Janot denuncia senador Fernando Bezerra em esquema de corrupção ligado a Campos - Política - A Notícia

Versão mobile

STF03/10/2016 | 20h27Atualizada em 03/10/2016 | 20h36

Janot denuncia senador Fernando Bezerra em esquema de corrupção ligado a Campos

Bezerra teria recebido propina de pelo menos R$ 41,5 milhões das empreiteiras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa, contratadas pela Petrobras para a obra da refinaria Abreu e Lima

Janot denuncia senador Fernando Bezerra em esquema de corrupção ligado a Campos André Corrêa e Rodrigo Philipps / Agência Senado e Agência RBS/Agência Senado e Agência RBS
O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) Foto: André Corrêa e Rodrigo Philipps / Agência Senado e Agência RBS / Agência Senado e Agência RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou, nesta segunda-feira, ao Supremo Tribunal Federal (STF) o senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho (PSB) pelo suposto recebimento de propina de pelo menos R$ R$ 41,5 milhões das empreiteiras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa, contratadas pela Petrobras para a execução de obras da Refinaria do Nordeste, conhecida como Refinaria Abreu e Lima.

Na denúncia, Janot afirma que o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência da República pelo PSB Eduardo Campos era o beneficiário do esquema de corrupção. "Fernando Bezerra e Eduardo Henrique Accioly Campos solicitaram e aceitaram promessa, com vontade livre e consciente e unidade de desígnios de vantagens indevidas no total de cerca de R$ 20 milhões cada das empreiteiras", diz trecho da denúncia.

Leia mais
Campanha de Campos recebeu R$ 20 mi de desvios da Petrobras, diz PF
Senadores e deputado eram "clientes" de esquema de lavagem de dinheiro, diz MPF
Comprador de avião seria "entregador" de propina de Eduardo Campos, aponta PF

Além de Fernando Bezerra, foram denunciados os empresários Aldo Guedes Álvaro, então presidente da Companhia Pernambucana de Gás, e João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho. Eles são acusados de operar e viabilizar o esquema criminoso de repasse da propina.

Janot pede a condenação de Fernando Bezerra e dos empresários por praticarem no mínimo 77 vezes o crime de lavagem de dinheiro. Também é pedida a condenação do senador Aldo Guedes Álvaro por corrupção passiva qualificada. O procurador-geral da República pediu ainda a decretação da perda em favor da União e a reparação dos danos no valor total de R$ 41,5 milhões.

Na época dos crimes investigados pela PGR, entre os anos de 2010 e 2011, Fernando Bezerra Coelho exercia os cargos de secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco e presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape, ambos por indicação do então governador de Pernambuco Eduardo Campos.

Para Janot, Fernando Bezerra realizou esforços políticos para assegurar as obras de infraestrutura da refinaria e garantir os incentivos tributários, de responsabilidade político-administrativa estadual, indispensáveis para a implantação de todo o empreendimento, o que acabou ocorrendo.

O pagamento da propina foi feito por várias construtoras de formas diversas, no âmbito de esquema de corrupção e lavagem de dinheiro relacionado à Petrobras, tendo a solicitação de vantagens indevidas sido deita, inclusive, por intermédio de Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da sociedade de economia mista federal e responsável pela RNEST na época", diz trecho da denúncia.

"Em grande parte, as quantias ilegais se destinaram à campanha de reeleição de Eduardo Henrique Accioliy Campos ao governo do Estado de Pernambuco, em 2010, tendo sido pagas por meio de doações' eleitorais e de contratos de prestação de serviços superfaturados ou fictícios, sucedidos por transferências bancárias das empreiteiras às empresas supostamente contratadas, pelo saque dos valores em espécie e pela posterior entrega do dinheiro aos destinatários finais", afirma Janot.

Ainda conforme o procurador-geral da República, a morte de Eduardo Campos revelou elementos novos sobre a existência do grupo de pessoas e empresas pernambucanas responsáveis pela operacionalização da propina em favor do político. Segundo a denúncia, o grupo adquiriu a aeronave em que ocorreu o acidente e que as operações de compra e utilização caracterizaram financiamento ilícito de campanha.

A defesa de João Lyra disse que só vai se pronunciar após ter acesso a íntegra da denúncia. Já a defesa de Aldo Guedes Álvaro disse que a denúncia é baseada em fatos "infundados". A reportagem não consegui contato com o senador Fenando Bezerra.

Leia as últimas notícias de Política

* Agência Brasil

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoinvilense ganha quase R$ 1 milhão em aposta na Lotofácil https://t.co/m1zlCP6xes https://t.co/exHcidw8sXhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: OAB de Joinville vai pedir suspensão do projeto que autoriza entrada do Uber na cidade https://t.co/ZAae2Kihjdhá 2 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros