Líder opositor das Maldivas lidera eleição presidencial - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Colombo23/09/2018 | 15h50

Líder opositor das Maldivas lidera eleição presidencial

AFP
AFP

O líder da oposição nas Maldivas, Ibrahim Mohamed Solih, lidera por uma ampla margem a apuração dos votos, segundo meios de comunicação locais, numa polêmica eleição presidencial após uma campanha marcada por ataques à oposição e favoritismo em relação ao presidente Abdulla Yameen.

À frente desta nação de mil ilhas habitadas por mais de 340.000 pessoas, o chefe de Estado em final de mandato tem conduzido uma repressão feroz contra os dissidentes.

Os resultados preliminares divulgados por dois veículos apontam Solih com 58,1% dos votos, após a apuração de metade dos votos.

Os sites de notícias Mihaaru e Avas indicaram que esses dados se baseiam nos resultados oficiais do escrutínio das assembleias de voto em todo o país.

O presidente Yameen e seu único rival Ibrahim Mohamed Solih, da coalizão de oposição, votaram em Malé, a capital e cidade mais densamente povoada do país, poucos minutos após a abertura das assembleias de voto.

"Há bastante entusiasmo. Os eleitores fizeram fila para votar, apesar do mau tempo", declarou Shauna Aminath, um membro do Partido Democrático das Maldivas (MDP, oposição).

Enquanto as Maldivas evocar lua de mel e praias, a situação política neste país é menos radiante.

As Maldivas evocam luas de mel e praias paradisíacas no imaginário das pessoas, mas a situação política deste pequeno país do oceano Índico é bem menos radiante.

No sábado, a polícia invadiu a sede da campanha do MDP em Malé, segundo comunicado da formação política. A polícia afirmou que agiu para evitar "atividades ilegais".

As principais personalidades da oposição estão atrás das grades ou no exílio, como o ex-presidente Mohamed Nasheed. A sociedade civil, por sua vez, está amordaçada.

Líder dos protestos opositores, Nasheed - que perdeu as eleições para Yameen em 2013 em circunstâncias polêmicas - teve que desistir da atual disputa presidencial após ser condenado num processo movido por motivação política, de acordo com a ONU.

A coalizão de oposição acabou por apresentar Ibrahim Mohamed Solih, de 54 anos, pouco conhecido dos eleitores. A imprensa ignorou sua candidatura, por medo de represálias por parte do poder.

De acordo com a organização Human Rights Watch, o governo das Maldivas recorre a decretos e "leis vagas formuladas para silenciar a dissidência e intimidar e aprisionar os críticos", alguns dos quais foram agredidos ou mesmo mortos.

A maioria dos jornalistas estrangeiros que desejava cobrir as eleições não obteve visto. Apenas alguns, nos últimos dias, conseguiram uma autorização.

Na semana passada, a oposição denunciou esse bloqueio à imprensa internacional e acusou o regime de tentar limitar "a observação independente da votação e das prováveis tentativas de fraudes".

A repressão aumentou ainda mais no início de 2018, quando o chefe de Estado se opôs a uma decisão da Suprema Corte, que anulava as condenações judiciais de opositores e restabelecia em seus cargos os deputados rebelados.

Abulla Yameen impôs um estado de emergência por 45 dias, mandou prender dois juízes da Suprema Corte e o ex-autocrata do arquipélago (1978-2008) Maumoon Abdul Gayoom, seu meio-irmão e antigo mentor. A alta corte finalmente retrocedeu em sua decisão.

Durante um discurso de campanha, no sábado, Abdulla Yameen disse que enfrentou "enormes obstáculos para liderar a nação" e considerou que havia enfrentado "os desafios com resiliÊncia".

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConfira o obituário de 17 de outubro de 2018 https://t.co/LaiPGSsZAz #LeianoANhá 5 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSuspeito de roubar motorista de aplicativo e manter a ex-mulher de refém é preso em Joinville https://t.co/aqrgBMyeAo #LeianoANhá 3 horas Retweet
A Notícia
Busca