Forças turcas cercam a cidade síria de Afrin - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

 

Istambul13/03/2018 | 06h24

Forças turcas cercam a cidade síria de Afrin

AFP
AFP

As forças turcas cercam desde segunda-feira a cidade de Afrin, uma área do noroeste da Síria controlada por uma milícia curda que tem o apoio dos Estados Unidos mas que Ancara considera "terrorista", anunciou o exército da Turquia.

"A cidade de Afrin está cercada desde 12 de março", afirma o exército em um comunicado citado pela agência pública Anadolu.

A cidade de Afrin é o principal alvo da ofensiva iniciada em 20 de janeiro pela Turquia contra a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG).

Após várias semanas de avanço gradativo, as tropas turcas e seus auxiliares sírios assumiram o controle de várias localidades nas proximidades de Afrin.

Na sexta-feira, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, afirmou que as forças do país poderiam entrar em Afrin "a qualquer momento".

Um ataque frontal a Afrin é muito arriscado pela presença de milhares de civis, afirmam analistas.

Centenas de civis fugiram da cidade na segunda-feira, de acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Mais de 200 civis morreram desde o início da operação turca no norte da Síria, segundo o OSDH. O governo de Ancara nega bombardear a população civil.

Na semana passada, as YPG anunciaram o envio a Afrin de 1.700 combatentes que lutavam contra o grupo Estado Islâmico (EI) na região leste da Síria.

O regime sírio enviou forças paramilitares para apoiar as YPG, que solicitaram ajuda ao poder central.

O governo dos Estados Unidos apoia as YPG na luta contra o Estado Islâmico na Síria, nas regiões ao leste do rio Eufrates.

A Turquia acusa as YPG de vínculos com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a organização armada dos curdos turcos que realiza uma guerra de guerrilha no sudeste do território turco, perto da fronteira com a Síria.

O PKK é considerado um grupo "terrorista" pela Turquia e seus aliados ocidentais.

A guerra na Síria que completa sete anos em 15 de março, provocou mais de 350.000 mortos, segundo o OSDH.

gkg/ezz/phv/erl.zm/pc/fp

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSemáforo em cruzamento do bairro Vila Nova começa a operar em Joinville https://t.co/P381U0JK7v #LeianoANhá 11 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConsumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em Joinville https://t.co/yV46OZJOWt #LeianoANhá 11 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca