Mundo, A Notícia, clicRBSA Notíciahttp://anoticia.clicrbs.com.br/sc/urn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-iatom© 2011-2018 clicrbs.com.br2018-08-19T13:05:32-03:00urn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-milhares-de-pessoas-seguem-isoladas-por-inundacoes-na-india-10541061Milhares de pessoas seguem isoladas por inundações na Índia2018-08-19T13:05:32-03:002018-08-19T13:05:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brMilhares de pessoas continuavam isoladas neste domingo (19) pelas inundações em um estado muito turístico da Índia, Kerala, onde foram registradas mais de 370 mortes pelas chuvas torrenciais.Os socorristas seguem com as operações de resgate de pessoas isoladas em seus lares inundados, ou para distribuir água e alimentos nas áreas atingidas, apoiados por dezenas de helicópteros e centenas de embarcações.O balanço dessas inundações, as mais graves que atingiram este estado do sul da Índia em um século, continuava aumentando e chegou a 370 mortos, informou à AFP o porta-voz do governo do estado de Kerala, Subhash T.V.Cerca de 725.000 pessoas desabrigadas tiveram que buscar refúgio em 3.000 acampamentos de emergência. Milhares de soldados do Exército, da Marinha e da Força Aérea foram mobilizados para ajudar as pessoas isoladas.Mais de 10.000 quilômetros de estradas e 134 pontes foram danificados, deixando incomunicáveis distritos das colinas de Kerala, os mais afetados pelo fenômeno meteorológico.Vários helicópteros estiveram distribuindo água potável e comida em áreas isoladas, e também foram enviados trens para Kerala com provisão essencial.Neste domingo, a situação na cidade de Chengannur, 120 quilômetros ao norte da capital de Kerala, Thiruvananthapuram, que ficou desconectada do mundo por quatro dias, era particularmente alarmante.Embarcações militares foram enviadas para esta cidade, onde, segundo a imprensa local, foram encontrados corpos de vítimas.Saji Cherian, que representa Chengannur na Assembleia de Kerala, disse ao canal Asianet TV que teme um balanço de ao menos 50 mortos em sua cidade, e pediu, soluçando, que enviem helicópteros para resgatar seus habitantes.Todos os anos, Kerala sofre com as chuvas torrenciais próprias das monções, fenômeno que ocorre entre junho e setembro. Este ano, as precipitações foram particularmente fortes.Segundo o Ministério indiano do Interior, 868 pessoas morreram em sete estados desde o início das monções.De acordo com o governo local, as perdas causadas em Kerala por essas chuvas são de 2,9 bilhões de dólares, com base em "estimativas preliminares". O montante definitivo poderá ser confirmado somente quando o nível da água diminuir, disseram as autoridades em um comunicado.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaMilhares de pessoas seguem isoladas por inundações na ÍndiaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-milhares-de-pessoas-seguem-isoladas-por-inundacoes-na-india-10541061Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-dezenas-de-sul-coreanos-contam-as-horas-para-ver-familiares-norte-coreanos-10541057Dezenas de sul-coreanos contam as horas para ver familiares norte-coreanos2018-08-19T13:00:32-03:002018-08-19T13:00:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brEmbargados pela emoção, dezenas de sul-coreanos, muitos deles idosos, chegaram neste domingo (19) a Sokcho, na véspera de sua viagem ao Norte para encontrar os entes queridos dos quais foram separados na Guerra da Coreia (1950-1953).Esta nova série de reuniões de famílias divididas, a primeira em três anos, é possível apenas pela distensão registrada na península desde o início do ano.Os primeiros encontros acontecerão na segunda-feira (20), na localidade turística do Monte Kumgang.A Guerra da Coreia separou milhões de pessoas. Lee Keum-seom, de 92 anos, é uma delas e, desde então, não viu seu filho, agora com 71 anos.Durante a fuga, perdeu seu marido e seu filho de quatro anos. Partiu em um ferry para o Sul com sua filha, que a acompanhará na segunda-feira para vê-lo."Não sei o que sinto, se é positivo, ou negativo", diz Lee. "Não sei se é real, ou um sonho", completou.No Sul, ela voltou a se casar e criou sete crianças, mas nunca deixou de se preocupar com aquele filho. "Onde viveu? Com quem? Quem o educou? Tinha apenas quatro anos", relembra.A Guerra da Coreia acabou com um armistício, sem a assinatura de um tratado de paz, pelo qual Norte e Sul ainda estão tecnicamente em estado de guerra, e as comunicações civis estão proibidas.Desde 2000, os dois países organizaram 20 séries de reuniões de famílias divididas, geralmente graças à melhoria das relações bilaterais. Mas o tempo está contado, devido à idade dos sobreviventes.Um total de 130 mil sul-coreanos se apresentou como candidatos a essas reuniões, mas a grande maioria morreu, e muitos estão com mais de 80 anos, um deles, inclusive, com 101.- 'Adeus' -No último momento, alguns cancelaram a viagem por motivos de saúde. Neste domingo, eram 89, acompanhados de familiares em Sokcho, onde passarão a noite antes de viajar ao Norte.Lee Keum-seom é uma das poucas que verá um filho.Alguns sul-coreanos escolhidos aleatoriamente para a reunião deste ao ano desistiram ao saber que seu pai, mãe, irmão, ou irmã do outro lado da fronteira havia falecido e conheceriam somente parentes distantes.Lee Kwan-joo, de 93 anos, é uma exceção. Quer conhecer sobrinhos para ter ideia da vida que seus pais e seus seis irmãos levaram no Norte antes de morrerem. Em 1945, Lee foi enviada para uma escola no Sul, e a guerra selou a separação para sempre."Fico feliz de saber que poderei conhecer meu sobrinho e minha sobrinha, embora eu sequer tenha visto seus rostos", declara. "Quero apenas perguntar como morreram meus irmãos, irmãs e pais", acrescentou.De segunda a quarta-feira, os participantes passarão cerca de 11 horas com seus familiares do Norte, sob supervisão de agentes norte-coreanos.Na quarta-feira, voltam a se separar. Desta vez, provavelmente para sempre.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaDezenas de sul-coreanos contam as horas para ver familiares norte-coreanosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-dezenas-de-sul-coreanos-contam-as-horas-para-ver-familiares-norte-coreanos-10541057Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-presidente-afegao-declara-nova-tregua-com-talibas-10541032Presidente afegão declara nova trégua com talibãs2018-08-19T12:25:35-03:002018-08-19T12:25:35-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO presidente afegão, Ashraf Ghani, declarou neste domingo (19) um cessar-fogo de três meses com os talibãs, sob a condição de que eles também interrompam os combates após um recente aumento da violência no país."Anuncio um novo cessar-fogo a partir de amanhã (segunda-feira) até o aniversário do profeta (em 21 de novembro), sob a condição de que os talibãs façam o mesmo", afirmou o chefe de Estado em um pronunciamento transmitido pela televisão.Em junho, havia sido declarado um cessar-fogo de poucos dias, ao final da celebração do Ramadã, o mês do jejum sagrado muçulmano.O anúncio é feito depois de, nos últimos 10 dias, o Afeganistão sofrer novos episódios de violência extrema. Em 9 de agosto, os talibãs lançaram um ataque contra Ghazni, cidade estratégica situada a duas horas de estrada de Cabul.Apoiado por dezenas de ataques aéreos americanos, o Exército afegão batalhou vários dias para conseguir expulsá-los.O ministro afegão da Defesa, Tariq Shah Bahrami, comunicou um balanço de ao menos 100 soldados mortos nos combates, além do óbito de entre 20 e 30 civis. O representante especial da ONU no Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, citou estimativas que falavam de algo em torno "de 110 a 150 vítimas" civis em Ghazni.Os talibãs também conquistaram uma base do Exército afegão no noroeste, enquanto na semana passada um atentado do grupo extremista Estado Islâmico (EI) contra uma escola em Cabul provocou a morte de pelo menos 37 pessoas, em sua maioria adolescentes.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaPresidente afegão declara nova trégua com talibãsA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-presidente-afegao-declara-nova-tregua-com-talibas-10541032Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ozil-deveria-ter-tido-mais-apoio-diz-presidente-da-federacao-alema-10541028Özil deveria ter tido mais apoio, diz presidente da Federação Alemã2018-08-19T12:25:32-03:002018-08-19T12:25:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brMesut Özil, que anunciou recentemente que não voltará a jogar na Mannschaft, deveria ter contado com mais apoio contra os "ataques racistas" recebidos - reconheceu neste domingo (19) o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Reinhard Grindel."Deveria ter-me envolvido mais intensamente, em vista dos ataques racistas que sofreu por parte de algumas pessoas, e deveria ter-me interposto pessoalmente" para proteger Özil, declarou Grindel ao "Bild"."Esse tipo de ataque é algo inaceitável. Deveria ter dito isso com mais clareza", insistiu.Em 23 de julho, o meia alemão de origem turca anunciou sua renúncia à seleção da Alemanha, devido ao "racismo" presente nas críticas das quais foi vítima após a eliminação da Mannschaft na fase de grupos do Mundial-2018.Semanas antes, o jogador se viu no centro de uma polêmica, após posar junto com seu companheiro Ilkay Gündogan com o presidente turco, Tayyip Erdogan. O gesto foi percebido por alguns como uma falta de lealdade para com a Alemanha.Grindel negou, porém, que Özil tenha sido tomado como bode expiatório pela prematura eliminação da Alemanha durante a Copa."Nunca fiz o menor comentário sobre suas atuações esportivas. Para mim, sempre esteve claro que perdemos juntos e ganhamos juntos. Atribuir a derrota a um único jogador é absurdo", declarou.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaÖzil deveria ter tido mais apoio, diz presidente da Federação AlemãA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ozil-deveria-ter-tido-mais-apoio-diz-presidente-da-federacao-alema-10541028Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-justica-suspende-emblematico-concurso-miss-venezuela-10541008Justiça suspende emblemático concurso Miss Venezuela2018-08-19T11:50:35-03:002018-08-19T11:50:35-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO icônico concurso de beleza Miss Venezuela foi suspenso por decisão da Justiça, após uma ação apresentada por uma das rainhas coroadas no ano passado - informou a organização do evento.Um tribunal da cidade de Caracas dictou "uma medida cautelar" que "ordena à nossa empresa a suspensão imediata da organização da competição", acrescentaram os organizadores em um comunicado divulgado pelas redes sociais.O evento estava previsto para 12 de setembro.A decisão contra aquele que é considerado o maior espetáculo da indústria do entretenimento na Venezuela respondeu a uma demanda de Veruska Ljubisavljevic.Sthefany Gutiérrez foi eleita Miss Venezuela em 2017 e, com isso, ganhou o direito de participar do Miss Universo 2018, que acontece em 17 de dezembro na Tailândia.Ljubisavljevic terminou como primeira finalista e, por isso, disputaria o Miss Mundo 2018, nove dias antes, na China.Ela foi, porém, demitida da organização do concurso, que não divulgou as razões para a medida. Veruska entrou, então, com um recurso na Justiça.A organização Miss Venezuela classificou a ação de "temerária e infundada", garantindo que usará todos os "argumentos" para que o caso seja arquivado. A data do concurso deverá ser reprogramada."Estou na obrigação de fazer valer meus direitos como cidadã, como mulher e como venezuelana, exigindo que me seja restituído meu total e absoluto direito de representar meu país", disse Ljubisavljevic em publicação no Instagram.A Venezuela tem sido uma fábrica de rainhas de beleza nos concursos internacionais. Já ganhou sete vezes o Miss Universo, e seis, o Miss Mundo.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaJustiça suspende emblemático concurso Miss VenezuelaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-justica-suspende-emblematico-concurso-miss-venezuela-10541008Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-presidente-afegao-declara-tregua-de-tres-meses-com-talibas-10541004Presidente afegão declara trégua de três meses com talibãs2018-08-19T11:50:32-03:002018-08-19T11:50:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO presidente afegão, Ashraf Ghani, declarou neste domingo (19) um cessar-fogo de três meses com os talibãs, com a condição de que eles também interrompam os combates, em meio ao recente aumento da violência no país."Anuncio um novo cessar-fogo a partir de amanhã (segunda-feira) até o aniversário do profeta (em 21 de novembro), sob a condição de que os talibãs façam o mesmo", afirmou o chefe de Estado em um pronunciamento transmitido pela televisão.Em junho, havia sido declarado um cessar-fogo de poucos dias, ao final da celebração do Ramadã, o mês do jejum sagrado muçulmano.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaPresidente afegão declara trégua de três meses com talibãsA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-presidente-afegao-declara-tregua-de-tres-meses-com-talibas-10541004Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-dois-milhoes-de-muculmanos-comecam-peregrinacao-a-meca-10541000Dois milhões de muçulmanos começam peregrinação a Meca2018-08-19T11:35:32-03:002018-08-19T11:35:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brSob um sol forte, mais de dois milhões de muçulmanos começaram neste domingo (19) a peregrinação anual a Meca, em uma Arábia Saudita em plena transformação.A concentração de multidões representa um desafio logístico para as autoridades.O "hach" (peregrinação) é um dos cinco pilares do Islã de cumprimento obrigatório para todos os muçulmanos ao menos uma vez na vida, sempre que disponham de meios para fazê-lo."Vir aqui é o sonho de todo o muçulmano", é "a última viagem", declarou à AFP Soliman Ben Mohri, um comerciante de 53 anos que mora na França.O fervor é tanto que alguns peregrinos acabam esquecendo dos 40ºC."Oh Alá, aqui estou diante de ti", repetem grupos de fiéis, pedindo clemência a Deus.Os peregrinos chegam a Meca, na parte oeste do reino, saídos de todo mundo, especialmente de Egito, Índia, Paquistão, Bangladesh e Sudão, detalham as autoridades, segundo as quais já são mais de dois milhões, em sua maioria estrangeiros.- Alta tecnologia e tradutores -Neste domingo, os fiéis vão a um vale de Mina, onde pernoitarão antes de se dirigirem para o Monte Arafat, momento culminante da peregrinação.Foi nesse momento onde, segundo a tradição islâmica, o profeta Maomé pronunciou seu último sermão. Neste local, os peregrinos passam o dia rezando e pedindo clemência a Alá.A peregrinação terminará com o Eid al-Adha, também conhecido como Festa do Sacrifício, que dura três dias e é seguido pelo ritual da "lapidação de Satanás".Com o passar dos anos, o hajj foi adquirindo um aspecto cada vez mais tecnológico, com diversos aplicativos de celular para ajudar os fiéis a compreender as instruções, se orientar, ou obter atendimento urgente do Crescente Vermelho saudita.Além disso, uma brigada de tradutores ajuda os fiéis que não falam árabe.As autoridades também melhoraram a segurança para evitar incidentes como os dos últimos anos. Em 2015, a peregrinação ficou de luto por uma gigantesca explosão, na qual morreram 2.300 pessoas, entre elas centenas de iranianos.- Iêmen e Catar -O hajj de 2018 ocorre em um momento no qual a Arábia Saudita, um país ultraconservador, encontra-se em plena transformação, com uma série de reformas que, por exemplo, permitiram que as mulheres dirijam. No entanto, ao mesmo tempo, as autoridades calam duramente as vozes dissidentes.O príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman, filho do rei e impulsionador das reformas, assegura que quer "voltar a um Islã moderado e tolerante", o que não o impede de multiplicar as prisões de dissidentes, incluindo defensores dos direitos humanos e clérigos críticos.A peregrinação também coincide com uma guerra no Iêmen, onde a Arábia Saudita combate os rebeldes huthis xiitas, apoiados pelo Irã, grande rival regional de Riad.Pelo segundo ano consecutivo, o Catar se queixou de que seus cidadãos foram privados do hajj pela crise diplomática com Riad.Já as autoridades sauditas acusam Doha de obstaculizar a mobilização de cidadãos aos lugares santos.Cerca de 1.200 cidadãos do Catar deveriam poder participar do hajj, de acordo com um sistema de cotas por países, mas alguns se queixam da impossibilidade de se inscrever no site do Ministério de Peregrinação saudita.Desde 1987, centenas de pessoas morreram em explosões, ou em confrontos entre policiais sauditas e peregrinos iranianos que se manifestavam contra Estados Unidos e Israel.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaDois milhões de muçulmanos começam peregrinação a MecaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-dois-milhoes-de-muculmanos-comecam-peregrinacao-a-meca-10541000Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-europa-deve-pagar-o-preco-para-salvar-acordo-nuclear-diz-ira-10540996Europa deve 'pagar o preço' para salvar acordo nuclear, diz Irã2018-08-19T11:25:32-03:002018-08-19T11:25:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, afirmou neste domingo (19) que a Europa não demonstrou ainda sua vontade de "pagar o preço" para salvar o acordo nuclear rejeitado pelos Estados Unidos.Washington restabeleceu, em 6 de agosto, uma primeira série de sanções contra o Irã, depois de sua retirada unilateral do acordo nuclear firmado em 2015 entre Teerã e as grandes potências. Além disso, lançou uma advertência aos países que persistirem em fazer negócios com a República Islâmica.Os americanos deram a todas as empresas que mantêm atividades comerciais com o Irã um prazo de entre 90 e 180 dias para se retirarem do país. Agora, por medo de sofrerem penalidades americanas, um grande número de grupos - entre eles a montadora alemã Daimler - já anunciaram sua retirada do Irã.Segundo Zarif, os governos europeus sugerem as medidas para manter os laços com o Irã nos setores petroleiro e financeiro depois da segunda série de sanções que os EUA devem lançar em novembro.Trata-se, porém, mais de "uma declaração de intenção do que de medidas práticas", disse o ministro no site do Clube de Imprensa iraniano."Acreditamos que a Europa ainda não está disposta a pagar o preço" de desafiar as sanções americanas, acrescentou Zarif.As sanções em vigor dizem respeito especialmente à indústria automotiva e à aeronáutica civil, assim como às importações de matérias-primas.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaEuropa deve 'pagar o preço' para salvar acordo nuclear, diz IrãA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-europa-deve-pagar-o-preco-para-salvar-acordo-nuclear-diz-ira-10540996Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-hajj-a-grande-peregrinacao-a-meca-10540992'Hajj', a grande peregrinação a Meca2018-08-19T11:20:32-03:002018-08-19T11:20:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO "hajj", a grande peregrinação anual a Meca, que começa neste domingo (19) na parte oeste da Arábia Saudita, é uma das maiores concentrações religiosas do mundo.Veja a seguir as principais cifras do hajj:- Mais de dois milhões de fiéis muçulmanos participam do hajj em 2018, de acordo com cifras oficiais. Em 2016, houve 1,86 milhão de fiéis e, em 1941, apenas 24 mil.- 18 mil funcionários da Defesa Civil estão a cargo da segurança dos peregrinos. Milhares de câmeras de vigilância estão colocadas ao longo dos caminhos por onde os fiéis transitam.- 25 hospitais, 180 ambulâncias e 30 mil pessoas integram os recursos de saúde à disposição dos fiéis, segundo o Ministério da Peregrinação.- Dezenas de milhares de tendas de campanha, equipadas com ar-condicionado, foram instaladas na área - onde são registradas temperaturas de até 40ºC - para abrigar os peregrinos.- Cerca de 14 mil voos internacionais e internos suplementares transportam os peregrinos, de acordo com cifras oficiais.- 16 mil torres de telecomunicações e 3 mil pontos de acesso Wi-Fi foram instalados para facilitar a comunicação dos fiéis.- Serão distribuídas aos fiéis 8 milhões de cópias do Alcorão em vários idiomas.- Até 2030, a Arábia Saudita espera receber cerca de 30 milhões de peregrinos por ano. Além do hajj, os fiéis podem fazer o Umrah, a peregrinação menor, durante todo o ano.- Nos últimos 25 anos, 54 milhões de peregrinos participaram do hajj, um dos cinco pilares do Islã, segundo cifras oficiais.* AFPPorto Alegre, RSA Notícia'Hajj', a grande peregrinação a MecaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-hajj-a-grande-peregrinacao-a-meca-10540992Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-mais-de-dois-milhoes-de-muculmanos-iniciam-peregrinacao-a-meca-10540986Mais de dois milhões de muçulmanos iniciam peregrinação a Meca2018-08-19T10:35:32-03:002018-08-19T10:35:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brMais de dois milhões de fiéis iniciaram neste domingo (19), sob um calor sufocante, a grande peregrinação a Meca, o lugar mais sagrado do Islã na Arábia Saudita.A concentração de multidões representa um desafio logístico para as autoridades.O "hach" (peregrinação) é um dos cinco pilares do Islã de cumprimento obrigatório para todos os muçulmanos ao menos uma vez na vida, sempre que disponham de meios para fazê-lo."Vir aqui é o sonho de todo o muçulmano", é "a última viagem", declarou à AFP Soliman Ben Mohri, um comerciante de 53 anos que mora na França.Os peregrinos chegam a Meca, na parte oeste do reino, saídos de todo mundo, especialmente de Egito, Índia, Paquistão, Bangladesh e Sudão, detalham as autoridades.A peregrinação termina com o Eid al-Adha, também conhecido como Festa do Sacrifício, que dura três dias e é seguido pelo ritual da "lapidação de Satanás".Com o passar dos anos, o hajj foi adquirindo um aspecto cada vez mais tecnológico, com diversos aplicativos de celular para ajudar os fiéis a compreender as instruções, se orientar, ou obter atendimento urgente do Crescente Vermelho saudita.A peregrinação de 2015 ficou de luto por uma gigantesca explosão, na qual morreram 2.300 pessoas, entre elas centenas de iranianos.A de 2018 ocorre em um momento no qual a Arábia Saudita, um país ultraconservador, encontra-se em plena transformação, com uma série de reformas que, por exemplo, permitiram que as mulheres dirijam. No entanto, ao mesmo tempo, as autoridades calam duramente as vozes dissidentes.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaMais de dois milhões de muçulmanos iniciam peregrinação a MecaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-mais-de-dois-milhoes-de-muculmanos-iniciam-peregrinacao-a-meca-10540986Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-conselheiro-de-seguranca-nacional-de-trump-chega-a-israel-10540964Conselheiro de segurança nacional de Trump chega a Israel2018-08-19T09:50:32-03:002018-08-19T09:50:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, chegou neste domingo (19) a Israel para discutir temas como Irã, Síria e Faixa de Gaza.Em sua conta no Twitter, Bolton disse estar "ansioso para se reunir com o primeiro-ministro (Benjamin) Netanyahu e com outras autoridades para iniciar conversas bilaterais sobre uma série de temas relativos à segurança nacional".Israel e a Casa Branca compartilham as mesmas preocupações sobre o Irã e seu envolvimento na Síria, onde Teerã apoia o presidente Bashar al-Assad, também aliado da Rússia.O Irã é considerado inimigo número um de Israel.Em sua viagem, Bolton também irá à Ucrânia e a Genebra, onde se reunirá com o secretário-geral do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaConselheiro de segurança nacional de Trump chega a IsraelA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-conselheiro-de-seguranca-nacional-de-trump-chega-a-israel-10540964Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-registrado-terremoto-de-magnitude-6-3-na-ilha-indonesia-de-lombok-10540959Registrado terremoto de magnitude 6,3 na ilha indonésia de Lombok2018-08-19T09:45:32-03:002018-08-19T09:45:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brUm terremoto de magnitude 6,3 foi registrado neste domingo (19) na ilha indonésia de Lombok, semanas depois de outro sismo que matou mais de 460 pessoas - anunciou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).O epicentro se localizou ao sudoeste de Belanting, a uma profundidade de 7 quilômetros, indicou o USGS.Segundo moradores, o tremor foi sentido com força no leste da ilha."Estava dirigindo para entregar ajuda aos evacuados quando vi que os postes de luz se moviam. Me dei conta de que era um terremoto", relatou à AFP Agus Salim, que mora na região."As pessoas começaram a gritar e a correr para as ruas", acrescentou.O tremor também foi sentido em Mataram, na capital da ilha e na vizinha ilha turística de Bali.Em 5 de agosto, um sismo de magnitude 6,9 destruiu milhares de imóveis em Lombok.Arquipélago de 17.000 ilhas e ilhotas, a Indonésia se encontra no cinturão de fogo do Pacífico, uma zona de intensa atividade sísmica.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaRegistrado terremoto de magnitude 6,3 na ilha indonésia de LombokA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-registrado-terremoto-de-magnitude-6-3-na-ilha-indonesia-de-lombok-10540959Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-trump-diz-que-autorizou-equipe-da-casa-branca-a-cooperar-com-mueller-10540926Trump diz que autorizou equipe da Casa Branca a cooperar com Mueller2018-08-18T20:30:33-03:002018-08-18T20:30:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse neste sábado que autorizou o assessor da Casa Branca, Don McGahn, e outros funcionários a "cooperar plenamente" com a investigação sobre o suposto conluio entre sua campanha e Moscou.As declarações de Trump vieram depois que o jornal The New York Times relatou que McGahn havia "cooperado extensivamente" com a investigação do conselheiro especial Robert Mueller, participando de pelo menos três entrevistas com investigadores, totalizando 30 horas."Eu permiti que o Conselheiro da Casa Branca, Don McGahn, e todos os outros membros solicitados da Casa Branca, cooperassem totalmente com o Conselho Especial", Trump twittou."Além disso, entregamos prontamente mais de um milhão de páginas de documentos. Mais transparente na história. Sem conluio, sem obstrução. Caça às bruxas!"Trump vê a investigação liderada pelo conselho especial Robert Mueller como um obstáculo à sua presidência, e tem repetidamente pressionado para que ela termine.O jornal The New York Times relatou que McGahn havia fornecido "relatos detalhados" sobre episódios relacionados a uma possível obstrução à justiça, citando uma dezena de funcionários atuais e antigos e outras fontes.As informações fornecidas por McGahn incluíram as tentativas do presidente de demitir o conselho especial e os comentários e ações de Trump durante sua demissão do diretor do FBI, James Comey.O jornal disse que não está claro se Trump sabia da extensão da cooperação de McGahn, observando que é raro um advogado ser tão aberto com os investigadores.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaTrump diz que autorizou equipe da Casa Branca a cooperar com MuellerA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-trump-diz-que-autorizou-equipe-da-casa-branca-a-cooperar-com-mueller-10540926Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-venezuelanos-confusos-com-anuncios-economicos-de-maduro-10540923Venezuelanos confusos com anúncios econômicos de Maduro2018-08-18T20:05:33-03:002018-08-18T20:05:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs venezuelanos se viram mergulhados em incertezas depois das confusas reformas econômicas anunciadas pelo presidente Nicolás Maduro, que, segundo especialistas, representam uma megadesvalorização que não vai deter a espiral inflacionária.Antes do lançamento, na segunda-feira, das novas cédulas com cinco zeros a menos, Maduro formalizou outras medidas, com as quais espera tirar a economia dos quatro anos de recessão e frear uma inflação que o FMI projeta ser de 1.000.000% em 2018."Os próximos dias serão de muita confusão tanto para os consumidores quanto para o setor privado, especialmente o comercial. É um cenário caótico", prevê o diretor da consultora Ecoanalítica, Asdrúbal Oliveros.Neste sábado, o governo venezuelano chamou "mentiras" as críticas de especialistas às reformas econômicas anunciadas por Maduro."Não dêem ouvidos a mentiras", disse o ministro das Comunicações e Informação, Jorge Rodríguez, em entrevista coletiva.Maduro anunciou na noite de sexta que multiplicará por 34 o valor do salário mínimo, como parte de seu programa de recuperação econômica.O presidente venezuelano detalhou que o mínimo ficará "ancorado" ao valor do petro, a criptomoeda criada pelo governo socialista para obter liquidez.Cada petro, segundo o presidente, equivale a cerca de 60 dólares, com base no preço do barril do petróleo venezuelano."Fixei o salário mínimo, as aposentadorias e a base dos salários para todas as faixas salariais do país em meio petro, 1.800 bolívares (da nova moeda que entrará em vigor na segunda-feira)", revelou Maduro em mensagem à Nação.Em bolívares de hoje, o salário mínimo passaria a 5,2 milhões (menos de um dólar no mercado negro) para 180 milhões (cerca de 28 dólares).Este reajuste, de 3.464%, será o quinto do ano e passará a vigorar a partir de segunda-feira.Na Venezuela, o salário mínimo não é suficiente para comprar um quilo de carne.- Mais inflação -Apesar de prometer a adoção de um programa de "disciplina fiscal", Maduro disse que o Estado assumirá, por 90 dias, a "diferença" do aumento do salário mínimo para todas as "pequenas e médias indústrias do país", sem precisar como será o procedimento."Temos que seguir para uma disciplina fiscal prussiana e eliminar definitivamente a emissão de dinheiro não orgânico e sustentar a emissão de dinheiro na produção de riqueza, de petróleo, de ouro, de turismo", disse o presidente.O diretor da consultora Econométrica, Henkel García, questionou de onde Maduro tirará esses recursos, com um déficit perto dos 20% do PIB e sem acesso ao financiamento internacional.Portanto, os preços e a base monetária terão um aumento descomunal na próxima semana, afirma García.As emissões de dinheiro dispararam com a queda da renda proveniente do petróleo, que representa 96% do orçamento.A produção de petróleo caiu mais de 50% em uma década, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).Maduro, no poder desde 2013 e confrontado com uma grande rejeição popular, também anunciou um aumento do IVA para os bens de luxo de 12% para 16%.- Macrodesvalorização -Além disso, afirmou que haverá uma única taxa oficial flutuante dentro do forte controle cambiário com o qual o governo monopoliza as divisas desde 2003.O presidente disse que também estará ancorada no petro, mas não informou de quanto será.No entanto, ao fixar cada petro em 3.600 bolívares soberanos e taxá-lo, por sua vez, em 60 dólares, o câmbio resultante poderá ser de 6 milhões de bolívares atuais por cada dólar.Para Oliveros, é um "reconhecimento do mercado negro", que Maduro classifica de criminoso e no qual as cotações multiplicam por 30 as oficiais.Para o especialista, isso implica uma "macrodesvalorização".Para pressionar um retrocesso do mercado negro, Maduro prometeu em princípio três leilões de divisas semanais, que pretende aumentar para cinco."No entanto, para uma taxa de câmbio única, são necessárias divisas e elas não existem", analisou o economista Orlando Ochoa.A partir da próxima segunda, será possível negociar divisas em casas de câmbio autorizadas pelo governo, depois de anulada uma recente lei que punia essas operações.- Carnê da pátria -Como parte de seu programa de recuperação, o governo estendeu até 30 de agosto um censo veicular para que as pessoas recebam diretamente um subsídio através do chamado "carnê da pátria", um cartão eletrônico para ter acesso a programas sociais.A oposição chama esse documento de "mecanismo de chantagem e controle social".Maduro afirmou que quem não participar do censo pagará a gasolina a preços internacionais.Até agora, segundo ele, foram registradas 1.863.750 pessoas, em um parque automotivo de 4,5 milhões de unidades.O chefe de Estado continua sem definir as novas tarifas do combustível nem quando começarão a ser cobradas.A Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo: com um dólar na taxa de mercado negro pode-se comprar mais de seis milhões de litros.Maduro decretou feriado na segunda-feira para a adequação do novo sistema.Os caixas eletrônicos - indispensáveis na Venezuela para qualquer transação diante da falta de dinheiro em espécie - serão suspensos por até 24 horas a partir das 18h00 locais de domingo.- Convocação de greve -Três dos principais partidos políticos de oposição convocaram neste sábado uma greve na terça-feira contra o pacote de reformas econômicas.As organizações convocantes são o Primeiro Justiça, do ex-candidato presidencial Henrique Capriles; o Vontade Popular, do líder em prisão domiciliar Leopoldo López; e o Causa R, do ex-dirigente sindical Andrés Velásquez."Convocamos nesta terça-feira (...) a um primeiro dia de PROTESTO E GREVE NACIONAL, contra Maduro, contra a hiperinflação e a fome", publicaram as três organizações em suas contas no Twitter.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaVenezuelanos confusos com anúncios econômicos de MaduroA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-venezuelanos-confusos-com-anuncios-economicos-de-maduro-10540923Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-suspeito-por-ataque-em-parlamento-britanico-e-acusado-por-tentativa-de-assassinato-10540906Suspeito por ataque em parlamento britânico é acusado por tentativa de assassinato2018-08-18T18:40:35-03:002018-08-18T18:40:35-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO homem suspeito de ter cometido na terça-feira um atentado com um veículo que deixou três feridos em frente ao parlamento britânico em Londres foi acusado neste sábado de "tentativa de assassinato", anunciou a polícia.Salih Khater, de 29 anos, um homem de origem sudanesa residente em Birmingham (centro) suspeito de ter atropelado ciclistas e policiais com seu veículo em frente ao parlamento britânico, comparecerá nesta segunda-feira ao tribunal de Westminster, em Londres, informou a polícia."Esta acusação chega após um incidente durante o qual Khater dirigiu seu veículo contra um grupo de pedestres parados no exterior do parlamento", informou a polícia de Londres em comunicado."Devido à metodologia empregada, ao lugar escolhido e à suposta escolha de atacar a civis e policiais, a polícia trata este caso como terrorismo", afirmou.Segundo a BBC, Salih Khater chegou em 2010 como refugiado ao Reino Unido, após ter residido na Líbia. Ele estudou em Birmingham e obteve a nacionalidade britânica. Também teria obtido uma permissão da Autoridade da Indústria de Segurança (SIA) e trabalhado como guarda de segurança em Nottingham (centro).Este ataque apresenta muitas similitudes com o perpetrado em março de 2017 por Khalid Masood, um britânico convertido ao islã, que deixou cinco mortos e dezenas de feridos.Khalid Masood atropelou pedestres com seu veículo antes de matar um policial a facada em frente ao parlamento, em um atentado reivindicado pelo grupo Estado Islâmico.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaSuspeito por ataque em parlamento britânico é acusado por tentativa de assassinatoA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-suspeito-por-ataque-em-parlamento-britanico-e-acusado-por-tentativa-de-assassinato-10540906Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-italia-se-despede-das-vitimas-da-ponta-que-desabou-em-genova-10540857Itália se despede das vítimas da ponta que desabou em Gênova2018-08-18T16:10:32-03:002018-08-18T16:10:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Itália ofereceu neste sábado uma despedida sóbria e solene às vítimas do desabamento da ponte de Gênova, em um funeral de Estado boicotado por metade das famílias dos 38 mortos confirmados, enquanto equipes de resgate anunciaram a descoberta de novos corpos entre os escombros.O balanço do drama é agora de 40 mortos confirmados - após a morte de um ferido romano e o corpo encontrado de um operário genovês nos escombros . Três outras mortes ainda estão poden ser confirmadas: um casal de Turim e sua filha de 9 anos. O veículo da família foi encontrado nesta manhã esmagado por um bloco de cimento.Não há outros desaparecidos oficiais, mas os bombeiros asseguraram que continuarão trabalhando nas buscas.A solene cerimônia católica durou pouco mais de uma hora em um grande salão do centro de exposições de Gênova, na presença dos mais altos funcionários do Estado e milhares de habitantes desta cidade portuária do noroeste da Itália.Longos aplausos se seguiram à leitura dos nomes dos 38 mortos identificados e a menção das vítimas ainda não identificadas.Os bombeiros italianos encontraram durante a madrugada mais corpos em um carro esmagado sob um bloco de concreto da ponte de Gênova.Os serviços de Defesa Civil não quiseram informar o número preciso, mas a imprensa italiana fala de um casal e uma menina de 9 anos, que se encontravam em um dos carros que caíram com o desabamento da ponte.Dessa forma, ainda só estaria desparecido um homem de cerca de 30 anos.O governo decretou luto nacional para este sábado, e as bandeiras dos prédios públicos foram colocadas a meio mastro e os monumentos nacionais - como o Coliseu, a Fontana de Trevi e a Praça do Capitólio de Roma - ficarão com suas luzes apagadas.A liga italiana de futebol, que celebra neste fim de semana sua primeira rodada do campeonato 2018/19, suspendeu as partidas que seriam disputadas pelas duas equipes de Gênova, a Sampdoria e a Genoa. Em todos os estádios, será respeito um minuto de silêncio e os jogadores usarão uma braçadeira preta em sinal de luto.- "Allah Akbar" -No imenso salão de Gênova, transformado em capela ardente, foram alinhados 19 caixões, incluindo um menor, branco, com o corpo de Samuele, um menino de 8 anos que morreu junto aos pais quando iam pegar um ferry para a Sardenha."Eu perdi um amigo, mas vim por causa de todas as vítimas", disse um morador de Gênova, Nunzio Angone.Metade das famílias das vítimas optou por funerais privados depois de acusar as autoridades estaduais de serem responsáveis pela catástrofe.Durante a cerimônia católica, um imã fez uma oração cantada na qual se ouviu quatro vezes as palavras "Allah akbar" (Deus é grande) em meio a um silêncio respeitoso, em um momento planejado para homenagear duas vítimas muçulmanas albanesas.O presidente Sergio Mattarella se mostrou muito emocionado durante a cerimônia. "É uma tragédia inaceitável", declarou à televisão, prometendo realizar "investigações rápidas e rigorosas que levem a condenações dos responsáveis"."Meu filho foi assassinado", repetiu Roberto, pai de um dos quatro jovens de Nápoles que morreu enquanto viajava de férias."Não se deve morrer pela negligência, pela irresponsabilidade, pela superficialidade, pela burocracia", insistiu o arcebispo de Nápoles, cardeal Crescenzio Sepe, na homilia de sexta-feira dedicada a esses quatro jovens de sua cidade de origem.As fotos das vítimas sorridentes foram publicadas neste sábado em todos os jornais italianos: um ex-campeão de motociclismo, um médico e uma enfermeira que iam se casar, jovens franceses que iam se divertir, três chilenos morando na Itália, um motorista de caminhão napolitano que retornava para casa depois de fazer uma entrega na França e um casal voltando de sua lua de mel.- Meio milhão -O governo anunciou na sexta-feira que havia iniciado o procedimento para revogar a concessão da firma Autostrade no trecho onde a ponte desmoronou.Em relação às informações segundo as quais a empresa concessionária estaria disposta a reconstruir a ponte, assumindo o custo, o chefe de governo, Giuseppe Conte, disse que o executivo avaliará a proposta caso se torne formal.Conte também planeja controlar rigorosamente os investimentos das concessionárias de autoestradas no futuro, que "devem entender que a infraestrutura não é uma receita financeira, mas um bem público"."Faremos todo o possível para que a Autostrade ajude os parentes das vítimas, as pessoas afetadas, os que ficaram sem lar e a cidade", disse o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, também ministro do Interior e Líder da Liga (extrema direita).Em uma coletiva de imprensa em Gênova, os dirigentes da Autostrade não quiseram comentar esta decisão, mas prometeram "500 milhões de euros disponíveis a partir de segunda-feira" para ajudar a cidade e as vítimas.Essa quantidade compreende "milhões de euros" para as famílias das vítimas, e um fundo com "dezenas de milhões de euros" administrado por Gênova para realocar os habitantes cujas moradias foram destruídas sob a ponte.Também inclui um projeto de demolição do que restou da ponte e de reconstrução de outra em aço "em oito meses", quando as autoridades derem aval ao projeto.Os dirigentes prometeram ajudar à justiça que esclarecerão as causas do acidente, sobre as quais não puderam oferecer uma explicação imediata.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaItália se despede das vítimas da ponta que desabou em GênovaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-italia-se-despede-das-vitimas-da-ponta-que-desabou-em-genova-10540857Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-kofi-annan-uma-vida-de-entrega-a-onu-10540824Kofi Annan, uma vida de entrega à ONU2018-08-18T14:45:32-03:002018-08-18T14:45:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brKofi Annan, que morreu neste sábado (18) aos 80 anos, conduziu as Nações Unidas durante os difíceis anos da guerra do Iraque e do trauma dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.Annan, nascido em Gana e primeiro secretário-geral oriundo da África subsaariana, foi reconhecido por ter elevado o perfil da ONU durante o seu mandato de dois períodos, de janeiro de 1998 a dezembro de 2006.O carismático e silencioso diplomata de carreira será lembrado como o secretário-geral estrela das Nações Unidas e, provavelmente, o líder mais popular da organização.Isso tudo apesar de dois dos capítulos mais obscuros da ONU - o genocídio de Ruanda e a guerra da Bósnia - terem ocorrido sob o seu mandato como chefe de Manutenção da Paz."Procurei colocar os seres humanos no centro de tudo o que fazemos, desde a prevenção do conflito e do desenvolvimento até os direitos humanos", disse Annan em seu discurso de 2001, após aceitar o Prêmio Nobel da Paz.Naquele momento, enquanto o mundo era abalado pelos ataques de 11 de setembro, Annan e a organização receberam conjuntamente a honra "por seu trabalho por um mundo melhor organizado e mais pacífico".- Ascensão de dentro -Annan, o sétimo secretário-geral, dedicou quatro décadas de sua vida profissional às Nações Unidas e foi o primeiro chefe que ascendeu das fileiras da organização.Depois de dirigir os Recursos Humanos da ONU e o escritório de Orçamento, foi nomeado chefe do Departamento de Manutenção da Paz em 1993, cargo que ocupou até ser catapultado ao posto mais alto da organização quatro anos depois.Nos últimos anos, Annan voltou ao cenário diplomático para dirigir uma comissão assessora em Mianmar sobre a crise no estado de Rakhine.Havia estimulado o governo birmanês a outorgar a cidadania aos muçulmanos rohingya. Mais de 700.000 rohingyas foram expulsos de Rakhine em uma campanha militar no ano passado.Também criou uma fundação dedicada à resolução de conflitos e se uniu ao grupo The Elders, uma ONG conformada por figuras internacionais que regularmente debate questões mundiais.- Os fracassos da ONU -Em sua autobiografia "Intervenções: Uma vida de guerra e paz", Annan escreveu que sonhava com uma ONU que servisse "não só aos Estados, mas também aos povos" como "o fórum onde os governos são responsáveis por seu comportamento com os próprios cidadãos".Mas a incapacidade da ONU de cumprir com essa promessa em Ruanda e na Bósnia definiram seu mandato como secretário-geral, escreveu.Os Capacetes Azuis se retiraram de Ruanda em 1994 durante o violento caos e, um ano depois, o organismo mundial falhou em proteger a própria "área segura" em Srebrenica, quando as forças servo-bósnias cercaram e mataram centenas e homens e crianças muçulmanos.- Estrela do rock da diplomacia -Enquanto Ruanda e Srebrenica ofuscaram seu mandato como chefe de Manutenção da Paz, Annan fez uma transição ao seu novo papel como chefe da ONU com facilidade.Rapidamente se converteu em um rosto familiar na televisão, seu nome apareceu nas capas dos jornais, e foi um convidado muito solicitado em eventos de gala e jantares em Nova York.Muitas vezes foi descrito como uma "estrela do rock da diplomacia".Annan deveu sua nomeação aos Estados Unidos, que vetou um segundo mandato para o egípcio Boutros Boutros-Ghali depois que as relações se deterioraram, mas muitas vezes mostrou sua independência das principais potências.Irritou os Estados Unidos ao dizer que a invasão de 2003 no Iraque era "ilegal" porque não foi respaldada pelo Conselho de Segurança da ONU.- De Gana a Genebra -Nascido em Kumasi, capital da região de Ashanti de Gana, Annan era filho de um executivo de uma empresa comercial europeia, a companhia United Africa, subsidiária da multinacional anglo-holandesa Unilever.Foi para um internato fundado por metodistas aos 13 anos e para uma universidade em Kumasi antes de receber uma bolsa para estudar nos Estados Unidos.Estudou Economia na Macalester College em Minnesota e Administração no Massachusetts Institute of Technology.Em 1965, Annan se casou com Titi Alakija, uma nigeriana de família abastada. Tiveram filhos, Ama e Kojo, mas o casal se separou no fim dos anos 1970.Se casou pela segunda vez em 1984 com Nane Lagergren, uma advogada sueca das Nações Unidas e sobrinha de Raoul Wallenberg, e tiveram uma filha, Nina.Após terminar seu segundo mandato como chefe da ONU, Annan passou a desempenhar papéis de mediação de importância no Quênia e na Síria.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaKofi Annan, uma vida de entrega à ONUA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-kofi-annan-uma-vida-de-entrega-a-onu-10540824Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-hoteis-capsula-para-a-peregrinacao-a-meca-10540799'Hotéis cápsula' para a peregrinação a Meca2018-08-18T13:35:32-03:002018-08-18T13:35:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brCabines minúsculas com ar condicionado, colchão e lençóis, que lembram os "hotéis cápsula" japoneses, permitirão que os fiéis façam a sesta e fiquem como novos durante a peregrinação a Meca.Dois milhões de muçulmanos realizarão a partir de domingo a grande peregrinação anual à Meca. Os rituais se prolongarão até sexta-feira em meio a temperaturas de mais de 40ºC.Para facilitar a peregrinação dos que não podem pagar por um quarto de hotel, uma associação de caridade decidiu, em colaboração com as autoridades sauditas, instalar este ano cerca de 20 "cápsulas de sesta" na cidade de Mina (oeste), limítrofe com Meca.Esses peculiares "quartos" serão gratuitos e representam uma "solução econômica" para os peregrinos, assegura à AFP Mansur al-Amer, diretor da Haji and Mutamer Gift Charitable Association.As cabines de 2,64 m2 e 1,2 metro de altura, foram fabricadas em fibra de vidro para proteger do sol e podem ser colocadas umas sobre as outras para economizar espaço.O usuário pode regular a temperatura do interior, onde dispõe de um espelho e uma tomada para carregar o celular.Os peregrinos poderão descansar nelas durante três horas e os serviços de limpeza aproveitarão o horário de oração (cinco vezes ao dia) para trocar os lençóis e esterilizar as cabines, explica Amer.- Economia colaborativa -"Esta ideia já está estendida em vários países, como o Japão. Achamos que se adapta perfeitamente aos lugares muito concorridos como a Meca", comenta Amer."As cápsulas fazem parte da economia colaborativa, como as bicicletas alugadas por uma hora", argumenta.Doze cabines como essas foram testadas com sucesso perto de Meca durante o Ramadã, o mês do jejum dos muçulmanos, com 60 pessoas por dia, afirma Amer.Como todos os fiéis devem realizar o haje ao menos uma vez na vida se dispuserem de meios econômicos para fazê-lo, a chegada de centenas de milhares de pessoas supõe um desafio logístico considerável.Este ano, as autoridades sauditas lançaram uma iniciativa chamada "smart hajj" (haje inteligente) com aplicativos para ajudar os peregrinos a se orientar, ou obter atendimento médico urgente do Crescente Vermelho saudita.O aplicativo também permite localizar os peregrinos se estes se perderem.O Ministério da Peregrinação administra também o aplicativo "Manasikana" com traduções ao árabe.A peregrinação de 2018 ocorre em um contexto de modernização na Arábia Saudita, um dos países mais conservadores do mundo. Desde junho as mulheres podem dirigir, uma mudança promovida pelo príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, considerado reformista.Mas, ao mesmo tempo, o reino sunita usa mão de ferro para calar as vozes dissidentes. Prova disso foi a detenção nas últimas semanas de uma dezena de ativistas defensores dos direitos humanos, alguns dos quais foram libertados.* AFPPorto Alegre, RSA Notícia'Hotéis cápsula' para a peregrinação a MecaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-hoteis-capsula-para-a-peregrinacao-a-meca-10540799Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-israel-rejeita-propostas-da-onu-de-proteger-palestinos-10540791Israel rejeita propostas da ONU de proteger palestinos2018-08-18T12:45:32-03:002018-08-18T12:45:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brIsrael rejeitou um relatório do secretário-geral da ONU, António Guterres, no qual propõe opções para fortalecer a proteção dos palestinos nos territórios ocupados pelo Estado hebreu.O embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, declarou em comunicado na noite de sexta-feira que "a única proteção que o povo palestino precisa é de sua própria liderança".O relatório de 14 páginas apresentou quatro propostas, entre elas de aumentar a ajuda humanitária aos palestinos, enviar supervisores de direitos humanos das Nações Unidas e observadores desarmados, assim como mobilizar uma força militar e policial sob o mandato da ONU.O informe foi solicitado pela Assembleia-Geral em resposta ao aumento da violência em Gaza, onde 171 palestinos morreram sob o fogo israelense desde o fim de março."Ao invés de sugerir formas de proteger o povo palestino de Israel, a ONU deveria responsabilizar os líderes palestinos por continuamente colocar em perigo a própria população", afirmou Danon."As sugestões do relatório só propiciarão que continue a rejeição palestina".Um mandato da ONU para uma força de proteção iria requerer uma decisão do Conselho de Segurança, onde os Estados Unidos podem usar o poder de veto para bloquear uma medida à qual Israel se opõe.O informe, entregue a todos os Estados-membros da ONU, surge em meio a um vazio, enquanto potências europeias e o Oriente Médio aguardam o plano de paz do governo do presidente Donald Trump que esteve em discussão por meses.Os diplomatas da ONU começaram recentemente a questionar se o plano de paz dos Estados Unidos se materializará em algum momento.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaIsrael rejeita propostas da ONU de proteger palestinosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-israel-rejeita-propostas-da-onu-de-proteger-palestinos-10540791Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-o-mundo-reage-a-morte-do-ex-secretario-geral-da-onu-kofi-annan-10540787O mundo reage à morte do ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan2018-08-18T12:36:00-03:002018-08-18T12:36:00-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA morte do ex-secretário-geral da ONU e Prêmio Nobel da Paz Kofi Annan suscitou, neste sábado (18), muitas reações e homenagens em todo o mundo.Veja a seguir algumas delas:- Nações Unidas -O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou sua tristeza pela morte de seu antecessor à frente das Nações Unidas, qualificando-o de "força que guiava para o bem"."De muitas maneiras, Kofi Annan encarnava as Nações Unidas. Saiu das próprias fileiras para dirigir a organização para um novo milênio, com dignidade e determinação inigualáveis", afirmou.- Gana -O presidente de Gana - país natal de Annan -, Nana Akufo-Addo, declarou uma semana de luto a partir de segunda-feira em homenagem a um de "nossos mais ilustres compatriotas".- União Europeia -O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que "o maior reconhecimento que podemos fazer a Kofi Annan é preservar seu legado e seu espírito"."Dedicou sua vida a fazer do mundo um lugar mais pacífico e unido", assegurou Juncker.- Rússia -"Sempre admirei sua sabedoria e coragem (...) em momentos críticos. Sua lembrança estará sempre no coração dos russos", declarou o presidente russo, Vladimir Putin, citado em um comunicado do Kremlin.- Espanha -O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, tuitou: "Hoje perdemos um grande humanista. Kofi Annan nos deixa (...), mas ficamos com seu legado para continuar trabalhando pela paz, segurança e para reforçar a defesa dos Direitos Humanos"- França -Em um tuíte, o presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que "a França lhe faz uma homenagem". "Não esqueceremos jamais o seu olhar tranquilo e decidido, nem a força de suas lutas".- Alemanha -Em comunicado, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou: "Me entristece a notícia da morte de Kofi Annan. Era um homem de Estado excepcional a serviço da comunidade mundial".- África do Sul -O presidente Cyril Ramaphosa qualificou Annan como um "grande líder e diplomata extraordinário", que ajudou a causa da África no seio da ONU e "hasteou a bandeira da paz" em todo o mundo.- The Elders -O grupo The Elders (termo em inglês que significa "idosos", mas também os "sábios"), cofundado por Annan e Nelson Mandela, entre outros, para promover a paz e os direitos humanos, afirmou que o ex-secretário-geral da ONU teve "uma voz de grande autoridade e sabedoria, em público e no privado".Entre os Elders, além do ex-presidente americano Jimmy Carter, figuram também os ex-presidentes brasileiro Fernando Henrique Cardoso, mexicano Ernesto Zedillo e chileno Ricardo Lagos.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaO mundo reage à morte do ex-secretário-geral da ONU Kofi AnnanA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-o-mundo-reage-a-morte-do-ex-secretario-geral-da-onu-kofi-annan-10540787Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-italia-se-despede-das-vitimas-da-ponte-que-desabou-em-genova-10540783Itália se despede das vítimas da ponte que desabou em Gênova2018-08-18T12:35:35-03:002018-08-18T12:35:35-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Itália ofereceu neste sábado uma despedida sóbria e solene às vítimas do desabamento da ponte de Gênova, em um funeral de Estado boicotado por metade das famílias dos 38 mortos confirmados, enquanto equipes de resgate anunciaram a descoberta de novos corpos entre os escombros.A solene cerimônia católica durou pouco mais de uma hora em um grande salão do centro de exposições de Gênova, na presença dos mais altos funcionários do Estado e milhares de habitantes desta cidade portuária do noroeste da Itália.Longos aplausos se seguiram à leitura dos nomes dos 38 mortos identificados e a menção das vítimas ainda não identificadas.Os bombeiros italianos encontraram durante a madrugada mais corpos em um carro esmagado sob um bloco de concreto da ponte de Gênova.Os serviços de Defesa Civil não quiseram informar o número preciso, mas a imprensa italiana fala de um casal e uma menina de 9 anos, que se encontravam em um dos carros que caíram com o desabamento da ponte.Dessa forma, ainda só estaria desparecido um homem de cerca de 30 anos.O governo decretou luto nacional para este sábado, e as bandeiras dos prédios públicos foram colocadas a meio mastro e os monumentos nacionais - como o Coliseu, a Fontana de Trevi e a Praça do Capitólio de Roma - ficarão com suas luzes apagadas.A liga italiana de futebol, que celebra neste fim de semana sua primeira rodada do campeonato 2018/19, suspendeu as partidas que seriam disputadas pelas duas equipes de Gênova, a Sampdoria e a Genoa. Em todos os estádios, será respeito um minuto de silêncio e os jogadores usarão uma braçadeira preta em sinal de luto.- "Allah Akbar" -No imenso salão de Gênova, transformado em capela ardente, foram alinhados 19 caixões, incluindo um menor, branco, com o corpo de Samuele, um menino de 8 anos que morreu junto aos pais quando iam pegar um ferry para a Sardenha."Eu perdi um amigo, mas vim por causa de todas as vítimas", disse um morador de Gênova, Nunzio Angone.Metade das famílias das vítimas optou por funerais privados depois de acusar as autoridades estaduais de serem responsáveis pela catástrofe.Durante a cerimônia católica, um imã fez uma oração cantada na qual se ouviu quatro vezes as palavras "Allah akbar" (Deus é grande) em meio a um silêncio respeitoso, em um momento planejado para homenagear duas vítimas muçulmanas albanesas.O presidente Sergio Mattarella se mostrou muito emocionado durante a cerimônia. "É uma tragédia inaceitável", declarou à televisão, prometendo realizar "investigações rápidas e rigorosas que levem a condenações dos responsáveis"."Meu filho foi assassinado", repetiu Roberto, pai de um dos quatro jovens de Nápoles que morreu enquanto viajava de férias."Não se deve morrer pela negligência, pela irresponsabilidade, pela superficialidade, pela burocracia", insistiu o arcebispo de Nápoles, cardeal Crescenzio Sepe, na homilia de sexta-feira dedicada a esses quatro jovens de sua cidade de origem.As fotos das vítimas sorridentes foram publicadas neste sábado em todos os jornais italianos: um ex-campeão de motociclismo, um médico e uma enfermeira que iam se casar, jovens franceses que iam se divertir, três chilenos morando na Itália, um motorista de caminhão napolitano que retornava para casa depois de fazer uma entrega na França e um casal voltando de sua lua de mel.- Revogação -O governo anunciou na sexta-feira que havia iniciado o procedimento para revogar a concessão da firma Autostrade no trecho onde a ponte desmoronou.Em relação às informações segundo as quais a empresa concessionária estaria disposta a reconstruir a ponte assumindo o custo, o chefe de governo, Giuseppe Conte, disse que o executivo avaliará a proposta caso se torne formal.Conte também planeja controlar rigorosamente os investimentos das concessionárias de autoestradas no futuro, que "devem entender que a infraestrutura não é uma receita financeira, mas um bem público"."Faremos todo o possível para que a Autostrade ajude os parentes das vítimas, as pessoas afetadas, os que ficaram sem lar e a cidade", disse o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, também ministro do Interior e Líder da Liga (extrema direita).A empresa, que pertence ao grupo Atlantia, controlada por 30% pela família Benetton, assegurou que seus controles de segurança eram de confiança.O holding da Benetton, Edizione, informou que fará tudo que for possível para apurar as responsabilidades nesta tragédia.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaItália se despede das vítimas da ponte que desabou em GênovaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-italia-se-despede-das-vitimas-da-ponte-que-desabou-em-genova-10540783Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-venezuelanos-confusos-com-anuncios-economicos-de-maduro-10540766Venezuelanos confusos com anúncios econômicos de Maduro2018-08-18T12:00:32-03:002018-08-18T12:00:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs venezuelanos se viram mergulhados em incertezas depois das confusas reformas econômicas anunciadas pelo presidente Nicolás Maduro, que, segundo especialistas, representam uma megadesvalorização que não vai deter a espiral inflacionária.Antes do lançamento, na segunda-feira, das novas cédulas com cinco zeros a menos, Maduro formalizou outras medidas, com as quais espera tirar a economia dos quatro anos de recessão e frear uma inflação que o FMI projeta ser de 1.000.000% em 2018."Os próximos dias serão de muita confusão tanto para os consumidores quanto para o setor privado, especialmente o comercial. É um cenário caótico", prevê o diretor da consultora Ecoanalítica, Asdrúbal Oliveros.Maduro anunciou na noite de sexta que multiplicará por 34 o valor do salário mínimo, como parte de seu programa de recuperação econômica.O presidente venezuelano detalhou que o mínimo ficará "ancorado" ao valor do petro, a criptomoeda criada pelo governo socialista para obter liquidez.Cada petro, segundo o presidente, equivale a cerca de 60 dólares, com base no preço do barril do petróleo venezuelano."Fixei o salário mínimo, as aposentadorias e a base dos salários para todas as faixas salariais do país em meio petro, 1.800 bolívares (da nova moeda que entrará em vigor na segunda-feira)", revelou Maduro em mensagem à Nação.Em bolívares de hoje, o salário mínimo passaria a 5,2 milhões (menos de um dólar no mercado negro) para 180 milhões (cerca de 28 dólares).Este reajuste, de 3.464%, será o quinto do ano e passará a vigorar a partir de segunda-feira.Na Venezuela, o salário mínimo não é suficiente para comprar um quilo de carne.- Mais inflação -Apesar de prometer a adoção de um programa de "disciplina fiscal", Maduro disse que o Estado assumirá, por 90 dias, a "diferença" do aumento do salário mínimo para todas as "pequenas e médias indústrias do país", sem precisar como será o procedimento."Temos que seguir para uma disciplina fiscal prussiana e eliminar definitivamente a emissão de dinheiro não orgânico e sustentar a emissão de dinheiro na produção de riqueza, de petróleo, de ouro, de turismo", disse o presidente.O diretor da consultora Econométrica, Henkel García, questionou de onde Maduro tirará esses recursos, com um déficit perto dos 20% do PIB e sem acesso ao financiamento internacional.Portanto, os preços e a base monetária terão um aumento descomunal na próxima semana, afirma García.As emissões de dinheiro dispararam com a queda da renda proveniente do petróleo, que representa 96% do orçamento.A produção de petróleo caiu mais de 50% em uma década, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).Maduro, no poder desde 2013 e confrontado com uma grande rejeição popular, também anunciou um aumento do IVA para os bens de luxo de 12% para 16%.- Macrodesvalorização -Além disso, afirmou que haverá uma única taxa oficial flutuante dentro do forte controle cambiário com o qual o governo monopoliza as divisas desde 2003.O presidente disse que também estará ancorada no petro, mas não informou de quanto será.No entanto, ao fixar cada petro em 3.600 bolívares soberanos e taxá-lo, por sua vez, em 60 dólares, o câmbio resultante poderá ser de 6 milhões de bolívares atuais por cada dólar.Para Oliveros, é um "reconhecimento do mercado negro", que Maduro classifica de criminoso e no qual as cotações multiplicam por 30 as oficiais.Para o especialista, isso implica uma "macrodesvalorização".Para pressionar um retrocesso do mercado negro, Maduro prometeu em princípio três leilões de divisas semanais, que pretende aumentar para cinco."No entanto, para uma taxa de câmbio única, são necessárias divisas e elas não existem", analisou o economista Orlando Ochoa.A partir da próxima segunda, será possível negociar divisas em casas de câmbio autorizadas pelo governo, depois de anulada uma recente lei que punia essas operações.- Carnê da pátria -Como parte de seu programa de recuperação, o governo estendeu até 30 de agosto um censo veicular para que as pessoas recebam diretamente um subsídio através do chamado "carnê da pátria", um cartão eletrônico para ter acesso a programas sociais.A oposição chama esse documento de "mecanismo de chantagem e controle social".Maduro afirmou que quem não participar do censo pagará a gasolina a preços internacionais.Até agora, segundo ele, foram registradas 1.863.750 pessoas, em um parque automotivo de 4,5 milhões de unidades.O chefe de Estado continua sem definir as novas tarifas do combustível nem quando começarão a ser cobradas.A Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo: com um dólar na taxa de mercado negro pode-se comprar mais de seis milhões de litros.Maduro decretou feriado na segunda-feira para a adequação do novo sistema.Os caixas eletrônicos - indispensáveis na Venezuela para qualquer transação diante da falta de dinheiro em espécie - serão suspensos por até 24 horas a partir das 18h00 locais de domingo.A Venezuela enfrenta uma severa crise econômica, traduzida na inflação galopante e escassez de alimentos, gêneros de primeira necessidade e medicamentos.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaVenezuelanos confusos com anúncios econômicos de MaduroA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-venezuelanos-confusos-com-anuncios-economicos-de-maduro-10540766Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-um-idolo-do-esporte-assume-como-primeiro-ministro-do-paquistao-10540737Um ídolo do esporte assume como primeiro-ministro do Paquistão2018-08-18T10:35:32-03:002018-08-18T10:35:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brImran Khan, ex-jogador de críquete e ídolo nacional, prestou juramento neste sábado como primeiro-ministro do Paquistão, abrindo uma nova era política com a promessa de lutar contra a corrupção e a pobreza.Visivelmente emocionado, jurou "fé sincera e fidelidade ao Paquistão" e prometeu trabalhar "no interesse da soberania e pela integridade, solidaridade, bem-estar e prosperidade do país".A cerimônia foi realizada no palácio presidencial ante as principais autoridades civis e militares do Paquistão, dignitários estrangeiros e diplomáticos.Também estiveram presentes todos os jogadores de críquete paquistaneses campeõe sdo mundo em 1992, quando Imran Khan era capitão do time, alguns jogadores indianos especialmente convidados para a ocasião e vários artistas.A nova primeira-dama, Bushra Bibi, coberta por um niqab branco que só deixava ver seus olhos, fez sua primeira apariação pública desde seu casamento no início de 2018.Khan foi eleito pelo parlamento na sexta-feira depois que seu partido venceu as eleições legislativas de 25 de julho.Com 65 anos, era o grande favorito ante seu único adversário, Shahbaz Sharif, irmão do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif.O ex-jogador de críquete obteve 176 votos, quatro a mais que os que precisava para ser eleito.O Movimento pela Justiça (PTI), o partido de Khan, venceu as legislativas, mas não conseguiu a maioria absoluta. Desde então, dirigentes do PTI negociavam com outras formações e deputados independentes para formar um governo de coalizão.Shahbaz Sharif, chefe das fileiras da Liga Muçulmana do Paquistão (PML), não dispunha praticamente de qualquer possibilidade para ser eleito.Alguns analistas descreveram a campanha das legislativas como uma das mais "sujas" da história do país pelas supostas manipulações em benefício de Khan realizadas pelo exército paquistanês, ator protagonista da política deste país, com vários golpes de Estado.Também foi marcada pela presença crescente de partidos islamitas radicais e pelas acusações de fraude eleitoral.A vitória de Khan põe ponto final a uma década em que o PML-N e o Partido do Povo Paquistão (PPP) se alternaram no poder.O Paqujistão, país com mais de 200 milhões de pessoas, nascido da divisão da Índia colonial britânica e que esta semana completou 71 anos, foi dirigido pelo exército durante quase a metade de sua complexa história.O ex-campeão de críquete prometeu um "novo Paquistão" e se comprometeu a luta contra a corrupção e a pobreza.O PTI já presidiu um governo provincial na região em Khyber Pakhtunkhwa, no noroeste do país, que é seu principal feudo eleitoral.Também fez parte de um governo de coalizão na província do Baluquistão, sudoeste do Paquistão.Khan é idolatrado por milhões de paquistaneses por seu passado como astro da seleção de críquete, o esporte nacional, que foi campeã do mundo em 1992.Fora seu passado esportivo, Khan é conhecido agora como "Trump paquistanês" por seu estilo populista e suas propostas conservadoras.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaUm ídolo do esporte assume como primeiro-ministro do PaquistãoA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-um-idolo-do-esporte-assume-como-primeiro-ministro-do-paquistao-10540737Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-cnn-bomba-que-matou-51-pessoas-em-um-onibus-no-iemen-era-americana-10540725CNN: bomba que matou 51 pessoas em um ônibus no Iêmen era americana2018-08-18T10:15:34-03:002018-08-18T10:15:34-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA boma que matou 51 pessoas, entre elas 40 crianças, lançada contra um ônibus em um ataque aéreo atribuído à coalizão liderada pela Arábia Saudita no norte do Iêmen, foi vendida pelos Estados Unidos como parte de um acordo entre o departamento de Estado e Riad, segundo a CNN.Segundo informaram especialistas à rede, a bomba usada no ataque de 9 de agosto em Saada seria uma Mark 82 (Mk 82) guiada com laser de precisão, criada pela empresa de defesa americana Lockheed Martin.O ex-presidente Barack Obama havia proibido a venda de bombas guiadas à Arábia Saudita depois que um tipo similar foi usado em um ataque aéreo que matou 140 pessoas em uma cerimônia fúnebre na capital Sanaa, em outubro de 2016.Mas Donald Trump levantou a proibição depois que assumiu o governo.Cinquenta e seis crianças também se encontram entre os 79 feridos do ataque em Saada, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).A coalizão é acusada de cometer numerosos abusos contra civis. Esta reconheceu sua responsabilidade sobre alguns ataques aéreos, mas reiteradamente acusa os rebeldes huthis de se misturar com civis ou usá-los como escudos humanos.A guerra no Iêmen já deixou 10.000 mortos desde a intervenção da coalizão liderada pela Arábia Saudita em 2015 e causou a pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaCNN: bomba que matou 51 pessoas em um ônibus no Iêmen era americanaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-cnn-bomba-que-matou-51-pessoas-em-um-onibus-no-iemen-era-americana-10540725Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ofensiva-sovietica-contra-primavera-de-praga-completa-50-anos-10540717Ofensiva soviética contra Primavera de Praga completa 50 anos2018-08-18T09:55:32-03:002018-08-18T09:55:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brHá 50 anos, na madrugada de 21 de agosto de 1968, o sonho do "socialismo com rosto humano" se chocou contra a realidade dos tanques soviéticos comunistas, quando as tropas do Exército Vermelho invadiram a então Tchecoslováquia com o objetivo de arrasar o impulso transformado da "Primavera de Praga".- Contexto explosivo -"Às 23h, as tropas soviéticas, polonesas, alemães orientais, búlgaras e húngaras cruzaram a fronteira tchecoslovaca", anunciou a AFP em uma nota na madrugada de 21 de agosto.A Tchecoslováquia, que em 1993, com o fim do comunismo, foi dividida em dois países - República Tcheca e Eslováquia -, seguiu, deste modo, sob a tutela da antiga União Soviética, que a integrou a sua esfera de influência pouco depois da Segunda Guerra Mundial.A tensão havia se intensificado nos últimos meses entre a Tchecoslováquia e o então líder soviético, Leonid Brezhnev, depois da chegada ao poder de uma equipe reformista.O intermediador de Moscou, Antonin Novtony, foi substituído pelo eslovaco Alexander Dubcek à frente do Partido Comunista Tchecoslovaco (PCT) em janeiro, e pelo general Ludvik Sovoboda na Presidência da República, em março.Após as reformas iniciadas no governo de Dubcek - abolição da censura, liberdade de reunião e de associação, uma (prudente) reforma econômica -, seguiu-se uma série de advertências, avisos e até mesmo ultimatos por parte da URSS.- Tanques na cidades -Em 21 de agosto, Moscou e seus aliados mobilizaram 200.000 soldados - que acabaram sendo 600.000 - e, em poucas horas, as unidades aerotransportadas e terrestres do Pacto de Varsóvia invadiram o território tchecoslovaco.Às 4h59, a Rádio Praga anunciou que a capital e toda a república tchecoslovaca haviam sido ocupadas. O governo pediu aos cidadãos para manterem a calma e "não se oporem com armas às tropas estrangeiras".Em Praga, as tropas soviéticas concentraram suas forças em torno de três pontos nevrálgicos: a sede do Comitê Central do PCT, o Castelo de Hradcany - sede da presidência da República - e a sede da rádio.Ao amanhecer, centenas de habitantes da capital se concentraram em frente ao prédio da rádio, cercado de tanques. "Apenas as salvas das armas conseguiram encobrir o clamor das vaias, de insultos como 'Gestapo' e 'viva Dubeck'", informou o enviado especial da AFP, Jean Leclerc du Sablon.Cerca de 100 pessoas foram mortas nos primeiros dias da operação.- Dirigentes detidos -Em Moscou, a agência de notícias Tass afirmou que a intervenção militar respondia a um pedido "dos homens de Estado tchecoslovacos". Os historiadores estabeleceram que um deles era Vasil Bilak, um membro do Politburô do PCT.Desde as primeiras horas da invasão, Dubcek e outros dirigentes foram detidos pelo Exército Vermelho.Foram levados à força para o Kremlin, em 22 de agosto, e, um dia depois, chegou uma delegação liderada por Svoboda.Acabaram sendo obrigados a assinar o "Protocolo de Moscou", que situava a Tchecoslováquia sob tutela russa e ratificava a ocupação soviética.Os acordos mantinha Dubcek no poder, mas o comprometiam a restabelecer o papel dirigente do partido.Apenas um dirigente tchecoslovaco, Frantisek Kriegel, negou-se a assinar o documento, que, segundo disse, "não foi firmado com uma pena, e sim pelas bocas dos canhões".- Resistência passiva -A população, que não tinha acesso às informações sobre as decisões conduzidas em Moscou, organizou uma resistência não violenta.Rapidamente, tiraram as placas com o nome das ruas na esperança de desorientar os invasores. No campo, em cujas fazendas ondeavam bandeiras tchecoslovacas a meio mastro, as placas foram substituídas por uma única seta: "Direção: Moscou".Doze rádios livres continuaram funcionando, apesar das medidas de repressão de Moscou.As buzinas dos carros, as sirenes das fábricas e os sinos das igreja soavam por toda Tchecoslováquia regularmente em apoio a Svoboda e Dubcek, cuja volta ao país era esperada com fervor.- A morte da 'Primavera' -Em 27 de agosto pela manhã, a população acompanhou, exultante, o percurso que eles fizeram entre o aeroporto e o castelo, coroado de novo pela bandeira nacional.Um sentimento de alívio que durou muito pouco.Em um discurso dirigido à nação, o general Svoboda anunciou que a saída dos "ocupantes" estava condicionada a uma "normalização da situação"."Será restringida momentaneamente a liberdade para permitir uma volta à normalidade", acrescentou Alexander Dubcek.Em 16 de outubro, foi assinado um acordo sobre o "posicionamento temporário das tropas soviéticas".Destituído em abril de 1969, Dubcek foi substituído por Gustav Husak, que implementou a "normalização", por meio de julgamentos políticos.A democracia voltaria a Praga apenas na "Revolução de Veludo", em 1989, que depôs finalmente o governo comunista do país.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaOfensiva soviética contra Primavera de Praga completa 50 anosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ofensiva-sovietica-contra-primavera-de-praga-completa-50-anos-10540717Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ex-secretario-geral-da-onu-kofi-annan-morre-aos-80-anos-10540707Ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan morre aos 80 anos2018-08-18T09:20:32-03:002018-08-18T09:20:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO ex-secretário-geral da ONU e Prêmio Nobel da Paz Kofi Annan faleceu após uma breve enfermidade à idade de 80 anos, informou neste sábado sua fundação com sede em Genebra."Com imensa tristeza, a família Annan e a Fundação Kofi Annan anuncia que Kofi Annan, ex-secretário-geral das Nações Unidas e Prêmio Nobel da Paz, faleceu de forma pacífica neste sábado, 18 de agosto, depois de uma breve enfermidade", anunciou a fundação em um comunicado.Annan, de nacionalidade ganesa, foi secretário-geral da ONU de 1o. de janeiro de 1997 a 31 de dezembro de 2006."Sua esposa Nane e seus filhos Ama, Kojo e Nina estavam junto a ele em seus últimos dias" acrescenta o comunicado.Segundo a agência suíça ATS, Annan morreu em um hospital da parte alemã da Suícia, país que escolheu para viver.Pouco depois do anúncio do falecimento, o atual secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou sua tristeza pela morte de Annan, classificando-o de "força que guiava para o bem".Gana, seu país natal, decretou uma semana de luto nacional a partir de segunda-feira.Annan foi o primeiro chefe da ONU orignário da África subsaariana.Dirigiu a ONU por dez anos e durante o difícil período da guerra do Iraque, mas seu chefia foi ofuscada por acusações de corrupção no chamado programa "petróleo por alimentos".No entanto, ao deixar o cargo, Annan foi considerado um dos dirigentes mais populares de la ONU.Junto com a organização, Annan recebeu em 2001 o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços "em favor de um mundo mais organizado e mais pacífico"."Tentei situar o ser humano no centro de tudo: da prevenção dos conflitos ao desenvolvimento, passando pelos direitos humanos", afirmou ao aceitar o prêmio em Oslo.- Os anos mais sombrios -Salvo alguns anos como diretor do turismo de Gana, Annan dedicou 40 anos de sua vida às Nações Unidas. Foi o primeiro secretário-geral que procedia da mesma organização.Primeiro dirigiu os recursos humanos da ONU, depois o orçamento, antes de dirigir, a partir de 1993, a manutenção da paz e de ser promovido, quatro anos mais tarde, à direção da organização.Quando dirigia o departamento de manutenção da paz, a ONU viveu dois de seus períodos mais sombrios: o genocídio ruandês e a guerra na Bósnia.Os Capacetes Azuis se retiraram em 1994 de Ruanda em pleno caos e violência étnica. E, um ano mais tarde, a ONU não conseguiu impedir que as forças sérvias matassem milhares de muçulmanos em Srebrenica, na Bósnia.Estes fracassos, escreveria Kofi Annan em sua autobiografia, "me confrontaram com o que ilria se converter em meu mais importante desafio como secretário-geral: fazer compreender a legitimidade e a necessidade de intervir em caso flagrante dos direitos humanos".- 'Missão impossível' -Uma vez nomeado secretário-geral da ONU, Annan se adaptou rapidamente a seu novo papel, multiplicando as aparições na televisão ou frequentando jantares em Nova York, até converter-se no que alguns classificaram de "estrela do rock da diplomacia".Kofi Annan, nascido em abril de 1938 em Kumasi (Gana), deveu sua nomeação aos Estados Unidos, que impôs seu veto a um segunda mandato de seu predecessor, o egípcio Butros Butros-Ghali.Isso não o impediu de demonstrar independência ante as grandes potências. Dessa forma, irritou Washington ao classificar de ilegal a invasão do Iraque em 2003 porque esta operação não fora aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU.Após concluir sua missão nas Nações Unidas, em fevereiro de 2012, foi escolhido pela ONU e pela Liga Árabe para realizar uma mediação na guerra da Síria, mas jogou a toalha cinco meses depois.Acusou então as grandes potências de manter divergências que tornaram sua mediação uma "missão impossível".Annan criou uma fundação dedicada ao desenvolvimento e à paz, e fez parte do grupo dos Elders (termo inglês que significa "os mais velhos" ou "sábios"), criado por Nélson Mandela para promover a paz e os direitos humanos.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaEx-secretário-geral da ONU Kofi Annan morre aos 80 anosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-ex-secretario-geral-da-onu-kofi-annan-morre-aos-80-anos-10540707Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-coreia-do-norte-pede-que-trump-seja-corajoso-ante-seus-opositores-10540699Coreia do Norte pede que Trump seja 'corajoso' ante seus opositores2018-08-18T09:00:32-03:002018-08-18T09:00:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs meios de comunicação estatais da Coreia do Norte culparam neste sábado os opositores políticos de Donald Trump pelo fato de a discussão sobre desnuclearização se encontrar em ponto morto, e pediram que o presidente amreicano aja com coragem para avançar nesta questão.Trump e o líder do Norte, Kim Jong Un, realizaram em junho uma histórica cúpula em Singapura.Na reunião, os dois alcançaram um vago acordo para desnuclerizar a península da Coreia, mas desde então houve muito poucos avanços.A Coreia do Norte criticou Washington por suas exigências "unilaterais e "ao estilo gângster" para o desmantelamento completo, verificável e irreversível do arsenal atômico de Pyongyang.Neste sábado, Rodong Sinmun, o jornal mais importante do país, elogiou Trump por buscar melhorar as relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte e tentar obter a paz mundial que, segundo disse, seria a "façanha do século"."No entanto, ele enfrenta muitos oponentes", afirma ainda o texto.Segundo o jornal, os democratas e, inclusive, alguns republicanos estão dificultando os esforços de Trump por seus própios interesses partidários.A Coreia do Norte pede que os Estados Unidos concordem em declarar o fim da Guerra da Coreia de 1950-53, e acusa o país de não corresponder a uma série de suas "medidas de boa vontade".Estas incluiriam o final de seus testes nucleares e de mísseis, a destruição de uma instalação de testes nucleares e a entrega dos restos de soldados americanos mortos na Guerra da Coreia.* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaCoreia do Norte pede que Trump seja 'corajoso' ante seus opositoresA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-coreia-do-norte-pede-que-trump-seja-corajoso-ante-seus-opositores-10540699Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-departamento-de-habitacao-dos-eua-acusa-facebook-de-discriminacao-10540680Departamento de Habitação dos EUA acusa Facebook de discriminação2018-08-18T01:55:32-03:002018-08-18T01:55:32-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO departamento de Habitação dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira que iniciou uma ação contra o Facebook por permitir práticas discriminatórias em sua plataforma."O Facebook permite aos anunciantes dirigir os anúncios imobiliários que os usuários recebem em função de sua raça, cor, religião, sexualidade, estado civil, nacionalidade de origem e incapacidade...", denunciou o órgão estatal.Segundo o departamento, o Facebook oferece ferramentas aos anunciantes para atingir possíveis inquilinos ou compradores de imóveis em função de sua cor e origem social."Não há lugar para discriminação no Facebook. Isto é proibido em nossos regulamentos internos", respondeu o grupo à AFP."No último ano fortalecemos nossos sistemas para protegê-los do mau uso", acrescentou a rede social, destacando que cooperará "diretamente" com o departamento de Habitação para esclarecer estas preocupações.Alguns anúncios imobiliários são dirigidos apenas a certos usuários, enquanto outros são privados da informação em razão de sua incapacidade, religião ou outros elementos, acusou o departamento.Certos anúncios não chegam a usuários cujo perfil no Facebook indicam "interesse na América Latina, Canadá, sudeste asiático, China, Honduras ou Somália".* AFPPorto Alegre, RSA NotíciaDepartamento de Habitação dos EUA acusa Facebook de discriminaçãoA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-mundo-departamento-de-habitacao-dos-eua-acusa-facebook-de-discriminacao-10540680Change0Usable