Congresso dos EUA consegue acordo sobre orçamento, mas ignora muro de Trump - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Mundo01/05/2017 | 18h11Atualizada em 01/05/2017 | 18h11

Congresso dos EUA consegue acordo sobre orçamento, mas ignora muro de Trump

Trato  representa delicado equilíbrio entre proposta lançada no mês passado pelo presidente norte-americano e exigências impostas pela oposição

Congresso dos EUA consegue acordo sobre orçamento, mas ignora muro de Trump SAUL LOEB/AFP
Foto: SAUL LOEB / AFP
AFP
AFP

Os líderes do Congresso americano apresentaram, nesta segunda-feira, um acordo para dotar o governo federal de um orçamento que mantém o plano da Casa Branca para a defesa, mas não inclui recursos para a construção do muro na fronteira com o México, proposto por Trump. O acordo alcançado é o resultado de semanas de negociações entre legisladores republicanos e democratas e permite financiar o funcionamento federal pelo menos até 30 de setembro sem o risco de uma paralisação do governo por falta de orçamento.

Leia mais:
Relembre os primeiros meses do governo Trump em 10 tuítes
Luiz Antônio Araujo: cem dias de fiasco
Presidente chinês pede a Trump para conter tensão com Coreia do Norte

Este entendimento deverá ser aprovado esta semana primeiro na Câmara de Representantes e depois no Senado, para destinar aproximadamente 1,1 trilhão de dólares para cobrir gastos considerados fundamentais.

O acordo representa um delicado equilíbrio entre a proposta de orçamento lançada no mês passado pelo presidente Donald Trump e as exigências impostas pela oposição para que o projeto prospere. Dessa forma, o orçamento reserva 598,5 bilhões de dólares para o setor de Defesa, um aumento de 25 bilhões ou 4,5% em relação a 2016.

Nem um dólar para o muro

— O Estados Unidos será mais forte e mais seguro graças a esse orçamento — disse o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan.

O acordo responde "ao compromisso do presidente Trump de reconstruir nossas forças armadas para o século XXI e de reforçar nossas fronteiras para proteger o país", acrescentou.

O texto também inclui uma previsão de 1,5 bilhão de dólares para o aumento da segurança na fronteira, além da contratação de novos agentes para o patrulhamento. 

Isso inclui recursos para as operações de prisão e deportação de imigrantes em situação irregular e que tenham cometido delitos, contratação de juízes para tribunais migratórios e construção de novas instalações para manter pessoas detidas. O acordo, contudo, não prevê nem um só dólar para o polêmico muro que Trump propõe construir na fronteira com o México e que parece cada vez mais improvável, por seu alto custo e pela falta de um orçamento específico.

No dia 16 de março, quando a Casa Branca anunciou o projeto de orçamento que enviaria ao Congresso, o texto designava 2,6 bilhões de dólares ao "planejamento, projeto e construção" do controverso muro fronteiriço.

Logo se tornou evidente que as bancadas da oposição democrata não aprovariam um orçamento federal que inclua recursos para o muro e, diante da necessidade de garantir esses votos, a Casa Branca não teve outra opção que não fosse deixar a ideia de lado.

"Temos tempo"

Na sexta-feira, ao falar à Associação Nacional do Rifle (NRA, em inglês), Trump afirmou que o muro será construído, embora não tenha oferecido detalhes.

— Temos todo o tempo preciso — disse o mandatário.

Assim, a ausência de recursos para o muro não é exatamente uma surpresa nesse orçamento temporário até setembro, mas confirma que o presidente usou a ideia como uma carta na negociação. Desde a campanha eleitoral do ano passado, Trump insiste em que, de uma forma ou de outra, o México pagará pelo muro, mas o início da obra requer fundos disponíveis em um orçamento aprovado pelo Congresso.

— É um bom acordo para o povo americano e deixa a possibilidade de uma paralisia do governo fora de questão — disse o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, em um comunicado.

— A lei garante que os dólares dos contribuintes não serão usados para financiar um muro fronteiriço inefetivo, (...) e aumenta os investimentos em programas pelos quais a classe média se preocupa como a pesquisa em saúde, com a educação e com as infraestruturas — acrescentou.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoinville empata em 1 a 1 com o Tupi-MG na Arena e frustra a torcida https://t.co/JxO3N1zGI9 #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC fica no empate com o Tupi na Arena. Leia a crônica do jogo: https://t.co/wJ7ZxPsIBS https://t.co/2LaydOfMfBhá 3 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros