Arábia Saudita, Kuwait e EAU anunciam ajuda financeira a Jordânia - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Riad11/06/2018 | 06h46

Arábia Saudita, Kuwait e EAU anunciam ajuda financeira a Jordânia

AFP
AFP

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Kuwait ofereceram um plano de ajuda de 2,5 bilhões de dólares para aliviar a crise econômica na Jordânia, que atravessa uma grave crise econômica e social, anunciou a imprensa estatal saudita.

"Em honra aos fortes laços de irmandade (...) chegamos ao acordo de que os três países vão conceder um plano de ajuda para a Jordânia no total de 2,5 bilhões de dólares", afirmou a agência SPA.

O pacote de ajuda, que foi anunciado em uma reunião entre os quatro países na cidade sagrada de Meca, inclui um depósito no Banco Central da Jordânia, garantias do Banco Mundial, assistência orçamentária durante cinco anos e financiamento para projetos de desenvolvimento, segundo a SPA.

A reunião, que foi convocada pelo rei saudita Salman, contou com a presença do monarca jordaniano Abdullah II e dos líderes dos Emirados Árabes Unidos e do Kuwait.

Abdullah II agradeceu ao rei Salman por ter organizado o encontro e aos três países "pelo conjunto da ajuda para resolver a crise".

Lori Boghardt, do Washington Institute, destacou que "a rapidez e a força com qual responderam os Estados do Golfo é uma mostra muito clara de sua inquietação e sua determinação para sufocar no início a agitação na Jordânia".

"Fazem tudo o que podem para impedir uma nova primavera árabe em suas portas", completou.

A Jordânia, que não tem recursos naturais e depende fortemente de ajudas estrangeiras, se comprometeu com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a reduzir sua dívida pública em troca de um empréstimo de centenas de milhões de dólares.

O governo anunciou um polêmico projeto de lei sobre o imposto de renda, o que provocou uma onda de protestos e terminou com a renúncia do primeiro-ministro Hani Mulqi na semana passada.

A lei previa um aumento de entre 5% e 25% dos impostos para as pessoas físicas e cobraria taxas das pessoas a partir de um salário anual superior a 8.000 dinares (11.500 dólares).

O novo governo retirou o projeto de lei, mas enfrenta um difícil equilíbrio entre a necessidade de reduzir a dívida pública sem ignorar as demandas populares.

De acordo com as estatísticas, o índice de desemprego chega a 18,5% e 20% da população vive abaixo da linha da pobreza.

O fluxo de centenas de milhares de sírios em fuga da guerra em seu país também afetou as finanças públicas. Amã fez vários apelos à comunidade internacional para receber uma ajuda mais contundente.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConfira áudio com as propostas dos candidatos ao governo de SC para Joinville e região https://t.co/dKdUy7lj8v #LeianoANhá 12 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaComerciantes aprovam retirada dos tapumes na praça Dario Salles, em Joinville https://t.co/h7XTojF4R2 #LeianoANhá 13 horas Retweet
A Notícia
Busca