Venezuela começa a apresentar preços de cesta petroleira em iuanes - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Caracas15/09/2017 | 20h41

Venezuela começa a apresentar preços de cesta petroleira em iuanes

AFP
AFP

A Venezuela começou a divulgar o preço de seu petróleo em iuanes, após o presidente Nicolás Maduro anunciar que vai vender a commodity e outros produtos em moedas diferentes do dólar, informou nesta sexta-feira o governo.

"A partir desta semana, se apresenta o preço médio da cesta da Venezuela em iuane chinês", indicou o Ministério do Petróleo em seu portal.

Segundo o relatório, a cesta de petróleo venezuelana - que era calculada em dólares - fechou a semana em 306,26 iuanes (46,7 dólares segundo o câmbio publicado na página).

Na semana anterior, a cotação média foi de 300,91 iuanes (46,1 dólares).

O petróleo venezuelano teve leve recuperação, estimulado por "perspectivas mais favoráveis sobre a demanda petroleira mundial e relatos de uma menor produção global", indicou o ministério.

A cifra em iuanes é só uma referência, "pois no (mercado) final continua sendo vendida em dólares. Não tem grande relevância", disse à AFP o economista César Aristimuño.

Maduro anunciou, na semana passada, que seu governo venderia petróleo e outros produtos em moedas diferentes do dólar, em um esforço para fazer frente às sanções financeiras impostas pelos Estados Unidos.

Um dia antes, o presidente tinha anunciado diante da Assembleia Constituinte um pacote de medidas para driblar o decreto de Washignton, que proíbe negociar novas dívidas emitidas pelo governo e pela petroleira estatal PDVSA.

O mandatário citou a implementação de um sistema de pagamento internacional com uma cesta de moedas que incluiria iuanes, ienes, euros e rúpias, para se "liberar das amarras do dólar como moeda opressora".

A China é um dos principais consumidores do petróleo venezuelano.

A Venezuela enfrenta uma escassez de dólares com a queda dos preços dos hidrocarburetos, fonte de 96% das divisas no país, dependente das importações.

Isso teve como consequência um drástico recorte das compras externas de bens subsidiados, o que gera escassez de alimentos, remédios e outros bens básicos.

O país também tem um controle de câmbios desde 2003, no qual o governo monopoliza as divisas, limitando as importações privadas e a repatriação de lucros de empresas multinacionais.

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMotorista passa mal e tomba carro em Massaranduba, região Norte de SC https://t.co/pMu4QjmZj8 #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Prefeitura vai à Justiça por bombeiros voluntários https://t.co/BUMf4TOYCD #LeianoANhá 4 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros