Ministro da Justiça diz que está verificando se existe gravação entre Calero e Temer - Política - A Notícia

Versão mobile

Crise em Brasília26/11/2016 | 01h33Atualizada em 26/11/2016 | 01h33

Ministro da Justiça diz que está verificando se existe gravação entre Calero e Temer

Calero pediu demissão do Ministério da Cultura e informou à PF que teria sido "enquadrado" pelo presidente para dar resolução a pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima

Ministro da Justiça diz que está verificando se existe gravação entre Calero e Temer Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que está verificando se são verdadeiros os boatos de que há gravação de uma conversa entre o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, e o presidente Michel Temer. Calero pediu demissão do cargo na última sexta-feira e informou à Polícia Federal (PF) que teria sido "enquadrado" pelo presidente para dar uma resolução a um pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Geddel pediu demissão na sexta-feira, seis dias depois de Calero ter relatado a pressão que sofreu do então ministro da Secretaria de Governo para liberar um empreendimento de interesse próprio na Bahia.

Leia mais:
"Planalto avalia vetar anistia a caixa 2 para conter 'crise Geddel"
"Para Moraes, denúncia de Calero contra Temer não configura irregularidade"
Rosane de Oliveira: Temer perdeu a hora para demitir Geddel

— São boatos de que houve gravações entre membros do governo com um ex-membro do governo. Já estamos analisando para verificar se esses boatos são verdadeiros — disse Moraes, antes de participar de uma reunião com procuradores de Justiça na sede do Ministério Público Estadual de São Paulo.

Moraes afirmou que na nota divulgada por Calero não é possível saber se o ex-ministro disse que há ou não uma gravação com o presidente da República. O ministro destacou que é preciso verificar se há gravação e, havendo, qual é o conteúdo:

— Antes disso, é uma especulação muito grande. 

Calero publicou uma nota negando que tenha solicitado audiência com o presidente Michel Temer (PMDB) com a intenção de gravar uma conversa no gabinete presidencial.

O ministro da Justiça afirmou que após Calero ter feito o depoimento à PF no Rio de Janeiro, a atuação da PF neste caso está parada. 

— Quando aparece algum nome com foro privilegiado é prerrogativa da PF remeter ao Supremo Tribunal Federal, e o STF já enviou para a Procuradoria-Geral da República, que é quem decide se vai solicitar a instauração de inquérito ou não — falou. 

Moraes reformou que com a demissão de Geddel Vieira Lima, fazendo com que ele perca o foro por prerrogativa de função, uma investigação contra o ex-ministro pode ser remetida à primeira instância. O ministro está em São Paulo para uma reunião com chefes do Ministério Público de todos os Estados para debater o Plano Nacional de Segurança. 

O documento está prestes a ser lançado pelo Ministério da Justiça estabelecendo ações em três frentes: proteção de fronteiras, combate a homicídios e resoluções para o sistema penitenciário. Moraes destacou que dentro do plano haverá medidas de mudanças legislativas, a serem enviadas ao Congresso Nacional. Uma delas é a que estabelece a possibilidade de transação penal já na audiência de custódia em caso de presos confessos por crimes sem violência ou grande ameaça. O ministro afirmou que a proposta "é polêmica" mas que já elaborou um anteprojeto de lei para enviar aos parlamentares.

Se a medida for implementada, presos confessos poderão entrar em um acordo com o Ministério Público e receber uma pena sem reclusão já na audiência de custódia, perante um juiz. A proposta de Moraes é estabelecer que a pena seja aplicada em 24 horas. 

— Não há nenhuma lógica a pessoa ser presa por furto simples, confessar o crime e o processo continuar por até 10 anos. Por que não, 24 horas depois, o Ministério Público oferecer a transação penal com pena restritiva de liberdade, tornozeleira ou prestação de serviço à comunidade? 

Para o ministro, a medida iria trazer um custo menor ao Estado e sinalizaria soluções rápidas à população.

Leia as últimas notícias

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPrimeiro relatório da temporada aponta 44 pontos impróprios para banho em SC https://t.co/mWmj1CVZKehá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCorpo é encontrado às margens da BR-101, em Joinville https://t.co/iT10L1DbWkhá 2 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros