Mulher mais velha de Jaraguá do Sul completa 108 anos - A Notícia

Versão mobile

 

09/07/2011 | 11h49

Mulher mais velha de Jaraguá do Sul completa 108 anos

Dona Alida Grubba Rudge comemora neste domingo mais um aniversário ao lado de familiares e amigos

Mulher mais velha de Jaraguá do Sul completa 108 anos Piero Ragazzi/Agencia RBS
Dona Alida vive num casarão construído em 1905 pelo pai Foto: Piero Ragazzi / Agencia RBS

A cada ano, a comemoração de aniversário de dona Alida Victória Grubba Rudge merece um brinde especial. Neste domingo, ela celebra 108 anos com os familiares e amigos. Animada, a mulher que tem mais experiência de vida em Jaraguá do Sul, segundo controle do Centro de Referência de Idosos da cidade, não abandona hábitos que ajudam a manter a saúde em dia.

Apesar de andar com ajuda de um apoiador e uma bengala, não deixa de tomar um meio copo de vinho tinto no almoço.

— O médico disse que estou bem de saúde. Tem de cuidar do coração. Ele não é mais forte como antes — disse a idosa.

A jaraguaense lamenta apenas que a velhice prejudica os movimentos e deixa saudades dos amigos que partira.

— Muitos morreram, mas tenho algumas amigas que me visitam para tomar café e jogar buraco — destaca.

Dona Alida vive num casarão construído em 1905 pelo pai, Bernardo Grubba, na rua Epitácio Pessoa, esquina com a rua que foi batizada com o nome do pai.

— Ele doou o terreno para abrirem essa via e fizeram a ponte. Eu nasci numa casa de alvenaria que ficava aqui do lado. Depois viemos para cá. Aqui atrás tinha uma queijaria e o rio Itapocu era limpo. Tinha muitos peixe e a gente tomava banho — recorda.

A memoria ativa revela a lucidez com que essa senhora mantém a vida. No casarão, ela vive sob os cuidados de Darci Holtz. A empregada está com ela há 15 anos. Além disso, uma cozinheira ajuda nos preparos das refeições.

O único filho, seu Adhemar Rudge, vem de São Paulo para matar a saudades da mãe diversas vezes por ano e não deixa de visitá-la nos aniversários.

— É um grande orgulho ter minha mãe lúcida e bem — ressalta.

Durante cerca de 50 anos, dona Alida viveu em Santos, onde vivia com o marido e Manoel Rudge e o filho. Em 1958, quando o companheiro morreu, resolveu voltar para Jaraguá do Sul. Agora sente saudades da cidade onde morou no estado paulista. Como gosta de mar, todo o verão aluga um apartamento na praia de Ubatuba, em São Francisco do Sul.

Com dois netos e um casal de bisnetos, a simpática vovó também adora passear de carro.

— Jaraguá cresceu muito. Não tinha tanto prédio como agora. A gente conhecia todo mundo — ri.
 
A observação do crescimento da cidade também causa preocupação com a segurança. O terreno onde está a casa da idosa, que é tia-avó do secretário de Segurança do Estado, César Grubba, foi invadido duas vezes por ladrões. Não chegaram a entrar na residência. Para prevenir, o filho reforçou a segurança do prédio.

Religiosa, dona Alida vai toda a quarta-feira para a missa. Nesse dias frios, gosta de tomar uma canja de galinha. Para evitar que ela sofra acidentes domésticos, o quarto foi transferido para o piso térreo. Assim, ela não precisa subir muitas escadas. Mas quando precisa enfrentar essas passagens, usa da paciência e os apoios da bengala e andador para se movimentar lentamente pelos degraus.

Para celebrar os 108 anos, dona Alida não pede presentes. Quer manter a saúde e o carinho dos amigos e familiares.

— Vou viver até quando Deus quiser — ri.

A NOTÍCIA

 
A Notícia
Busca