França congela bens de empresas com supostos vínculos com armas químicas na Síria - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

 

Paris18/05/2018 | 06h25

França congela bens de empresas com supostos vínculos com armas químicas na Síria

AFP
AFP

A França congelou nesta sexta-feira os bens de sete empresas com sede na Síria, Líbano e China por suposto envolvimento com o programa de armas químicos da Síria, de acordo com decisões publicadas no Diário Oficial.

Entre as empresas estão Al Mahrous Group (Damasco) - com duas filiais em Dubai e Egito -, Sigmatec (Damasco), Technolab (Líbano) e um grupo de comércio com sede em Guangzhou (China).

A medida também afeta dois cidadãos sírios e uma pessoa nascida em 1977 no Líbano que não teve a nacionalidade divulgada.

Os bens das empresas e pessoas citadas permanecerão congelados por seis meses a partir de 18 de maio.

A França já havia tomado uma decisão similar em janeiro a respeito de 25 empresas e diretores de empresas sírias, francesas, libanesas e chinesas, suspeitos de alimentar o programa sírio de armas químicas.

O suposto ataque químico em Duma, perto de Damasco, de 7 de abril deixou pelo menos 40 mortos, de acordo com o serviço de emergência, e provocou bombardeios aéreos dos Estados Unidos, França e Grã-Bretanha contra instalações do regime sírio, que nega qualquer envolvimento.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMárcio Fernandes indica mudanças na defesa do JEC https://t.co/iwBetE5275 #LeianoANhá 4 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPM libera Arena Joinville, mas mantém restrições https://t.co/rDdbZS4DNs #LeianoANhá 5 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca