Presidente sul-coreano quer realizar cúpula com a Coreia do Norte - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Seul10/01/2018 | 15h20

Presidente sul-coreano quer realizar cúpula com a Coreia do Norte

AFP
AFP

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, mostrou-se disposto nesta quarta-feira (10) a realizar uma cúpula com a Coreia do Norte, um dia depois de um encontro excepcional entre representantes dos dois países.

Depois de dois anos de crescentes tensões na península coreana devido à intensificação dos programas nuclear e balístico de Pyongyang, a situação se apaziguou repentinamente no início de 2018.

O presidente sul-coreano, que foi eleito em maio com uma mensagem em favor do diálogo com o Norte, voltou a defender a opção diplomática para resolver um dos assuntos mais delicados do mundo.

"Sob as condições apropriadas, posso celebrar uma cúpula a qualquer momento. Mas não podemos fazer uma reunião por fazer uma reunião. Para celebrar uma reunião devem ser criadas as condições adequadas e devem ser garantidos alguns resultados", acrescentou.

O presidente sul-coreano também voltou a defender a desnuclearização da península como caminho para a paz e seu principal objetivo.

"Temos que prosseguir com os esforços para celebrar Jogos Olímpicos pacíficos. Temos que resolver pacificamente a questão nuclear norte-coreana", declarou Moon.

Ainda nesta quarta, o presidente Donald Trump conversou com seu colega sul-corano por telefone e disse estar aberto à realização de conversações diretas entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Durante a ligação, Trump disse estar disposto a discutir com Pyongyang "no momento apropriado e sob circunstâncias apropriadas".

No entanto, os dois líderes destacaram a importância de continuar aplicando a máxima pressão à Coreia do Norte por causa de seu programa nuclear, segundo um comunicado da Casa Branca.

- Jogos da paz -

Na terça, ficou acertado que a Coreia do Norte vai enviar atletas e uma delegação de alto escalão aos Jogos de Inverno na Coreia do Sul.

"A parte norte-coreana vai enviar uma delegação do Comitê Olímpico Nacional, atletas, torcedores, um grupo de artistas, uma equipe de demonstração de Taekwondo e um serviço de imprensa", anunciaram os dois países em um comunicado conjunto após o encontro bilateral.

Os Estados Unidos parabenizaram o diálogo entre as duas Coreias, apesar de precisarem que estariam atentos sobre as sanções "impostas pelo Conselho de Segurança da ONU".

Seul e Pyongyang também concordaram em "diminuir a tensão militar atual e manter discussões militares sobre a questão".

O Sul também aproveitou este primeiro encontro em mais de dois anos para solicitar um encontro das famílias separadas pela guerra (1950-53), um dos legados mais dolorosos do conflito.

Os dois lados também decidiram restabelecer a linha telefônica militar que foi cortada em fevereiro de 2016, a fim de melhorar a comunicação entre os Exércitos desses dois países ainda tecnicamente em guerra.

As discussões foram realizadas em Panmunjom, vilarejo onde o cessar-fogo da Guerra da Coreia foi assinado, na Zona Desmilitarizada (DMZ) que divide a península.

A delegação norte-coreana cruzou a pé linha de demarcação militar para ir à Casa da Paz, o lugar de encontro do lado sul-coreano, a poucos metros de onde um soldado desertou há dois meses, sob uma chuva de balas.

O ministro sul-coreano da Unificação, Cho Myoung-Gyon, e o chefe da delegação norte-coreana Ri Son-Gwon apertaram as mãos antes de entrar no edifício.

Junto com seus atletas, o Norte propôs enviar aos Jogos de Pyeongchang (9 a 25 de fevereiro) uma delegação de alto nível, torcedores, artistas e uma equipe de demonstração de taekwondo, segundo explicou à imprensa o vice-ministro sul-coreano da Unificação, Chun Hae-Sung.

Seul também apelou para a retomada das reuniões familiares, bem como para conversas entre a Cruz Vermelha dos dois países e discussões militares para evitar confrontos acidentais.

Nos últimos dois anos, a situação na península se deteriorou, o Norte conduziu três novos testes nucleares e multiplicou seus disparos de mísseis.

Seul se esforça para apresentar os Jogos Olímpicos, que vão acontecer a apenas 80 km da DMZ, como as "Olimpíadas da Paz", mas para que a frase faça sentido, a participação do Norte é essencial.

Resta saber se os representantes de ambos os países farão uma entrada conjunta nas cerimônias de abertura e encerramento, como em Sydney em 2000, Atenas em 2004 e Turim em 2006.

Apenas dois atletas norte-coreanos se qualificaram para os Jogos, mas o Norte deve enviar ao Sul um grande contingente de torcedores, de acordo com especialistas.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConfira o obituário de 1, 2 e 3 de dezembro de 2018 https://t.co/PV6Lzm289T #LeianoANhá 9 diasRetweet
A Notícia
Busca