Trump: empresas que deixarem EUA enfrentarão 'consequências' - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Indianapolis02/12/2016 | 00h12

Trump: empresas que deixarem EUA enfrentarão 'consequências'

As companhias que deixarem os Estados Unidos em busca de custos menores em outros países enfrentarão "consequências" - ameaçou nesta quinta-feira (1º) o próximo presidente americano, Donald Trump, que também ofereceu corte de impostos e regulamentações empresariais.

"As companhias não vão abandonar os Estados Unidos sem consequências. Não vai acontecer", disse Trump, durante visita à fábrica de aparelhos de ar condicionado Carrier em Indiana, que se recusou a reposicionar mil postos de trabalho no México.

Em sua proposta para conter a fuga de empresas, Trump prometeu reduzir impostos e cortar as regulamentações que "esmagam" as indústrias e os pequenos negócios.

"Seus impostos estarão no mais baixo e suas regulamentações desnecessárias desaparecerão. Precisamos de regulamentações por segurança e pelo ambiente. Mas a maioria das regulamentações não faz sentido", disse o bilionário republicano.

Ao ressaltar que seis das oito companhias americanas de ar condicionado estão realocadas no México, Trump insistiu: "Não toleraremos mais".

"Abandonar o país vai ser muito, muito difícil", insistiu.

"Gostamos do México. Estive há três meses com o presidente do México, um cara incrível, mas devemos ter um tratamento justo. Não recebemos nada", afirmou, reiterando as críticas de campanha contra o Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês).

"Temos o Nafta, que é um desastre total", afirmou.

Trump também reiterou sua promessa de construir um muro na fronteira com o México.

"Acreditem em mim, vamos construir esse muro", afirmou.

O magnata nova-iorquino fez da Carrier um símbolo desde que a fábrica anunciou que não vai transferir os mil empregos para o México, garantindo na última terça-feira no Twitter ter "chegado a um acordo com o presidente eleito".

Em nota publicada depois, a empresa explicou que os "incentivos propostos pelo Estado (de Indiana) tiveram um papel importante" na decisão.

"O estado de Indiana ofereceu a Carrier um pacote plurianual de US$ 7 milhões, acompanhado de condições de emprego, de manutenção de postos de trabalho e de investimentos financeiros", relatou a filial do gigante United Technologies, nesta quinta-feira.

Segundo veículos da imprensa americana, também receberá benefícios fiscais por seis anos.

Indianápolis foi a primeira parada de Trump em uma "turnê da vitória" por estados industriais, onde pavimentou seu caminho à Casa Branca com a mensagem de que devolverá empregos em uma região deprimida pela realocação de empresas para outros países.

Acompanhado de seu vice-presidente, Mike Pence, que também é governador de Indiana, Trump narrou em detalhe como, durante um telefonema, forçou o braço do presidente do grupo United Technologies, Gregory Hayes, presente na sala.

Também ironizou aqueles que o criticam por menosprezar, com essa postura, a função presidencial.

"Eles dizem que não é presidencial ligar para esses grandes líderes empresariais. Acho, pelo contrário, que é muito presidencial e, se não for, tudo bem", minimizou.

Os empregos salvos representam, porém, apenas uma mínima parte do problema. No Twitter, o economista Paul Krugman calculou que um acordo similar semanal durante quatro anos devolveria apenas 4% de todos os postos de trabalho desaparecidos desde 2000.

A proposta de Trump abarca, principalmente, reduzir impostos, de 35% a 15% "com sorte", e eliminar regulações "sem sentido" que "esmagam" os negócios.

O ex-pré-candidato democrata à presidência Bernie Sanders denunciou uma "solução que apenas piora o problema de desigualdade nos Estados Unidos".

"Em vez de um (pagamento de) impostos, a empresa vai-se beneficiar de uma redução de impostos. Uau! (...) Como é que isso pune as companhias que se mudam dos Estados Unidos?", ironizou.

Na localidade de Huntington, 700 empregados de uma fábrica de microprocessadores pertencente à United Technologies temem por sua estabilidade, já que a empresa planeja deslocar a produção para o México em 2018.

A taxa de desemprego é de 4,4% em Indiana, onde as empresas buscam pessoal altamente qualificado, como nos setores de Tecnologia da Informação, ou fabricação automatizada.

A "turnê" de Trump continuou, nesta quinta, no também industrial estado de Ohio.

bur/mlm/ec/rsr/ahg/tm/mvv/tt

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTransformador de cinco toneladas cai de carreta e bloqueia BR-376 https://t.co/YUAK9VyoVWhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoão Carlos Gonçalves é afastado do cargo da Câmara de Vereadores de Joinville https://t.co/UIXONjXnEjhá 6 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros