Para ONU, campanha contra rohingyas tem marca de genocídio - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

 

Genebra12/03/2018 | 14h39

Para ONU, campanha contra rohingyas tem marca de genocídio

AFP
AFP

Uma especialista da ONU em direitos humanos afirmou nesta segunda-feira que a campanha de repressão contra os muçulmanos rohingyas em Mianmar tem "a marca de um genocídio" e que o governo deveria ser responsabilizado por isso.

Cerca de 700.000 rohingyas fugiram do estado de Rakain, no oeste de Mianmar, para se refugiar no vizinho Bangladesh, desde que o exército birmanês lançou uma ofensiva contra rebeldes muçulmanos em agosto de 2017.

Soldados e membros de milícias budistas foram acusados de saques, assassinatos e estupros.

O governo birmanês negou as acusações de limpeza étnica feitas pela ONU e os Estaos Unidos, alegando que só tinha se defendido dos ataques do Exército de Salvação de Arakan - outro nome de Rakain- (ARSA), um grupo rebelde armado.

Mas nesta segunda-feira, a relator especial da ONU sobre Mianmar, Yanghee Lee, declarou: "Estou cada vez mais convencida de que os crimes cometidos (...) têm a marca de um genocídio e exigem um estudo de responsabilidades", afirmou ao Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

Lee, que foi proibida de entrar em Mianmar, cobrou a abertura de uma investigação sobre esses eventos com o apoio da ONU em Bangladesh.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPrograma de educação financeira é ampliado para todas as escolas de Joinville https://t.co/LH42GQzn77 #LeianoANhá 49 segundosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHomem sofre tentativa de assassinato após briga em Guaramirim https://t.co/A3GL7eKTh2 #LeianoANhá 2 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca