Crise em Jerusalém tem que ser resolvida até sexta, alerta enviado da ONU - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Nações Unidas24/07/2017 | 16h40

Crise em Jerusalém tem que ser resolvida até sexta, alerta enviado da ONU

AFP
AFP

A crise sobre as novas medidas de segurança israelenses na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém tem que ser resolvida até sexta-feira para evitar uma escalada da violência, informou o enviado especial da ONU para o Oriente Médio nesta segunda-feira.

"É extremamente importante que se encontre uma solução à crise atual para sexta-feita desta semana", disse Nicolai Mladenov após uma sessão informativa no Conselho de Segurança.

"O perigo no terreno aumentará se entrarmos em outro ciclo de oração na sexta-feira sem uma resolução para a crise atual", advertiu.

O Conselho se reuniu a portas fechadas para discutir a maneira de aliviar a tensão na Esplanada das Mesquitas, conhecido pelos judeus como o Monte do Templo, em Jerusalém Oriental.

Israel instalou detectores de metais nas entradas do complexo, que abriga a mesquita Al Aqsa e a Cúpula da Rocha, depois que dois policiais israelenses morreram em um ataque no dia 14 de julho.

Os palestinos interpretaram a medida como um movimento de Israel para reforçar seu controle no lugar. Em meio a protestos, cinco palestinos morreram em confronto com as forças de segurança israelenses neste fim de semana.

Egito, França e Suécia solicitaram esta reunião enquanto o enviado do presidente americano Donald Trump, Jason Greenblatt, foi a Israel para participar nas negociações na tentativa de reduzir as tensões.

Mladenov disse que pediu aos membros do Conselho que usem sua influência com Israel e com os palestinos para convencê-los a deter a escalada de violência, assegurando o acesso aos fiéis.

"Embora a violência ocorra em duzentos metros quadrados, ela tem o potencial de desatar catastróficas consequências além dos muros da Cidade Velha, muito além de Israel e Palestina, e inclusive para o Oriente Médio", alertou.

O embaixador de Israel Danny Danon disse aos repórteres que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu estava trabalhando para acalmar a situação, mas ao mesmo tempo afirmou que fariam "o que seja necessário para garantir a segurança".

O embaixador palestino na ONU Riyad Mansour acusou Israel de "colocar obstáculos aos fiéis", e disse que o Conselho deve exigir que os detectores de metais e as câmeras sejam eliminadas "completamente e sem condições".

O Conselho se reunirá outra vez na terça-feira para seu rotineiro debate mensal sobre o conflito entre Israel e os palestinos, que terá como foco os últimos acontecimentos.

* AFP

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Novo bloco do CCT da Udesc está na fase final de obras https://t.co/00zq4IWFhe #LeianoANhá 42 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: Mostra de arquitetura será realizada em casa antiga da rua Aquidaban, em Joinville  https://t.co/AugrJt6WY1 #LeianoANhá 4 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros