Exército israelense persegue autores de ataque que matou colono - Mundo - A Notícia

Versão mobile

 

Jerusalém10/01/2018 | 18h15

Exército israelense persegue autores de ataque que matou colono

AFP
AFP

O exército israelense mobilizou nesta quarta-feira (10) muitos agentes em torno de Nablus, na Cisjordânia ocupada, para encontrar os autores de um ataque em que matou um colono, enterrado nesta quarta-feira em meio a pedidos de vingança contra os palestinos.

Os militares instalaram postos para controlar as entradas e saídas de Nablus - grande cidade do norte da Cisjordânia, território ocupado por Israel há meio século - e verificaram meticulosamente a identidade em cada veículo, criando longas filas.

O exército também mobilizou reforços para participar nas buscas pelos responsáveis do ataque de terça-feira, embora nenhuma prisão tenha sido anunciada até agora.

O rabino Raziel Sheva, de 35 anos, foi morto a tiros na terça-feira quando dirigia seu carro perto do bairro de Havat Gilad, onde morava.

Um veículo interceptou o colono e seus ocupantes abriram fogo. As autoridades contaram 22 marcas de tiro.

As Brigadas Ezedin al-Qasam, o braço armado do Hamas, expressaram sua satisfação com o ataque. O Hamas, grande inimigo de Israel, controla a Faixa de Gaza.

Autoridades israelenses denunciam o ato cometido por palestinos num contexto de crescente tensão.

As Brigadas Ezzedin Al Qasam, braço armado do movimento palestino Hamas, comemoraram o ataque. O Hamas controla a Faixa de Gaza, separada da Cisjordânia pelo território israelense.

Conforme os desejos da família, centenas de pessoas enterraram, nesta quarta-feira, Raziel Shevah em Havat Gilad, uma colônia "selvagem", ou seja, ilegal para o direito internacional e também para o israelense.

"Vingança! Vingança!", urgiam no funeral muitos jovens, interrompendo o discurso do ministro de Educação, Naftali Bennett, grande defensor da colonização nos territórios palestinos ocupados.

"A melhor vingança é construir", disse Bennett, pedindo que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu legalize Havat Gilad.

Cerca de 400.000 colonos israelenses vivem na Cisjordânia e convivem em disputa com os 2,6 milhões de palestinos dali.

* AFP

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDo clássico ao rock, Pianíssimo de Joinville prova que piano é para todos os gostos e idades  https://t.co/CAz69AcaB7 #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia3ª Festa das Cores ocorre neste sábado em Joinville https://t.co/uUHwnhujqJ #LeianoANhá 15 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca