Noite de protestos termina em mais de 200 detidos na Tunísia - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Tunes10/01/2018 | 14h15

Noite de protestos termina em mais de 200 detidos na Tunísia

AFP
AFP

Mais de 200 pessoas foram detidas, e dezenas ficaram feridas em várias cidades da Tunísia - relatou o Ministério tunisiano do Interior nesta quarta-feira (10), após uma segunda noite de distúrbios causados por medidas de austeridade, sete anos depois da chamada "Primavera Árabe".

As manifestações pacíficas e esporádicas haviam começado na semana passada contra o aumento dos preços e medidas de austeridade em vigor desde o dia 1º e que incluem um aumento dos impostos.

Os protestos degeneraram em distúrbios na segunda-feira à noite, especialmente em Túnis e Teburba, a oeste da capital, onde um homem faleceu durante uma manifestação.

Um supermercado da rede Carrefour do sul da capital foi saqueado, informou o porta-voz do Ministério, Khlifa Chibani, acrescentando que 49 policiais haviam ficado feridos em confrontos em todo país.

Ainda segundo ele, 206 pessoas foram detidas.

"Há saques e roubos, mas também uma mensagem política de uma parte da população que não tem nada a perder e que se sente ignorada pelo governo", sete anos após a Primavera Árabe exigindo emprego e dignidade, aponta o cientista político Selim Jarrat.

Ele destaca que muitos edifícios públicos, símbolos do Estado, foram atacados, e que o governo "ainda não se posicionou com firmeza contra os manifestantes".

Na terça à tarde e à noite, a Polícia e o Exército foram mobilizados em várias cidades, entre elas Tebourba, 30 km ao oeste da capital. Nessa localidade, centenas de jovens tomaram as ruas após o enterro de um homem de 45 anos morto nos distúrbios da noite anterior.

Persiste a polêmica sobre as causas da morte desse homem que está sendo considerado um "mártir" pelos manifestantes. Os resultados da necropsia feita ontem não foram divulgados.

O Ministério do Interior negou que ele tenha morrido nas mãos da Polícia e destacou que ele não apresentava qualquer sinal de violência. O porta-voz Khlifa Chibani disse apenas que o indivíduo tinha "problemas respiratórios".

Também houve incidentes em Gafsa (sul), Kasserine (centro), ou Sidi Bouzid. Foi nesta última, em dezembro de 2010, que se deflagrou o protesto social que marcaria o início das "Primaveras Árabes".

Esses incidentes acontecem em um contexto de reivindicações sociais no país contra as medidas de austeridade previstas pelo governo.

Após vários anos de marasmo econômico e contratações em massa de funcionários, a Tunísia enfrenta dificuldades financeiras significativas.

A inflação ultrapassou 6% no final de 2017, enquanto a dívida pública e o déficit comercial atingiram níveis preocupantes.

Os ativistas da campanha "Fech Nestannew" ("O que estamos esperando"), lançada no início do ano contra o aumento dos preços, convocaram uma manifestação em massa na sexta-feira.

O mês de janeiro é tradicionalmente marcado por protestos na Tunísia desde a revolução de 2011. O contexto é especialmente tenso este ano, em vista da celebração em maio das primeiras eleições municipais desde a Primavera Árabe.

cnp/hj/me.zm/tt/mr

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPrimeira rodada do Catarinense 2018 repete placares de 2016 https://t.co/KZ9JabX4in #LeianoANhá 27 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC oficializa a contratação do zagueiro Bruno Aguiar https://t.co/JPAlBHsdIo #LeianoANhá 47 minutosRetweet
A Notícia
Busca