Merkel e Macron se unem para produzir aviões de combate na UE - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Paris13/07/2017 | 13h31

Merkel e Macron se unem para produzir aviões de combate na UE

AFP
AFP

França e Alemanha estão em sintonia, conforme demonstrado nesta quinta-feira (13) em Paris, onde Angela Merkel e Emmanuel Macron concordaram em desenvolver uma nova geração de aviões de combate e em trabalhar juntos para dar força à Europa.

O anúncio foi feito após um encontro de ministros franceses e alemães em Paris.

Além de uma série de medidas acordadas entre os ministros de Economia, Cultura e Educação, a proposta de desenvolver juntos aviões de combate é uma mostra de sua ambição conjunta de dar um novo alento ao motor franco-alemão depois do Brexit.

"O objetivo desse projeto comum de um avião de combate é realizarmos juntos a pesquisa e o desenvolvimento, usá-lo de maneira conjunta e coordenar as exportações", afirmou o presidente francês, garantindo que a iniciativa é uma "profunda revolução".

Atualmente, a Europa fabrica dois aviões de combate: o Rafale, da francesa Dassault, e o Eurofighter, produzido por um consórcio de empresas da Alemanha, Reino Unido, Itália e Espanha.

Macron também fechou um acordo para a Alemanha contribuir para o financiamento da força regional antiterrorista conjunta apoiada por Paris, chamada d G-5 Sahel, formada por soldados de Mauritânia, Chade, Mali, Níger e Burkina Faso.

Eleito em 7 de maio passado, Macron aspira por uma renovação histórica do bloco europeu, com integração maior nos setores de defesa, segurança e imigração.

O francês pró-UE quer criar um ministério de Finanças, um Parlamento e um orçamento próprio para a zona do euro. Para isso, seria preciso fazer mudanças nos tratados atuais.

Mas, a três meses das eleições legislativas da Alemanha, vai ser difícil para Paris e Berlim avançarem significativamente nos temas, que são impopulares entre a opinião pública alemã.

"Não tenho nada contra um orçamento para a zona do euro e podemos conversar sobre a criação de Ministério europeu de Finanças", apontou Merkel, cujo partido União Democrática Cristã (CDU) é favorito no pleito.

- Unidos contra Trump -

Os dois líderes europeus destacaram também sua posição em comum sobre o comércio e a luta contra as mudanças climáticas, dois temas em que discordam do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que também está em Paris nesta quinta-feira (13) para encontrar Macron.

O presidente francês disse que Paris e Berlim "vão continuar lutando, por um lado, contra todo o protecionismo, por outro, contra qualquer intenção de dumping no sistema internacional".

Ele ainda disse que ambos se opõem firmemente à decisão de Trump de sair do Acordo de Paris.

O Brexit e a chegada de Trump à Casa Branca deram um novo fôlego à UE.

O bloco criou, no mês passado, um fundo europeu de defesa, com um orçamento anual de 6,1 bilhões de dólares, criando as bases para uma cooperação militar há muito estagnada.

O florescimento da relação franco-alemã reflete essa nova dinâmica, ainda que existam divergências.

Macron advertiu que a Alemanha deve "se mexer" para corrigir as disfunções da zona do euro.

O mandatário francês espera que a Alemanha, com superávit comercial e contas públicas saudáveis, contribua para o orçamento do bloco. O valor será usado para estimular a expansão e os investimentos nos países com alto nível de desemprego.

"A França deve reformar sua economia para ter mais vigor", disse Macron em entrevista ao jornal Ouest-France. Mas a Alemanha "deve acompanhar uma reativação dos investimentos públicos e privados na Europa", completou.

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConcurso premiará professores inovadores com viagem aos Estados Unidos https://t.co/njg4izaFdo #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPessoas com deficiência física e motora ainda enfrentam desafios na acessibilidade em Joinville  https://t.co/TO0F1PSsgj #LeianoANhá 9 horas Retweet

Mais sobre

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros