TOPSHOTS Confrontos na Cisjordânia e em Jerusalém matam três palestinos e três israelenses - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Jerusalém21/07/2017 | 20h00

TOPSHOTS Confrontos na Cisjordânia e em Jerusalém matam três palestinos e três israelenses

AFP
AFP

Três palestinos morreram e centenas ficaram feridos nesta sexta-feira em confrontos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia ocupada, onde um palestino matou a facadas três israelenses em uma colônia.

O agressor palestino entrou na colônia de Neve Tsuf, a noroeste de Ramallah, e matou três civis israelenses a facadas e feriu outros dois, informou o Exército em um comunicado.

"Atacou e massacrou uma família durante a ceia do sabbat, matando o avô e dois de seus filhos, além de ferir a avó", revelou uma porta-voz das forças de segurança à AFP.

O ataque ocorreu após um dia de confrontos entre as forças de segurança israelenses e manifestantes palestinos.

Pelo menos três palestinos morreram na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental nos enfrentamentos entre as forças israelenses e manifestantes que protestam contra as novas medidas de segurança para ter acesso à Esplanada das Mesquitas.

"Um palestino morreu por disparos no coração", disse o Ministério da Saúde palestino, explicando que o incidente aconteceu em Abu Dis, na Cisjordânia ocupada.

Pouco antes, a mesma fonte anunciou a morte de outras duas pessoas em circunstâncias parecidas, uma no bairro de Ras al-Amud (perto da Cidade Velha de Jerusalém) e outra na zona de A-Tur (Jerusalém Oriental).

O Crescente Vermelho palestino informou 450 feridos em Jerusalém e na Cisjordânia enquanto a polícia israelense anunciou um total de 29 prisões nas duas áreas.

A Polícia israelense proibiu que homens com menos de 50 anos entrem na Cidade Antiga de Jerusalém e na Esplanada das Mesquitas, impedindo que participem da tradicional oração muçulmana semanal.

"A entrada na Cidade Velha e no Monte do Templo (Esplanada das Mesquitas para os muçulmanos) fica limitada aos homens de 50 anos, ou mais, e às mulheres de qualquer idade", anunciou a Polícia, em um comunicado.

Em resposta, o presidente palestino, Mahmud Abbas, anunciou o congelamento das relações com Israel até que essas medidas sejam suspensas.

"Em nome da direção palestina anuncio um congelamento de todos os contatos com o Estado ocupante a todos níveis até que Israel se comprometa a anular todas as medidas contra nosso povo palestino em geral e em Jerusalém, e na mesquita Al-Aqsa em particular", declarou Abbas a jornalistas.

Durante o dia, centenas de pessoas protestaram, rezando na rua, perto da entrada da Cidade Velha.

Um grupo de pessoas, incluindo líderes muçulmanos, começou a caminhar para a entrada, mas foi contido pela Polícia, que recorreu ao uso de gás lacrimogêneo. Alguns palestinos responderam lançando pedras e outros objetos.

A Esplanada das Mesquitas, onde estão o Domo da Rocha e a mesquita Al-Aqsa, fica na Cidade Antiga de Jerusalém, setor palestino da Cidade Santa. Sua anexação por parte de Israel nunca foi reconhecida pela comunidade internacional.

Desde domingo, os palestinos denunciam a instalação de detectores de metal nas entradas do lugar santo, decidida por Israel depois do ataque contra policiais israelenses em 14 de julho, perto desse mesmo local.

A medida trouxe de volta o temor dos palestinos de que Israel tome o controle exclusivo do terceiro lugar santo do Islã, também venerado pelos judeus, que o chamam de Monte do Templo.

Desde então, os palestinos decidiram não ir à Esplanada e fazer suas orações na Cidade Antiga.

- Confrontos diários -

Nesta semana, houve confrontos quase diários com a polícia israelense. Prevista para meio-dia e

Nos últimos dias, a imprensa israelense informou que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu cogitava a possibilidade de retirar os detectores para evitar incidentes. Após consultar as forças de segurança e seu gabinete, Netanyahu decidiu manter o procedimento.Tradicionalmente reunindo milhares de fiéis, a grande oração de sexta-feira pode dar lugar a mais tumulto.O gabinete de segurança "deu à Polícia a autoridade para tomar as decisões necessárias para permitir o livre acesso aos lugares santos, garantindo - ao mesmo tempo - a segurança e a ordem pública", declarou uma autoridade israelense nesta sexta-feira.

- Status quo -

A polícia israelense disse ainda que reforçou seus efetivos na Cidade Antiga com unidades "mobilizadas em todos os setores e bairros". Ontem, o Exército garantiu o envio de cinco batalhões extras à Cisjordânia ocupada para conter possíveis distúrbios.

Em Jerusalém Oriental, Israel controla os acessos à Esplanada das Mesquitas, local que, há décadas, cristaliza as tensões entre israelenses e palestinos. A Jordânia é responsável pela gestão do local.

Em diferentes ocasiões, Israel disse não ter a intenção de modificar as regras tácitas do atual status quo, o qual estabelece que os muçulmanos podem ir à Esplanada a qualquer hora. Também autoriza os judeus a ingressarem a determinadas horas do dia sem pode rezar.

"Israel se compromete a manter o status quo no Monte do Templo e a liberdade de acesso aos lugares santos", frisou uma autoridade do governo israelense nesta sexta-feira.

jjm-mjs/bpe.zm/tt/cc/cb

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona guarda lições de 2016 para dar o troco na Assoeva na final da Liga https://t.co/N26weHkngx #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia"O corte de despesas é o caminho para o país crescer", disse Henrique Meirelles na Fiesc https://t.co/RR4UYpkn7v #LeianoANhá 7 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca