Paquistão rejeita papel de 'bode expiatório' da guerra afegã - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Nações Unidas22/09/2017 | 00h30

Paquistão rejeita papel de 'bode expiatório' da guerra afegã

AFP
AFP

O Paquistão se nega a ser um "bote expiatório" do banho de sangue que ocorre no Afeganistão e a lutar a guerra dos outros, declarou nesta quinta-feira o primeiro-ministro paquistanês, Shahid Khaqan Abbasi, ao discursar na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Abbasi não criticou diretamente a nova estratégia do presidente americano, Donald Trump, para o Afeganistão, mas deixou claro seu desgosto pelas renovadas críticas que recebe do Paquistão.

"Após sofrer e sacrificar tanto devido ao nosso papel na campanha global contra o terrorismo, é muito doloroso para o Paquistão ser culpado pelo impasse militar e político no Afeganistão", lamentou Abbasi.

"Não estamos dispostos a ser o bode expiatório de ninguém. O Paquistão não está preparado para lutar a guerra afegã no solo paquistanês. Também não podemos aprovar qualquer estratégia fracassada que prolongue e intensifique o sofrimento dos povos do Paquistão, Afeganistão e de outros países da região".

Abbasi recordou que 27 mil paquistaneses morreram nas mãos de extremistas desde o início da guerra antiterrorista, lançada pelos Estados Unidos após os ataques de 11 de setembro de 2001.

O premier paquistanês disse que é preciso priorizar a eliminação de extremistas, incluindo os integrantes do Estado Islâmico e da Al-Qaeda no Afeganistão, mas defendeu uma solução política com os talibãs.

Estados Unidos e dirigentes afegãos acusam o Paquistão de fazer jogo duplo, com seus poderosos serviços de inteligência mantendo relações com os extremistas.

As forças americanas localizaram e mataram o líder da Al-Qaeda Osama bin Laden em 2011 em Abbottabad, uma cidade que abriga a elite militar paquistanesa.

Trump anunciou no mês passado a adoção de uma linha mais dura em relação ao Paquistão, revelando frustrações que durante longo tempo foram reservadas.

O presidente americano também enviou milhares de soldados adicionais ao Afeganistão para derrotar os talibãs.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, defendeu nas Nações Unidas o diálogo com o Paquistão, afirmando que os vizinhos podem trabalhar juntos para eliminar o extremismo.

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Os desafios impostos pela reforma trabalhista  https://t.co/qpQbilBf59 #LeianoANhá 43 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: Artista Luciane Sell da Silva, de Joinville, expõe no Uruguai https://t.co/138CNm8Mr3 #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros