Investigam ruído detectado no Atlântico após último contato com submarino - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Buenos Aires22/11/2017 | 23h02

Investigam ruído detectado no Atlântico após último contato com submarino

AFP
AFP

A Marinha argentina informou nesta quarta-feira que investiga um ruído detectado no oceano Atlântico cerca de três horas após a última comunicação com o submarino desaparecido há sete dias.

"Foi informada como anomalia hidroacústica. Foi um ruído por volta das onze (12H00 Brasília) da manhã de quarta-feira (15 de novembro), quase três horas depois da última comunicação, 30 milhas ao norte de onde foi feito o contato e no caminho para Mar del Plata", revelou o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi.

Consultado sobre se o ruído poderia ser uma explosão, o porta-voz respondeu que "não faz conjecturas" e que é "preciso confirmar e investigar" o ruído.

"Não vamos deixar isto (ruído) passar". Por volta das 23H00 local (22H00 Brasília) desta quarta-feira três navios argentinos chegarão à zona indicada para uma busca.

"Não há rastros. Não há qualquer tipo de contato detectado. Estamos em uma situação crítica e isto se agrava com a passagem das horas", admitiu Balbi em declarações à imprensa.

Um ex-comandante de submarino que pediu para não ser identificado disse à AFP que "deve ter sido um ruído muito forte (...), talvez o de uma explosão".

A informação sobre o ruído foi comunicada nesta quarta-feira por especialistas dos Estados Unidos, após "uma análise exaustiva de informações recebidas de diferentes agências dedicadas a reportar eventos hidroacústicos", explicou Balbi.

A última comunicação do "ARA San Juan" ocorreu na quarta-feira passada, quando o submarino navegava pelo Golfo San Jorge, 450 km da costa argentina.

O comandante do submarino, capitão de fragata Pedro Martín Fernández, informou à base um problema nas baterias e comunicou que seguia para a base naval de Mar del Plata, onde deveria chegar no dia 19 ou 20.

O submarino havia zarpado no dia 11 de novembro de Ushuaia (3.200 km ao sul).

No total, 14 navios, 12 aviões e 4 mil homens participam das operações de busca, que incluem contingentes de Brasil, Alemanha, Canadá, Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Noruega, Peru, Grã-Bretanha e Uruguai.

Os navios e aviões realizam buscas em uma zona de 500.000 km2 para detectar o submarino, concebido para não ser detectado.

Nesta região, a profundidade das águas é de entre 200 e 350 metros, e há muitos barcos de pesca.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou nesta quarta-feira sua esperança de que Deus ajude os tripulantes do submarino e destacou que ordenou pessoalmente a ajuda nas buscas.

"Há 45 (sic, são 44) pessoas a bordo e não temos muito tempo mais. Que Deus esteja com eles e com os argentinos!" - tuitou Trump.

Fabricado na Alemanha em 1983, o submarino de 65 metros foi incorporado à frota argentina em 1985.

Em 2014 passou por manutenção nos estaleiros Tandanor de Buenos Aires e para a Marinha estava "totalmente operacional".

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPreços de produtos de Natal variam 185,38% em Joinville https://t.co/Vsrp6zoXLM #LeianoANhá 40 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Joinvilenses gastarão menos no Natal pelo segundo ano consecutivo https://t.co/KGt8V4KnO2 #LeianoANhá 5 horas Retweet
A Notícia
Busca