Washington envia mensagem de advertência a Pyongyang sobrevoando seu litoral - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Washington23/09/2017 | 18h15

Washington envia mensagem de advertência a Pyongyang sobrevoando seu litoral

AFP
AFP

Após a escalada verbal, a demostração de força. Bombardeiros americanos voaram neste sábado perto da costa leste da Coreia do Norte em uma demostração de força do poder militar dos Estados Unidos ao programa armamentista de Pyongjang, cujas provocaçoes e ambições nucleares desencadearam um novo aumento da tensão bilateral.

O vôo acontece depois de dias de retórica cada vez mais belicosa entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o regime do líder norte-coreano Kim Jong-Un.

"Esse foi o local mais ao norte da zona desmilitarizada ao qual um avião de combate americano ou um bombardeiro sobrevoou próximo ao litoral norte-coreano no século XXI", a porta-voz do Pentángono, Dana White.

A missão efetuada por um bombardeiro B-1B e um caça F-15 "é uma demostração da determinação americana e uma mensagem clara de que o presidente tem várias opções militares para enfrentar qualquer ameaça", afirmou White.

"Estamos prontos para usar todo o tipo de capacidade militar para defender a pátria dos EUA e nossos aliados", acrescentou.

Horas mais tarde, o chanceler norte-coreano Ri Yong Ho atacou duramente neste sábado na ONU o presidente Donald Trump, que chamou de "um trastornado mental que está repleto de megalomania".

As ameaças do presidente americano de "destruir totalmente" a Coreia do Norte fazem que "a visita de nossos foguetes seja inevitável", alertou em seu discurso na Assembleia Geral da ONU.

Ri argumentou que Trump, que pode "apertar o botão nuclear", é hoje la ameaça mais séria à paz internacional e à segurança".

- Tremor de terra -

Um tremor pouco profundo de magnitude 3,5 foi registrado neste sábado na Coreia do Norte, levantando preocupações sobre um novo teste nuclear de Pyongyang. Segundo os especialistas, seria uma possível réplica sísmica do tremor causado pelo teste nuclear de 3 de setembro.

O terremoto foi classificado de explosão suspeita por especialistas chineses e de terremoto natural por Seul, mas segundo a Organização do Tratado da Proibição Completa dos Testes Nucleares (OTPCE), um organismo encarregado de detectar testes no mundo, o tremor parece ter sido uma réplica do teste de 3 de setembro.

"A hipótese mais provável neste momento é que se trata de uma consequência do acontecimento precedente, que foi de uma amplitude importante e que pode ainda ter repercussões em um zona de fratura telúrica", declarou à AFP Lassina Zerbo, chefe do órgão.

O Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS) indico que o epicentro do tremor aconteceu 20 km de um centro de testes nucleares norte-coreano, onde o regime detonou, no início do mês, seu sexto e mais potente artefato nuclear, que alegou ser uma bomba de hidrogênio que pode ser lançada em um míssil.

O último teste nuclear, de 3 de setembro, o sexto e mais potente da Coreia do Norte, causou um tremor de magnitude 6,3, que foi sentido na China.

A Agência meteorológica da Coreia do Sul (KMA) considerou que se tratava de "um tremor de terra natural". Um funcionário do comando das forças americanas no Pacífico, disse, sob anonimato, que "nada indica que se trate de outra cosa que não seja (um tremor) natural".

As chances de um novo teste nuclear norte-coreano contribuiu para uma escalada verbal entre Trump e Kim, apesar dos pedidos de Moscou pelo fim das provocações.

Dezenas de milhares de coreanos se manifestaram neste sábado na praça Kim Il-sung de Pyongyang em apoio ao dirigente norte-coreano.

"Kim Jong-Un da Coreia do Norte, que é obviamente um demente que não se importa de privar de comida ou assassinar seu povo, será posto à prova como nunca antes", escreveu Trump em sua conta do Twitter na sexta-feira, dia seguinte ao anúncio de novas sanções feito por Washington contra a Coreia do Norte.

Horas antes, o líder norte-coreano havia atacado Trump verbalmente, o descrevendo como "mentalmente trastornado" e ressaltando que ele "pagará caro" por sua ameaça.

Pyongyang mencionou a possibilidade de efetuar um teste de bomba H no oceano Pacífico.

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC é goleado na Capital e dá adeus ao Campeonato Catarinense Júnior https://t.co/H4ygOFg63J #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPrefeitura garante conserto de painéis de energia até o fim do mês https://t.co/XxTLYmkoib #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros