Famílias fazem homenagem às vítimas do voo MH17, derrubado na Ucrânia em 2014 - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Holanda17/07/2017 | 10h18Atualizada em 17/07/2017 | 10h52

Famílias fazem homenagem às vítimas do voo MH17, derrubado na Ucrânia em 2014

Familiares e amigos plantaram 298 árvores em memória aos passageiros do avião atingido por um míssil no leste ucraniano, há três anos

Famílias fazem homenagem às vítimas do voo MH17, derrubado na Ucrânia em 2014 Robin van Lonkhuijsen/ANP
Rei holandês Willem-Alexander (centro) e a rainha Máxima (à esquerda) chegam para a inauguração de monumento em homenagem às vítimas Foto: Robin van Lonkhuijsen / ANP
AFP
AFP

Três anos depois que o voo MH17 foi derrubado na Ucrânia, cerca de 2 mil familiares homenagearam, nesta segunda-feira (17), na Holanda, as 298 vítimas da tragédia com a inauguração de um "bosque de memórias".

Formando um "laço verde", 298 árvores foram plantadas em homenagem a cada uma das vítimas, incluindo 196 holandeses, que morreram depois que o Boeing 777 da Malaysia Airlines foi atingido por um míssil no leste da Ucrânia em guerra.

Leia mais
Maduro sofre derrota em plebiscito que termina com uma morte e três feridos
Raúl Castro diz que há retrocesso nas relações entre Cuba e EUA
Afeganistão tem novo recorde de vítimas civis desde janeiro, aponta ONU

O rei Willem-Alexander e a rainha Máxima da Holanda inauguraram às 14h (9h pelo horário de Brasília) o monumento no parque Vijfhuizen, perto do aeroporto de Amsterdã-Schiphol, de onde decolou em 17 de julho de 2014 o avião com destino a Kuala Lumpur.

Os nomes dos passageiros e membros da tripulação foram lidos por parentes e amigos, enquanto o casal real, acompanhado por 17 crianças de Vijfhuizen, depositou as primeiras flores no monumento. Foram seguidos pelas famílias que vieram de várias partes da Holanda, bem como da Austrália, Malásia, Reino Unido, Alemanha e Indonésia, para homenagear as vítimas de 17 nacionalidades diferentes.

Estas "298 árvores irão manter viva a memória das vítimas", indicou a fundação das famílias das vítimas em um comunicado. Este "laço verde (...) une e serve como um oásis de reflexão, conforto e esperança".

O projeto, financiado por doações e concebido pelo artista Ronald A. Westerhuis e pelo arquiteto paisagista Robbert de Koning, foi selecionado em novembro de 2015 por 60% das famílias entre três propostas.

"Sem esquecer" 

Após três anos, os supostos autores não foram presos, mas as autoridades holandesas anunciaram, no início de julho, que os suspeitos serão julgados na Holanda.

A equipe de investigação conjunta (EIC) concluiu que o avião foi atingido por um míssil tipo BUK fabricado na Rússia e lançado a partir de uma zona de combate controlada pelos rebeldes pró-russos. Uma centena de pessoas que "desempenharam um papel ativo na tragédia" foram identificadas.

Em Kiev, o presidente ucraniano Petro Poroshenko declarou, nesta segunda-feira, que a Rússia deveria responder pela destruição do avião.

"Foi um crime flagrante que poderia ter sido evitado se não tivesse havido uma agressão russa, equipamento russo e mísseis russos fornecidos a partir do território russo", ressaltou Poroshenko em sua conta do Facebook.

As autoridades separatistas e o governo russo, no entanto, negam qualquer responsabilidade e acusam o Exército ucraniano.

Algumas famílias também criticam a Rússia de criar obstáculos à investigação, de acordo com a imprensa holandesa.

— Não se trata apenas de tristeza, luto e lembrança. Nós também queremos justiça — declarou Sander van Luik, que perdeu seu irmão na tragédia, citado pelo jornal De Telegraaf.

Cada árvore do monumento nacional MH17 de Vijfhuizen leva o nome de uma vítima. Uma macieira em flor será dedicada a Gary, um adolescente de dezesseis anos de Roterdã, cujo corpo ainda não foi identificado.

— É bom ter uma árvore para ele, porque não recebemos seu corpo — admitiu seu pai, Jan Slok, ao jornal AD.

A parede de aço em forma de olho de dezesseis metros de comprimento e quatro metros de altura que rodeia o monumento, representa "o peso da perda", de acordo com o jornal Trouw. A parede de aço deve, ao longo do tempo, oxidar-se, símbolo da lenta evolução da dor.

Já os nomes das vítimas foram gravados no centro, em aço inoxidável.

— Se olhar do interior, verá a si mesmo e o nome de seu ente querido — explica o artista Ronald A. Westerhuis, citado por Trouw. — Este aço foi polido de maneira a refletir a luz do sol sobre a parede em sombra — explica.

Leia mais notícias de Mundo

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCópia de: Loetz: Quase mil empresas de Joinville caem na malha fina da Receita Estadual https://t.co/xhDclu683A #LeianoANhá 6 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaAlunos reclamam da falta de ração para animais na Escola Agrícola de Joinville https://t.co/PDXU7O5Kel #LeianoANhá 21 minutosRetweet
A Notícia
Busca