Coreia do Norte diz que Trump declarou guerra ao país e ameaça ataque aos EUA - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Assembleia Geral da ONU25/09/2017 | 13h00Atualizada em 25/09/2017 | 16h04

Coreia do Norte diz que Trump declarou guerra ao país e ameaça ataque aos EUA

No sábado (23), bombardeiros americanos voaram próximo à região costeira norte-coreana para enviar "mensagem clara" a Pyongyang, segundo Pentágono

Coreia do Norte diz que Trump declarou guerra ao país e ameaça ataque aos EUA Jewel SAMAD/AFP
Foto: Jewel SAMAD / AFP
AFP
AFP

O ministro das Relações Exteriores norte-coreano, Ri Yong Ho, acusou, nesta segunda-feira (25), o presidente americano, Donald Trump, de "declarar guerra" à Coreia do Norte, e ameaçou derrubar os bombardeiros dos Estados Unidos que se aproximarem do país.

No sábado (23), aeronaves americanas voaram próximo à região costeira norte-coreana para enviar uma "mensagem clara" a Pyongyang, segundo o Pentágono.

– Todos os Estados-membros (da ONU) e o mundo inteiro devem claramente recordar que foram os Estados Unidos que declararam primeiro a guerra ao nosso país – afirmou o ministro a repórteres em Nova York, onde participa da Assembleia Geral da ONU.

– Desde que os Estados Unidos declararam guerra ao nosso país, temos o direito de adotar medidas, inclusive de abater bombardeiros estratégicos, mesmo que não estejam em nosso espaço aéreo – acrescentou o chanceler.

Leia mais
EUA incluem Venezuela e Coreia do Norte em lista de países com viagens proibidas
Na ONU, Trump diz que Coreia do Norte "será destruída" se ameaças continuarem
Trump e Xi Jinping concordam em "maximizar pressão" sobre Coreia do Norte

– As operações militares americanas de sábado "foram realizadas no espaço aéreo internacional, em águas internacionais. Nós temos o direito de voar, navegar e operar em todos os lugares onde é legalmente permitido – respondeu o porta-voz do Pentágono, Robert Manning.

Perguntado se os Estados Unidos continuariam com as demonstrações militares, ele lembrou os compromissos de defesa com a Coreia do Sul e o Japão. 

— Se a Coreia do Norte não encerrar suas ações provocativas, ofereceremos ao presidente opções para esse país — acrescentou.

No sábado, diante da Assembleia Geral da ONU, Ri Yong Ho já havia denunciado as declarações de Trump contra o seu país, chamando-o de "demente" e "megalomaníaco".

Em seu primeiro discurso nas Nações Unidas, o presidente americano ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte caso o país atacasse os Estados Unidos. Estas trocas verbais de rara violência no palanque de uma instituição que deveria garantir a paz e a segurança no mundo provocaram muitos pedidos de calma, principalmente de Moscou.

— Quando temos um agravamento da tensão, da retórica, então temos um risco de erro que pode levar a mal-entendidos. A única solução é uma solução política — reagiu o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric. 

Rússia defende saída negociada para a crise

Na sexta-feira (22), na ONU, o chanceler russo, Sergei Lavrov, pediu que "as cabeças quentes esfriassem". Ele defendeu uma "abordagem racional, ao invés de uma sala de aula onde as crianças brigam sem que ninguém possa detê-las", disse ele.

Em uma entrevista realizada no domingo (24), Lavrovalertou para "uma catástrofe imprevisível" em caso de derrapagem entre os dois países. Segundo ele, a crise atual só pode ser resolvida através de "carícias, sugestões e persuasão".

Em pouco mais de um mês, o Conselho de Segurança da ONU aprovou duas séries de sanções econômicas cada vez mais severas para forçar Pyongyang a retornar à mesa de negociação.

No sábado, o ministro norte-coreano justificou o desenvolvimento de armamentos de seu país pelo medo de um ataque americano. 

— A razão profunda pela qual a Coreia do Norte possui armas nucleares está ligada aos Estados Unidos. Devemos aumentar nossa força nuclear para alcançar o nível dos Estados Unidos — disse ele.

Na semana passada, a Coreia do Norte ameaçou testar uma bomba de hidrogênio no Oceano Pacífico. Seria "uma manifestação chocante de irresponsabilidade", segundo afirmou o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis.

Leia mais notícias de Mundo

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC jogará na manhã de domingo pela terceira rodada da Copa SC https://t.co/Mb1YysElZx #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona usará força máxima em jogo do Estadual de Futsal nesta quinta https://t.co/pinslwruXl #LeianoANhá 3 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros