu calvário para se defender de uma acusação que desconhece. Na versão Lava-Jato, o governador e os catarinenses estão a cada dia mais próximos de saber.

No conteúdo, a fala de Colombo não difere das diversas notas oficiais lançadas pelo Centro Administrativo toda vez que o caso teve alguma novidade ou nas breves entrevistas em que o próprio governador comentou o caso. Em resumo, a Odebrecht não tem ou teve contratos com Santa Catarina na gestão do pessedista. O que mudou na manhã de ontem foi o tom. Colombo fez um desabafo - em alguns momentos até emocionado.

Fez um histórico sobre a vontade e a desistência de vender 49% das ações da Casan, entre 2011 e 2012. Era o interesse declarado da Odebrecht em comprar a companhia catarinense de água e esgoto que poderia caracterizar uma negociação - recursos para a campanha eleitoral de 2010 em troca da privatização. Não ter consumado a transação é o álibi de Colombo. Ele chegou a jurar que ¿não houve nenhum negócio, nenhuma troca¿.

Pela primeira vez, também, o governador abriu uma brecha para futuramente admitir ter recebido recursos da empreiteira em caixa dois. Perguntado diretamente se havia a possibilidade de que os tais R$ 2,8 milhões que aparecem nas listas vazadas da empreiteira serem doações não-contabilizadas, Colombo disse não saber, que precisava averiguar. Disse também que se houver algo errado, vai responder por isso. Em Brasília, Rodrigo Janot está enfatizando que o simples caixa dois é crime eleitoral e diferenciando dos casos de propina, corrupção. Essa parece ser justamente a linha da pré-defesa de Raimundo C.


 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane Gambin: Lepper completa 110 anos de existência em Joinville https://t.co/1icPnVPXrZ #LeianoANhá 24 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJustiça descarta prática de fraude na venda de apartamentos pelo grupo Marcos Queiroz em Joinville… https://t.co/aPVp8ET9xuhá 9 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros