Os apertos de mãos que fizeram história - Mundo - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Paris12/06/2018 | 01h01

Os apertos de mãos que fizeram história

AFP
AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, apertaram as mãos nesta terça-feira, no início de um encontro histórico que era inimaginável há alguns meses.

Apertos de mão que fizeram história.

- Kim Jong Un e Moon Jae-in -

Em 27 de abril de 2018, poucas semanas antes da cúpula entre Kim-Trump em Singapura, o líder norte-coreano apertou as mãos do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, na linha de demarcação que divide a península da Coreia.

Kim se tornou assim o primeiro líder norte-coreano a pisar no território sul-coreano desde a guerra da Coreia (1950-1953). Moon também cruzou a fronteira com o norte.

O encontro foi resultado de uma distensão na península coreana iniciada em fevereiro, após a participação do Norte nos Jogos Olímpicos de Inverno disputados no Sul.

- Obama e Raul Castro-

Em 10 de dezembro de 2013, na África do Sul, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, surpreendeu o mundo ao apertar as mãos do líder cubano, Raul Castro, durante o funeral de Nelson Mandela.

No estádio de Soweto, Obama, que se dirigia à tribuna para pronunciar um discurso, apertou as mãos de vários líderes mundiais, incluindo Raul Castro. A TV local mostrou que os dois homens trocaram algumas palavras.

Entre dois países que não mantinham relações diplomáticas oficiais desde 1961 e uma longa história de hostilidade, o gesto foi o ponto de partida para a aproximação, que em um ano levou à retomada das relações diplomáticas.

- Elizabeth II e McGuinness -

Uma das imagens mais emblemáticas do processo de paz na Irlanda do Norte foi o aperto de mãos de 27 de junho de 2012, em um teatro de Belfast, entre a rainha Elizabeth II e o ex-comandante do Exército Republicano Irlandês (IRA) Martin McGuinness.

Após ter combatido a dominação britânica durante 30 anos na Irlanda do Norte, McGuinness se tornou um dos negociadores-chave dos acordos da Sexta-Feira de 1998 e um dos artífices do desarmamento do movimento em 2005.

- Arafat e Rabin -

Em 13 de setembro de 1993, em Washington, o primeiro-ministro israelense, Isaac Rabin, e o líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat, se reúnem sob o olhar do presidente americano Bill Clinton.

Nos jardins da Casa Branca, após firmarem uma declaração de princípios sobre uma autonomia palestina transitória de cinco anos, negociada secretamente em Oslo, Clinton se volta para Rabin e lhe dá a mão, fazendo o mesmo com Arafat, do outro lado, e após um momento de hesitação os dois se cumprimentam, sob os aplausos do público.

- Sadat e Begin -

Em 19 de novembro de 1977, o presidente egípcio, Anuar Sadat, foi o primeiro chefe de Estado árabe a viajar a Israel desde sua fundação, em 1948, e após quatro guerras árabes-israelenses.

Sadat chegou ao Aeroporto de Lod, na região de Tel-Aviv, para uma visita de 43 horas. Ao pé do avião foi recebido por seu homólogo Efraim Katzir e pelo primeiro-ministro Menahem Begin. Os três apertaram as mãos sob uma núvem de fotógrafos.

Esta histórica viagem a Jerusalém abriu caminho para os acordos de Camp David, que em 1979 permitiram firmar o tratado de paz entre Israel e Egito, o primeiro entre Israel e um de seus vizinhos.

Anuar Sadat, muito criticado em seu próprio país, morreu assassinado em 1981 por extremistas islâmicos.

* AFP

 
A Notícia
Busca