Presidente da Nicarágua abre diálogo para conter violenta onda de protestos - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Managua21/04/2018 | 20h56

Presidente da Nicarágua abre diálogo para conter violenta onda de protestos

AFP
AFP

Mortos, feridos, destruição, barricadas e saques foram as marcas deixadas neste sábado (21) pelos violentos protestos desatados na Nicarágua contra uma reforma previdenciária, que levaram o governo do presidente Daniel Ortega a aceitar a abertura de um diálogo.

O governo está "totalmente de acordo em retomar o diálogo para a paz, para a estabilidade para o trabalho, para que nosso país não fique em meio ao terror que está vivendo neste momento", afirmou Ortega em pronunciamento em rede nacional de televisão.

O presidente nicaraguense não deu uma data para o início do diálogo, proposto na sexta-feira pelo sindicato patronal, mas disse que seus representantes estão prontos para "discutir este decreto", que entrou em vigor na quarta-feira e fazer ajustes ou redigir um novo, se necessário.

Nesse mesmo dia tiveram início os mais violentos protestos no país em 11 anos de governo Ortega, que deixaram pelo menos dez mortos e mais de 80 feridos produto de enfrentamentos com armas brancas, de fogo e pedras entre manifestantes, policiais e grupos oficialistas.

O "que está acontecendo no nosso país não tem nome", disse o presidente, acompanhado da esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, e o alto comando militar e policial.

Sem citar nomes, Ortega disse que os protestos são incentivados por grupos políticos contrários ao seu governo e financiados por setores extremistas dos Estados Unidos.

"Têm todo o direito de criticar (...) mas não têm o direito de conspirar para destruir e, pior ainda, procurar lá nos Estados Unidos os grupos políticos mais extremistas do império que, em primeiro lugar, são racistas", afirmou no discurso à Nação.

"Desgraçadamente, está aí a contaminação do aproveitamento político", mas "que vão conspirar para promover a violência no nosso país, isso não tem perdão de deus, é terrível", condenou o presidente, acusando os organizadores dos protestos de incorporar nas manifestações "jovens que caíram na delinquência".

"Estão criminalizando os protestos e estão pondo em risco jovens que foram aos protestos com boas intenções", e que "vão respondendo a uma direção política que os usa para que anevido à redução da cooperação venezuelana.

"A reivindicação principal das pessoas é que não querem mais este governo, há uma rejeição total deste governo", concordou o sociólogo e acadêmico Cirilo Otero em declarações à AFP.

"Os protestos foram encabeçados por jovens que absorveram esse mal-estar que as pessoas sentem pela crise econômica, a repressão ao direito de manifestação e os mortos que as manifestações deixaram", acrescentou.

As reformas visam a saldar um déficit de mais de 76 milhões de dólares no Instituto Nicaraguense de Seguridade Social (INSS), depois que o Fundo Monetário Internacional (FMI) recomendou ao governo tomar medidas para evitar sua falência em 2019.

Ortega governou pela primeira vez durante a revolução que a Frente Sandinista (FSLN, esquerda) dirigiu na década de 1980, retornou ao poder em 2007 e foi reeleito em 2011 e em 2016, em meio a denúncias de processos eleitorais fraudados, segundo a oposição.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDivisão de Furtos e Roubos de Cargas cumpre apreensões em empresas do Norte de SC https://t.co/ePPT9Dm1LK #LeianoANhá 5 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaÔnibus apreendido pela Polícia Federal é doado para ações de turismo e cultura de Joinville https://t.co/0pJRA6hi21 #LeianoANhá 7 horas Retweet
A Notícia
Busca