Astrônomos se aproximam das primeiras estrelas - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

 

Paris16/05/2018 | 23h31

Astrônomos se aproximam das primeiras estrelas

AFP
AFP

Ao descobrir provas da formação de estrelas que se aglutinaram apenas 250 milhões de anos depois do Big Bang, os astrônomos se aproximam um pouco mais dos astros mais procurados do Universo: as primeiras estrelas que iluminaram o espaço.

"Conseguimos observar a galáxia mais distante conhecida até o momento, e ao analisar a luz de suas estrelas mais antigas, conseguimos demonstrar que se formaram 250 milhões de anos após o Big Bang", explicou à AFP Nicolas Laporte, cientista do University College de Londres.

Tudo começou quando uma equipe internacional de astrônomos detectou um brilho muito tênue proveniente do oxigênio de uma galáxia muito distante batizada de MACS1149-JD1, graças ao potente radiotelescópio ALMA e aos quatro enormes telescópios VLT do Observatório Europeu Austral (ESO).

Os astrônomos calcularam então que o sinal foi emitido há cerca de 13,280 bilhões de anos, ou 500 milhões de anos após o Big Bang.

Este brilho, que por si só constitui um recorde de rastro de oxigênio mais distante já detectado por um telescópio, permitiu inferir que havia estrelas formadas neste ponto 250 milhões de anos antes da emissão do sinal.

Segundo a teoria mais aceita, após o Big Bang - há 14 bilhões de anos - o universo estava composto por um gás uniforme que mesclava elementos leves como hidrogênio e hélio criados pela gigantesca explosão.

Mas os elementos mais pesados, como ferro, carbono e oxigênio foram fabricados nos núcleos das estrelas.

Então, se os astrônomos puderam detectar oxigênio, isto significa que "esta galáxia abrigava uma população de estrelas em idade avançada", explicou Nicolas Laporte, acrescentando que sua formação poderia remontar a 250 milhões de anos após o Big Bang.

Segundo o estudo publicado nesta quarta-feira na revista Nature, a descoberta prova que "as galáxias já existiam antes das que detectamos atualmente pelo método direto".

Os cientistas seguem buscando datar "o amanhecer cósmico", o momento em que nasceu a primeira galáxia ou o momento no qual o gás primordial se transformou em um ambiente propício para a vida.

"A datação do amanhecer cósmico constitui o Graal da cosmologia. Graças a estas novas observações da MACS1149-JD1, nos aproximamos da época a que se remonta toda esta primeira luz estelar", declarou Richard Ellis, acadêmico do University College de Londres e coautor do estudo.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMárcio Fernandes indica mudanças na defesa do JEC https://t.co/iwBetE5275 #LeianoANhá 4 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPM libera Arena Joinville, mas mantém restrições https://t.co/rDdbZS4DNs #LeianoANhá 5 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca