Alemanha decide de maneira 'independente', diz Merkel - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Bruxelas11/07/2018 | 09h03

Alemanha decide de maneira 'independente', diz Merkel

AFP
AFP

A chefe do governo alemão, Angela Merkel, defendeu nesta quarta-feira (11) o direito de seu país de tomar suas próprias decisões, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a Alemanha pela compra de gás da Rússia, a principal ameaça da Otan.

"Eu mesma experimentei uma parte da Alemanha ocupada pela URSS. Estou muito satisfeita que hoje estejamos unidos em liberdade como República Federal da Alemanha e que, portanto, também possamos (...) tomar decisões independentes", disse ela ao chegar a uma cúpula da Otan em Bruxelas.

Horas antes, durante uma reunião com o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, Donald Trump havia criticado a primeira economia da zona euro, um "país rico" que, segundo ele, não gasta o suficiente em defesa e investe muito dinheiro no gás russo.

"Eles pagam milhões de dólares à Rússia [por seu gás], e nós temos que defendê-los contra a Rússia", reclamou o presidente americano, que chamou a Alemanha de "prisioneira da Rússia porque recebe muita de sua energia".

O presidente dos Estados Unidos, cujo orçamento em defesa é de 3,5% do PIB e representa dois terços do total dos 29 países aliados, vinculou, assim, ao terreno da segurança sua prioridade de vender gás natural para os europeus.

Angela Merkel, cujo país destina 1,24% de seu PIB ao gasto militar, expressou seu compromisso de cumprir a meta acordada na cúpula de Gales em 2014 de "avançar na direção de 2% do gasto de defesa" para 2024, como exige Trump.

O presidente americano havia criticado previamente seus aliados, especialmente a Alemanha, por não cumprir essa meta.

"Os Estados Unidos estão pagando muito", "não é justo para os contribuintes", acrescentou.

Além do orçamento nacional, a chanceler alemã defendeu o papel de seu país na Otan, "o segundo maior fornecedor de tropas" e "muito comprometido no Afeganistão".

"Portanto, também defendemos os interesses dos Estados Unidos", acrescentou.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSuspeito de matar mulher a facadas deve ser indiciado por feminicídio em Joinville https://t.co/t1SfwUamwD #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSuspeito de matar mulher a facadas deve ser indiciado por feminicídio em Joinville https://t.co/bHMqfAeLfX #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca