Senadores franceses homenageiam vítimas de Fidel - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Paris01/12/2016 | 18h36

Senadores franceses homenageiam vítimas de Fidel

Senadores franceses de direita e de centro fizeram, nesta quinta-feira (1º), um minuto de silêncio "em memória das vítimas de Fidel Castro".

"Gostaria de oferecer um pouco do meu tempo de palavra à memória das vítimas de Fidel Castro, pedindo aos nossos colegas que façam um momento de silêncio", declarou o senador Claude Malhuret (Les Républicains, direita), na Casa.

Depois do pedido, os senadores da direita - Les Républicains e os centristas - se levantaram em silêncio, enquanto seus pares da esquerda se permaneceram sentados e gritaram contra a "hipocrisia".

"A História designará Fidel Castro, junto com Stalin, Kim Il-Sung, ou Pol Pot, como um dos perseguidores mais ferozes de seu próprio povo", afirmou Malhuret.

"Cerca de 100 mil mortos, executados, assassinados, torturados, em prisão perpétua, os 'boat people', um quinto do povo cubano no exílio, milhares de mortos no mar, dezenas de milhares de vidas perdidas pela miséria, pela desnutrição, pelo desastre econômico provocado pelo comunismo", detalhou Malhuret.

O senador também questionou se era oportuno ter enviado a número três do governo francês, a ministra Ségolène Royal, para assistir às cerimônias fúnebres de Fidel Castro, em Cuba.

"Do mesmo modo que vários países, assim como o papa, a França quer apoiar a democratização de Cuba, desenvolver suas relações com Havana em todos os campos", rebateu o secretário de Estado de Assuntos Exteriores, Harlem Désir.

A França "abordará o tema da democracia e dos direitos humanos no marco do diálogo político com as autoridades cubanas", acrescentou Désir, membro do Partido Socialista (PS) francês.

O líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, faleceu na última sexta-feira (25), aos 90 anos.

jlp-meb/jz/tt

milhares de vidas perdidas pela miséria, pela desnutrição, pelo desastre econômico provocado pelo comunismo", detalhou Malhuret.

O senador também questionou se era oportuno ter enviado a número três do governo francês, a ministra Ségolène Royal, para assistir às cerimônias fúnebres de Fidel Castro, em Cuba.

"Do mesmo modo que vários países, assim como o papa, a França quer apoiar a democratização de Cuba, desenvolver suas relações com Havana em todos os campos", rebateu o secretário de Estado de Assuntos Exteriores, Harlem Désir.

A França "abordará o tema da democracia e dos direitos humanos no marco do diálogo político com as autoridades cubanas", acrescentou Désir, membro do Partido Socialista (PS) francês.

O líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, faleceu na última sexta-feira (25), aos 90 anos.

jlp-meb/jz/tt

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSaúde deposita R$ 2,2 milhões para Hospital Infantil de Joinville https://t.co/Dtv609FQlBhá 4 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPrimeiro relatório da temporada aponta 44 pontos impróprios para banho em SC https://t.co/mWmj1CVZKehá 9 horas Retweet

Mais sobre

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros