ONU pede fim de 'banho de sangue' em Ghuta Oriental - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

 

Douma12/03/2018 | 20h04

ONU pede fim de 'banho de sangue' em Ghuta Oriental

AFP
AFP

O regime sírio continuou lançando suas bombas nesta segunda-feira (12) nas localidades rebeldes de Ghuta Oriental, no 23º dia de uma ofensiva devastadora que levou os diplomatas da ONU a exigir o fim do "banho de sangue".

Embora a intensidade dos bombardeios aéreos e disparos de artilharia tenha diminuído, várias localidades no enclave sitiado continuam a ser bombardeadas diariamente há mais de três semanas pelas forças do presidente Bashar al-Assad, apoiadas por seu aliado russo.

Em outra frente da complexa guerra na Síria, centenas de civis fugiram do reduto curdo de Afrin, no noroeste da Síria, diante do avanço do exército turco.

Em Ghuta, 1.170 civis morreram, incluindo 241 crianças, e mais de 4.400 foram feridos desde o lançamento, em 18 de fevereiro, de uma campanha aérea de rara intensidade seguida de uma ofensiva terrestre para recuperar a última fortaleza rebelde próxima a Damasco, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Essas vítimas se somam às mais de 350 mil, incluindo 20 mil crianças, mortas desde o início da guerra no país, em 15 de março de 2011.

O regime conseguiu, graças a suas operações militares devastadoras, recuperar 60% do enclave e isolar as principais localidades, com o objetivo de enfraquecer os rebeldes e impedir a chegada de reforços.

- 'Hora de agir' -

Nesta segunda-feira, os bombardeios se concentravam nas áreas de Harasta e Arbin, de acordo com o OSDH.

Os rebeldes responderam com disparos contra a capital Damasco, onde duas pessoas morreram, segundo a imprensa estatal síria.

Em Duma, a maior cidade da região, a situação era relativamente calma com tiros esporádicos, em comparação com as últimas semanas, revelou um correspondente da AFP no local.

Aproveitando esse momento de calma, os habitantes saíram dos abrigos para inspecionar suas casas e abastecerem-se. Alguns percorriam as ruas devastadas, outros se reuniam em frente a uma açougue, sendo a carne bastante abundante no mercado graças aos agricultores que fugiram das áreas rurais tomadas pelas forças pró-regime.

Cerca de 400 mil habitantes do enclave rebelde sofrem desde 2013 com o cerco das forças pró-Assad e a nova ofensiva deteriorou ainda mais as condições de vida: escassez de comida, remédios e nenhum lugar para fugir.

Diante dessa situação considerada catastrófica pelas ONGs, os Estados Unidos apresentaram à ONU uma nova resolução para um cessar-fogo imediato, denunciando a atitude de Moscou e Damasco que "nunca tiveram a intenção de aplicar uma trégua". "Chegou o momento de agir", disse a embaixadora Nikki Haley.

A reunião na ONU sobre a Síria se transformou em um processo contra a Rússia, acusada por Estados Unidos, França e Grã-Bretanha de ser responsável pelo fracasso do cessar-fogo em Ghuta Oriental.

Foram "censuras sem fim contra a Rússia", reagiu o embaixador de Moscou na ONU, Vassily Nebenzia. Em seus discursos, Estados Unidos citaram a Rússia 22 vezes, França, 16, e Reino Unido, 12, ironizou.

A França pediu a Moscou para "parar o banho de sangue", através de seu embaixador na ONU, Francois Delattre.

"Sabemos que a Rússia, levando em conta sua influência sobre o regime (de Damasco), sabendo de sua participação nas operações, tem a capacidade de convencer o regime - aplicando todas as pressões necessárias - a deter esta ofensiva terrestre e aérea" contra Ghuta, afirmou o francês.

Sem citar a Rússia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, chamou "todos os Estados" para garantir que a trégua seja aplicada.

- Civis fogem de Afrin -

Guterres ainda afirmou que os ataques se intensificaram desde a adoção da resolução de cessar-fogo da ONU, adotada há duas semanas.

A França exige "medidas concretas", já que "a ofensiva (...) do regime continua com um dilúvio de fogo. Os civis não são vítimas colaterais, mas o próprio objetivo desta ofensiva", lamentou Delattre.

Nebenzia garantiu que Moscou faz "esforços concretos" para levar ajuda humanitária - uma informação confirmada por fontes diplomáticas ocidentais.

O regime de Assad, com o apoio vital da Rússia, conseguiu uma série de vitórias sobre os rebeldes e jihadistas e recuperar o controle de metade do território.

Em outra frente da guerra, a vizinha Turquia continua sua ofensiva lançada no dia 20 de janeiro na região de Afrin para expulsar as forças das Unidades de Proteção do Povo (YPG), uma milícia curda. As forças de Ancara agora controlam quase 60% deste enclave curdo e agora estão avançando de todos os lados para a cidade do mesmo nome, levando centenas de civis a fugir, de acordo com o OSDH.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSemáforo em cruzamento do bairro Vila Nova começa a operar em Joinville https://t.co/P381U0JK7v #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConsumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em Joinville https://t.co/yV46OZJOWt #LeianoANhá 4 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca