FMI aposta em China e Índia como motores do crescimento econômico da Ásia - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Pequim17/04/2018 | 14h31

FMI aposta em China e Índia como motores do crescimento econômico da Ásia

AFP
AFP

O Fundo Monetário Internacional (FMI) confirmou nesta terça-feira (17) sua confiança nas economias emergentes da Ásia, principalmente Índia e China, mas alertou que a enorme dívida chinesa é um risco.

Para todas as economias emergentes e em desenvolvimento da Ásia, o FMI prevê um crescimento de 6,5% em 2018, muito superior aos 3,9% de suas previsões mundiais divulgadas nesta terça.

"A Ásia emergente ainda é o motor mais importante do crescimento global", disse a instituição em seu relatório.

No caso da China, se no curto prazo houver uma "melhora na demanda externa" que contribua para o fortalecimento de suas exportações, o FMI alerta que a virada de seu modelo econômico deve afetar o crescimento para baixo.

A China crescerá 6,6% em 2018 e 6,4% em 2019, de acordo com as previsões do FMI, que mantêm os mesmos dados de janeiro.

No entanto, eles são menores do que o crescimento de 6,9% do gigante asiático em 2017.

"No médio prazo, o crescimento deve desacelerar gradualmente para 5,5%", conforme a China continua sua mudança para uma economia baseada no consumo doméstico, e não no investimento, explica o FMI.

No entanto, o organismo alerta novamente a China sobre o "aumento da dívida fora do setor financeiro e o aumento da vulnerabilidade".

O governo chinês está lutando contra o colossal endividamento de sua economia (mais de 250% do Produto Interno Bruto), em particular contra empréstimos não regulamentados e um melhor controle do seu setor bancário.

Contudo, apesar desses esforços, "o crescimento do volume total de crédito na China continua elevado", aponta o FMI, que no ano passado já denunciou a "trajetória perigosa" da dívida do país.

A segunda maior economia do mundo poderia se ver afetada pelas tensões comerciais com os Estados Unidos, onde o presidente Donald Trump ameaça impor tarifas sobre produtos chineses por até 150 bilhões de dólares.

"Um aumento das tarifas aduaneiras e das barreiras não tarifárias poderia nublar os mercados, perturbar as cadeias de produção (...), reduzir a produtividade mundial e o investimento", afirma o Fundo.

- Índia se acelera -

Diferentemente da China, cuja economia perde força, a Índia é o novo motor da região, segundo o FMI, que prevê um crescimento do PIB de 7,4% em 2018 e 7,8% em 2019 (as mesmas cifras da previsão anterior).

A curto prazo, o crescimento da Índia, como o da China, se apoiará em um forte consumo interno, no bom momento do comércio internacional e na reforma fiscal, aponta o relatório.

"A médio prazo, o crescimento (na Índia) deveria se acelerar progressivamente, com a continuação da aplicação das reformas estruturais", em particular as fiscais, "que consolidarão a produtividade e estimularão o investimento privado", indica.

Contudo, o FMI alerta para o risco de uma espiral do endividamento, que já obrigou o governo indiano a recapitalizar seus bancos que têm grande quantidade de créditos suspeitos.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia3ª Festa das Cores ocorre neste sábado em Joinville https://t.co/uUHwnhujqJ #LeianoANhá 5 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSuspeito de aplicar golpes em mulheres que conhecia pela internet é preso em São José https://t.co/aRkY6SaNxb #LeianoANhá 5 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca