Gleisi quer Dilma e Graça Foster como testemunhas de defesa no STF - Política - A Notícia

Versão mobile

Operação Lava-Jato15/03/2017 | 13h41Atualizada em 15/03/2017 | 13h41

Gleisi quer Dilma e Graça Foster como testemunhas de defesa no STF

Senadora é acusada de receber R$ 1 milhão para a campanha de 2010. Segundo delatores, valor é oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras

Gleisi quer Dilma e Graça Foster como testemunhas de defesa no STF Pedro França/Agência Senado/Divulgação
Foto: Pedro França / Agência Senado/Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

A senadora Gleisi Hoffmann arrolou como testemunhas de defesa a ex-presidente Dilma Rousseff e a ex-presidente-executiva da Petrobras Maria das Graças Foster, na ação no Supremo Tribunal Federal (STF) em que é ré na Lava-Jato.

Cabe agora ao ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo, decidir se autoriza ou não que sejam colhidos os depoimentos.

Leia mais
Fachin nega liberdade a ex-diretor da Petrobras preso na Lava-Jato
Lula desiste de Renan como testemunha de defesa em processo da Lava-Jato
"Caixa 2 prova um ilícito, mas não corrupção", afirma Cardozo

Além de Graça Foster, que foi presidente-executiva da Petrobras entre janeiro de 2012 e fevereiro de 2015, e Dilma, de cujo governo Gleisi foi ministra-chefe da Casa Civil entre junho de 2011 e fevereiro de 2014, a defesa pediu também a inclusão do senador Roberto Requião (PMDB-PR) entre as testemunhas de defesa.

Apesar de ser do mesmo partido do presidente Michel Temer, Requião votou contra o impeachment de Dilma Rousseff e hoje mantém postura de oposição ao governo no Congresso.

Outras testemunhas arroladas pela defesa de Gleisi Hoffmann foram o coordenador e o tesoureiro de sua campanha em 2010, José Augusto Zaniratti e Ronaldo da Silva Balthazar; Beto Ferreira Martins Vasconcelos, que foi secretário-executivo da Casa Civil enquanto Gleisi era ministra; e Ivo de Motta Azevedo Corrêa, que foi assessor da Casa Civil.

A senadora e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, se tonaram réus no STF em setembro do ano passado. Eles foram acusados pelo Ministério Público Federal (MPF) de terem recebido R$ 1 milhão para a campanha da senadora em 2010.

De acordo com depoimentos de delatores na Lava-Jato, o valor é oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras. Ambos foram citados nas delações premiadas do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

*Agência Brasil

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaFlorianópolis tem noite de ataques a bases policiais e intenso tiroteio https://t.co/GvwOlbwkFg #LeianoANhá 6 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaFlorianópolis tem noite de atentados a bases policiais e intenso tiroteio https://t.co/AJl6t8DsGp #LeianoANhá 6 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros